A importância de se movimentar para fortalecer o equilíbrio

Vida sedentária provocada pela quarentena faz crescer o número de acidentes domésticos com idosos
sexta-feira, 10 de setembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
A importância de se movimentar para fortalecer o equilíbrio

“Embora a gente saiba que os idosos precisem ficar em casa porque estão mais propensos ao risco das formas graves da Covid-19, eles precisam evitar um estilo de vida sedentário, principalmente para fortalecer o equilíbrio”, explica o geriatra e paliativista Danilo Gonçalves, do grupo S.O.S.Vida, recomendando atividades físicas devidamente orientadas e acompanhadas por profissionais da área. 

Uma ação que pode ajudar a reduzir os riscos de acidentes domésticos é a readequação do ambiente domiciliar, alterando a configuração dos móveis e removendo objetos que representem uma ameaça. 

“Formas simples e baratas de adequação do ambiente existem, uma delas é retirar tapetes, tentar utilizar pisos antiderrapantes; barras de proteção em camas e de segurança nos boxes do banheiro e ao lado do vaso sanitário; e uma adequação do vaso sanitário para a altura ideal do paciente. Tudo isso pode ser facilmente adaptado, sem tanto gasto, e proporcionar uma prevenção de diminuição do risco de queda do paciente no domicílio“, recomenda o médico.

O banheiro precisa de uma atenção maior, uma vez que esses locais costumam apresentar maior risco de acidentes, pois geralmente são ambientes com pisos molhados, com pouca adaptação e espaço. Nos casos onde o acidente venha a acontecer, o geriatra explica que a procura de uma unidade de emergência deve ser feita nos casos mais graves, como em pessoas que apresente um quadro de traumatismo craniano grave, que perdem a consciência ou que já tiveram alguma ocorrência de perda de memória. Outro sinal de alerta, que indica a necessidade urgente de procurar atendimento médico é a presença de dores persistentes no corpo após a queda.

“É muito importante tentar entrar em contato com algum médico de confiança ou que tenha contato com a família, principalmente agora no período da pandemia, para evitar encaminhamentos desnecessários à emergência. O médico vai avaliar a circunstância da queda, os fatores predisponentes e o que aquela queda causou“, alertou Danilo Gonçalves.

Quedas aumentam risco de morte e incapacitação

Estudos indicam que 5% a 10% das quedas nesse público resultam em lesões graves, e ainda podem causar Síndrome Pós-Queda, que pode reduzir autonomia. Com o passar dos anos, as quedas se tornam mais comuns, na mesma medida que são também mais perigosas. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), estudos indicam que a prevalência de pelo menos uma queda por ano na população com mais de 65 anos está entre 30% e 60%. Já nas pessoas acima de 85 o percentual de quedas aumenta em até 34%.

Dados também apontam que as quedas são a terceira causa de mortalidade entre as pessoas com mais de 65 anos no Brasil. Entre as consequências graves estão as fraturas, e pesquisas já indicam que há risco de morte entre 30% a 40% entre os idosos que fraturam o fêmur, além da incapacitação gerada.

De acordo com a geriatra Byanca de Oliveira Souza, que atua na S.O.S. Vida, entre 5% a 10% dessas quedas resultam em lesões graves, e isso também impacta a taxa de institucionalização dos idosos, à medida que eles perdem a autonomia.

“Quando um idoso tem uma queda e fica com alguma sequela mais importante, é mais possível que as famílias optem pela institucionalização diante da exigência de cuidados mais intensivos, pois muitas vezes eles ficam dependentes de forma permanente”, aponta a geriatra.

(Fonte: sosvida.com.br)

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: