Continua a espera por obras nas estradas da região

Deslizamento na Serramar continua levando perigo aos motoristas há quase um ano
sexta-feira, 15 de janeiro de 2021
por Henrique Amorim (henrique@avozdaserra.com.br)
O desvio na Serramar, na altura de Cascata (Arquivo AVS)
O desvio na Serramar, na altura de Cascata (Arquivo AVS)

Esta semana o Governo do Estado anunciou a revitalização de sete rodovias no interior. No Centro-Norte, apenas um trecho da RJ-148 (Nova Friburgo-Carmo), entre a localidade de Vargem Grande e o município de Sumidouro, será contemplado, com previsão de início dos reparos em maio. Aos motoristas, resta continuar esperando por obras há tempos reivindicadas. 

Na RJ-142 (Nova Friburgo-Casimiro de Abreu), a Estrada Serramar, ainda não há previsão de intervenções no trecho onde uma encosta deslizou em abril do ano passado, na altura da localidade de Cascata, no distrito de Lumiar. Uma avalanche de terra invadiu as pistas e foi preciso abrir passagem em um desvio improvisado pela mata que margeia a estrada. Desde então, veículos de passeio, os microônibus da linha Friburgo-Macaé, e até caminhões passam por ali arriscando motoristas e passageiros, principalmente em dias chuvosos. 

Equipes do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado (DER-RJ) já estiveram no local e “atestaram” a segurança do desvio. “Corremos risco aqui. Quando chove esse desvio vira um atoleiro. Não é a toa que a circulação dos ônibus é suspensa nesses dias”, queixa-se um caminhoneiro. As obras no trecho que deslizou continuam sem previsão. Também em Lumiar, próximo ao encontro dos rios Macaé e Bonito, parte da pista cedeu em fevereiro de 2020 em uma das inúmeras curvas sinuosas da Serramar e não há sequer sinalização no local. Aos motoristas é preciso redobrar a atenção, pois é preciso invadir a pista contrária para passar pelo trecho que também não tem previsão de obras. 

Outras rodovias estaduais que cortam Nova Friburgo, como a RJ-130 (acesso a Teresópolis) e RJ-150 (Nova Friburgo-São José do Ribeirão) também necessitam de intervenções urgentes. Na primeira, logo no trecho inicial, no bairro Duas Pedras, desníveis no pavimento, expõem motoristas e pedestres ao risco de acidentes, pois enormes calombos surgiram na pista há cerca de dois anos e até hoje não foram reparados. Na RJ-150, o trecho entre o Centro e o bairro Chácara do Paraíso assemelha-se a um queijo suíço. “Tapa buracos aqui não adianta mais. Tem que refazer essa estrada”, esbraveja o motorista Aluízio Pereira Silva.      

RJ-116: Estado vai assumir obra na serra            

Outra reivindicação dos motoristas da região é a conclusão das obras da encosta que deslizou em outubro de 2019 na RJ-116, altura do quilômetro 53, na serra dos Três Picos, em Cachoeiras de Macacu. O tráfego no local está sendo escoado no sistema ”pare e siga” desde então. A concessionária Rota 116, que administra o trecho privatizado da rodovia, informou que a intervenção necessária não é prevista no contrato de concessão e, portanto, deverá ficar sob a responsabilidade do Governo do Estado. 

A assessoria da concessionária informou ainda que realizou os trabalhos de limpeza e desobstrução do trecho, suavização do talude com a remoção de blocos de rochas soltos e árvores e instalou uma base de amortecimento com colocação de tela de proteção para evitar que possíveis quedas de materiais atinjam veículos em circulação. Também foi realizado um levantamento topográfico, sondagens geotécnicas e elaborado um projeto de contenção que foi encaminhado ao Estado. 

 

LEIA MAIS

Para ser atendido, usuário deve agendar o serviço até esta sexta, pelo site

Desmatamento e construções irregulares foram denunciados por A VOZ DA SERRA

Sem pavimentação, mato cresce e buracos também dificultam passagem de pedestres

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Trânsito | obra