PF faz buscas contra Witzel em investigação sobre hospitais de campanha

Malotes com documentos são apreendidos na residência oficial do governador, em escritórios e casas de autoridades de saúde e na sede da Iabas
terça-feira, 26 de maio de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Carros da PF saem pelos portões do palácio (Foto: O Globo)
Carros da PF saem pelos portões do palácio (Foto: O Globo)

O Palácio Laranjeiras, endereço oficial do governador Wilson Witzel, amanheceu nesta terça-feira, 26, cercado por agentes da Polícia Federal. Ele é um dos alvos da Operação Placebo, deflagrada pela superintendência da PF em Brasília, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), para apurar suspeitas de desvios na Secretaria estadual de Saúde envolvendo a contratação emergencial de hospitais de campanha e respiradores para o combate à pandemia de coronavírus.

Ao todo, segundo informações do portal de notícias G1, a PF cumpriu  12 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Benedito Gonçalves. Agentes deixaram o Palácio Laranjeiras com um malote cheio de documentos.

Outros alvos da operação foram o ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves e a organização social Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), contratada pelo governo do Rio para a construção de sete hospitais de campanha no estado.

Equipes da PF estiveram na casa de Gabriell, no Leblon, nos escritórios da Iabas no Centro do Rio e em São Paulo, onde fica a sede da OS, e na sede da Secretaria estadual de Saúde, no Centro do Rio. Os agentes também estiveram no apartamento em Botafogo do ex-secretário de Saúde Edmar Santos, na casa no Grajaú onde o governador  morava antes de ser eleito e no escritório de advocacia de Witzel, que é ex-juiz federal. 

Os crimes investigados são de  peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Witzel se defende

Witzel negou participar de qualquer irregularidade envolvendo esses contratos: "A interferência anunciada pelo presidente da República (na Polícia Federal) está devidamente oficializada. Estou à disposição da Justiça," disse ele. O Palácio do Planalto, no entanto, negou que a operação, solicitada pela PGR, tivesse interferência de Jair Bolsonaro. 

Outra operação da PF há duas semanas prendeu cinco pessoas, entre  elas o empresário Mário Peixoto, que firmou contratos de R$ 129 milhões com o governo do estado. Após essa operação, a Lava Jato no Rio enviou citações a Witzel para a Procuradoria-Geral da República.

Uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro no Congresso, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)  antecipou na véspera, em entrevista à Rádio Gaúcha, que a PF estava prestes a deflagrar operações   contra desvios na área da saúde nos estados.

O presidente Bolsonaro tem criticado Witzel ( de quem foi aliado durante a campanha) por conta das medidas de isolamento para conter o coronavírus.

Ao todo, segundo o G1, o governo do estado anunciou R$ 1 bilhão para o combate à Covid-19. A maior parte desse orçamento (R$ 836 milhões) foi destinada para o Iabas em contratos emergenciais, sem licitação, para hospitais de campanha.

Foram prometidas sete unidades em pleno funcionamento até o dia 30 de abril, mas nenhuma foi aberta no prazo - incluindo a de Nova Friburgo. Veja os prazos:

  1. Maracanã: aberto parcialmente dia 9 e uma ala “inaugurada” na última sexta, 22;

  2. São Gonçalo: uma inauguração foi anunciada para o dia 17, mas a unidade só deve abrir nesta quarta, 27;

  3. Nova Iguaçu: deve abrir na sexta, 29;

  4. Duque de Caxias: agendado para segunda, 1º;

  5. Nova Friburgo: prometido para 7 de junho;

  6. Campos: deve abrir em 12 de junho

  7. Casimiro de Abreu: o mais atrasado, programado para abrir dia 18 de junho.

Desse montante — e antes de ter recebido o primeiro leito dos sete hospitais contratados —, o estado já tinha adiantado R$ 256 milhões, em três levas:

  • Uma de R$ 60 milhões, paga em duas vezes, nos dias 13 e 15 de abril, sem especificação de onde seria o usado o dinheiro;

  • Uma de R$ 68 milhões, para pagar respiradores e finalização da montagem dos hospitais;

  • E outra parcela, no valor de R$ 128,5 milhões.

Suspeitas de irregularidades nesses contratos emergenciais já tinham motivado duas operações anteriores, a Mercadores do Caos, da Polícia Civil do Rio e do MPE, sobre respiradores; e a Favorito, da PF, sobre tentativa de fraudar mais contratos.

 Na Mercadores do Caos  foram presas cinco pessoas, entre elas os sócios de três empresas (Arc Fontoura, A2A e MHS Produtos) investigadas por suposta fraude na compra de mil respiradores. Somente 52 foram entregues, mas com especificações diferentes. A suspeita é que houve vantagem indevida nos contratos, cujo valor total é de R$ 183,5 milhões - parte deles pagos adiantados.

Na Favorito, foi preso no último dia 14 o ex-deputado estadual Paulo Melo e seu ex-sócio Mario Peixoto, além de outras três pessoas.  Peixoto é dono de empresas que celebraram diversos contratos, como o de fornecimento de mão de obra terceirizada.

 

LEIA MAIS

Na próxima segunda será feriado para o setor em comemoração ao Dia do Comerciário

Número de óbitos permanece inalterado e de pacientes curados registra alta

Pesquisa da CNC aponta ainda queda no endividamento entre os mais ricos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra