Estado do Rio ainda tem média de 12 roubos de carga por dia, diz Firjan

Prejuízo nos cinco primeiros meses deste ano chegou a R$ 153 milhões. Para tentar reduzir esse tipo de crime, entidade aposta no projeto Arco Seguro
quarta-feira, 21 de julho de 2021
por Jornal A Voz da Serra
O Arco Metropolitano: inseguro (Arquivo AVS)
O Arco Metropolitano: inseguro (Arquivo AVS)

Apesar da queda do número de roubos de cargas nos últimos anos, foram registradas no estado do Rio de Janeiro, de janeiro a maio deste ano, pelo menos 1.896 ocorrências desse tipo de crime - uma média de 12 por dia. As perdas diretas foram de R$ 153 milhões, considerando o valor médio da carga roubada. É o que aponta o “Panorama do roubo de carga no estado do Rio de Janeiro – 2021”, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

“É importante ressaltar que o roubo de carga no estado é altamente concentrado. Por isso, além das ações já implementadas para o combate a esse tipo de crime, é fundamental que a atuação integrada das forças de segurança seja intensificada e que as áreas com os maiores números de ocorrências estejam no foco das políticas de segurança pública”, destaca Carlos Erane de Aguiar, presidente do Conselho Empresarial de Defesa e Segurança da Firjan.

O estudo da entidade aponta que, nos cinco primeiros meses do ano, 98% dos casos de roubo de carga registrados no estado foram na Região Metropolitana. Dez das 137 Circunscrições Integradas de Segurança Pública (CISPs) fluminenses concentraram mais da metade das ocorrências e são cortadas pelas principais rodovias do estado: BR-040 (Rodovia Washington Luís), Avenida Brasil, BR-101 (trecho Niterói-Manilha), BR-116 (Rodovia Presidente Dutra) e BR-493 (Arco Metropolitano), por onde é escoada grande parte da produção dos polos de moda íntima e metal-mecânico de Nova Friburgo para o eixo Rio-São Paulo.

Arco Seguro 

A Firjan também ressalta que, enquanto o estado teve redução de 12% do número de roubo de carga nos cinco primeiros meses de 2021, as 11 CISPs cortadas pelo Arco Metropolitano apresentaram aumento de 20% na comparação com o mesmo período de 2020. No município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde há o entroncamento do Arco Metropolitano com a BR-040, houve aumento de 66% no número de ocorrências. A região é considerada a de maior concentração de roubos de cargas no estado. Por isso, a Firjan, em parceria com outras instituições, vem desenvolvendo o projeto “Arco Seguro”, uma parceria público-privada com o objetivo de contribuir com ações de combate a esse tipo de crime na rodovia e seus arredores.

No estudo, a Firjan destaca que os bairros Pavuna, Ricardo Albuquerque e Bangu, nas zonas norte e oeste da capital, não estão mais entre as dez de maior concentração de roubos de cargas no estado do Rio, após redução das ocorrências em 42,5%, 44% e 36,4%, respectivamente.

O “Panorama do roubo de carga no estado do Rio de Janeiro – 2021”, elaborado pela Firjan pode ser acessado através do link: https://bit.ly/3xQ3BVX.

 

LEIA MAIS

Unidade de Nova Friburgo foi inspecionada recentemente

Empresa agora diz que pretende continuar mantendo a operação pelo tempo que for necessário; membros da CPI definem funções

Muitas vagas deixam de ser ocupadas porque não há profissionais aptos. Em Friburgo, isso se constata com a procura por costureiras

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra