Guiga Spinelli e Youssef Haddad levam Brasil ao pódio entre carros 4x4 diesel

Provas foram marcadas por inúmeros desafios, superação e muita técnica por parte dos pilotos
domingo, 24 de janeiro de 2021
por Vinicius Gastin
Pilotos brasileiros fazem história no maior rally do mundo
Pilotos brasileiros fazem história no maior rally do mundo

Friburguense de coração, como mostrou A VOZ DA SERRA, Guiga Spinelli, ao lado de Youssef Haddad, levou o Brasil a um lugar de destaque no maior e mais importante rali do mundo, o Dakar 2021. A competição chegou ao final na última sexta-feira, 15, na Arábia Saudita, e coroou a superação e determinação de diversos competidores, à exemplo dos próprios brasileiros. A dupla levou o Brasil ao pódio na categoria de carros 4x4 a diesel (T1.2), com o segundo lugar, e também atingiram o objetivo de concluir os mais de 7.600 quilômetros de percurso com seu Mini All4 Racing da equipe alemã X-Raid, fechando em 17º lugar na classificação geral entre os 70 veículos que começaram a prova no dia 3 de janeiro.

“É um sentimento muito bom e sensação de missão cumprida: completar o Dakar, dez anos depois da última vez que conseguimos isso (em 2011, na América do Sul). É um prazer enorme estar nessa equipe de alto nível, que foi campeã no ano passado com o (Carlos) Sainz e desta vez com o (Stéphane) Peterhansel. O carro é fantástico, chegar no fim do Dakar é, sem dúvida, uma conquista e faço questão de dividir este grande momento com todos da nossa equipe aqui e no Brasil e a nossos parceiros”, diz Guiga.

Pentacampeão do Sertões, Guiga havia feito sua última participação no Dakar em 2016 e agora acumula nove edições disputadas. “O segundo lugar na categoria carros 4x4 a diesel é importante, mas nosso resultado na geral foi abaixo da expectativa. Sabemos que poderíamos ter feito uma segunda semana melhor, mas fica esse bom sentimento de privilégio e oportunidade de fazer o Dakar completo com o carro inteiro e em uma equipe com pessoas tão profissionais e competentes”, completa Guiga.

A última especial do Dakar teve 200 km de trecho cronometrado, sendo que os competidores ainda percorreram mais 227 km no dia de deslocamento. Maior rali do planeta, o Dakar começou em 3 de janeiro e os participantes que chegaram ao final aceleraram em 12 dias, cruzando paisagens incríveis na Arábia Saudita, com dunas, pedras e até paisagens beirando o Mar Vermelho. Guiga e Youssef terminaram o acumulado das especiais em 51 horas, 38 minutos e 36 segundos.

“As piores dunas ficaram para o último dia, foi uma especial desafiadora, para concluir um Dakar que foi realmente bem puxado. Esse rali foi difícil, com dificuldade na gestão dos pneus para todos, com muitas pedras de pontas que prejudicaram a performance dos carros 4x4, que usam pneus menores. Por outro lado, estou bem feliz por terminar o Dakar depois de 10 anos, a última vez tinha sido em 2011, e isso já é uma vitória. Fica o aprendizado de um rali duro e de uma navegação bem complexa, agora é olhar para a frente e trabalhar para o próximo”, diz Youssef.

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: