A passarinhada que habita o Sítio Virtuoso

Um hobby prazeroso e importante para a conservação da natureza
sexta-feira, 27 de novembro de 2020
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Adriana e Igor
Adriana e Igor

Localizado a 1.200 metros de altitude, no distrito de Lumiar, o Sítio Virtuoso é uma propriedade rural de 50 hectares e com mais de 90% de Mata Atlântica montana em estágio avançado de regeneração, conectados ao maciço florestal da Área de Proteção Ambiental (APA) de Macaé de Cima. 

Segundo a proprietária Adriana Mendes, nascida em Niterói e radicada em Lumiar há mais de 30 anos, para garantir a preservação dos remanescentes florestais do sítio adquirido em 1990 — sem impedir o desenvolvimento econômico —, decidiu se dedicar à prática do ecoturismo sustentável e à observação de aves como principal atividade. 

O começo

“Na época era casada e tínhamos o sonho de transformar o local num spa. Melhoramos o acesso, fizemos horta e pomar, construímos uma casinha e finalmente nos mudamos. Nem luz elétrica havia e apesar de termos feito muita coisa, ainda faltava muito para concretizar nosso projeto. Embora, nossos recursos fossem escassos. 

Após dois anos de algumas tentativas, como promoção de workshops, cultivo e venda de hortaliças, cestas com produtos orgânicos da região e artesanatos, nasceu minha filha, Lívia. Foi quando decidi me mudar para uma casa no centro de Lumiar.

O sonho de transformar o sítio em nossa moradia e fonte de renda foi ficando para trás e passamos a trabalhar em outras áreas. Me separei e acabei ingressando na rede estadual de educação onde leciono desde 2003.”

A volta por cima

Desde julho de 2018, Adriana vem se preparando para receber os birdwatchers de todo o mundo, “sejam eles os conterrâneos “passarinheiros” ou os birders gringos”. Ela conta como foi essa reviravolta: 

“A manutenção do sítio estava se tornando inviável, economicamente, e estava decidida a vendê-lo. Porém, há dois anos aconteceu um fato que mudou totalmente o curso dessa história: foi quando recebi a divulgação do evento "Vem Passarinhar", promovido pelo Inea, nas unidades de conservação do estado, sendo um deles em Macaé de Cima.

Eu e uma amiga resolvemos ir. Marcado para as sete horas, o local ficava a uns 18 km de Lumiar, por estrada de terra, vimos que seria difícil. Mas decidimos ir mesmo assim, até para conhecer aquela região. 

Chegamos ao local com duas horas de atraso, pensando que não haveria mais ninguém. Porém, por um problema na divulgação do evento, estavam lá somente o staff do Inea, e o guia, biólogo e ornitólogo Igor Camacho. 

Ficaram felizes com a nossa presença e disseram que poderíamos fazer a passarinhada com um guia que estava a poucos minutos do início da trilha. Fiquei maravilhada com a atividade de observação e todo o ritual envolvido nesta atividade, com perneiras, binóculos, câmeras, playback para chamar as aves, etc, fora todo o cunho meditativo e de contemplação/imersão com a natureza. 

Enfim, foi amor à primeira vista. Foi aí que pensei que essa atividade poderia ser perfeita para a minha propriedade. Então, conversando com o Igor, perguntei se ele não poderia visitar o sítio e ver se ele teria essa vocação. Uns dois meses depois, ele foi ao Virtuoso e ficou maravilhado. Viu um grande potencial no local, perfeito para implantar um circuito de birdwatching. 

O Igor esboçou o projeto Sítio Virtuoso Birdwatching. Cuidou da concepção, cujo processo durou cerca de um ano, até que, em 23 de março de 2019, fizemos o pré-lançamento do empreendimento e do calendário de passarinhadas bimestrais, guiadas por ele mesmo, em parceria com o Centro Holístico Açucena, nosso vizinho, que oferecia hospedagem.”

O sítio e  suas ‘virtudes’

Com a parceria da Canindé Birdwatching, empresa especializada na promoção da observação de aves na Mata Atlântica, o Sítio Virtuoso elaborou um verdadeiro parque de diversões para os amantes da atividade.

Até o momento, de acordo com Adriana, já foram registradas cerca de 170 espécies na propriedade. “Na área aberta do sítio, onde se encontram as alvenarias, jardim, pomar e estacionamento, podem ser observadas espécies típicas deste ambiente como o tico-tico, o joão-teneném e o besourinho-de-bico-vermelho”. 

Nas bordas da floresta também podem ser facilmente observados o sabiá-cica, o balança-rabo-de-garganta-rajada, o trepadorzinho, o arapaçu-de-bico-torto, e a tesourinha-da-mata. 

“Mas é no interior da floresta que o sítio mostra sua virtude, porque lá temos o tapaculo-preto e o tapaculo-pintado, a choquinha-carijó, a tovaca-de-rabo-vermelho, a araponga, a saudade e muitas outras espécies endêmicas da Mata Atlântica. E todos aguardam os observadores de aves”, convida Adriana. 

Uma viagem  mágica

Uma rede de trilhas circulares, sinalizadas a cada 50 metros, foi projetada para cruzar mirantes, palmitais, taquarais, matas de encosta, planaltos e os mais diferentes ambientes da Mata Atlântica montana entre os seus 300 metros de variação altitudinal nos limites do Sítio Virtuoso. 

Adriana informa que as estradas de acesso ao local também são uma ótima opção para a observação de aves, pois são pouco movimentadas e bastante seguras.

“Quatro comedouros (dois de frutas, um de grãos e os de água açucarada) foram instalados em locais estratégicos para a atração das mais belas e icônicas aves da Mata Atlântica”, ressaltou.

Segundo Adriana, o interesse pela observação de aves é crescente, mas ainda baixo entre os moradores de Friburgo. “A maioria de nossos clientes são de cidades vizinhas, como o Rio de Janeiro ou Niterói. A falta de guias especializados locais também são um fator dificultador para a popularização dessa atividade em nosso município”, explicou.

A pandemia do novo coronavírus interrompeu a programação, que previa, além das passarinhadas, workshops de fotografia e um levantamento de espécies da fauna e flora com especialistas da área.

“Mas, há alguns meses começamos a trabalhar com o day use, a pedido de guias e birders que procuravam locais seguros e com boa estrutura para passarinhar. Também estamos oferecendo hospedagem e uma nova casinha está em construção devendo estar pronta até março do ano que vem”, contou Adriana.

Saiba mais sobre 

“O  birdwatching  é uma atividade sustentável, preservacionista, educativa e anti-stress. Através dessa prática, mudamos a cultura da ‘gaiola’, conscientizando as pessoas sobre o importante papel das aves na conservação das florestas (dissipam sementes na mata e polinizam as flores) e no equilíbrio do nosso bioma de modo geral. Além disso, o birdwatching pode vir a ser uma das atividades econômicas de maior relevância em nosso município, devido a nossa vocação natural para essa prática, movimentando e gerando emprego para vários setores da sociedade, de forma sustentável.”

Aos parceiros 

Adriana Mendes aproveita a oportunidade para destacar a dedicação de Igor Camacho, que concebeu o projeto e lhe dá consultoria até hoje. Também o fotógrafo e guia Francisco Falcon, do Falconbirdwatching, que tem levado seus clientes de forma recorrente. E a parceria de Bia Palhano, proprietária do Centro Holístico Açucena, nos eventos realizados ano passado.

Contatos

Adriana Mendes: (22) 9 996 3738 (whatsApp / Rede de Agroturismo Altos da Serramar)

Igor Camacho: www.bluebirds.com.br 

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: