Arquivo Pró-Memória da Fundação D. João VI: a História contada pelos jornais

Acervo inclui todas as edições impressas de A VOZ DA SERRA, desde o primeiro exemplar
sexta-feira, 22 de outubro de 2021
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Arquivo Pró-Memória da Fundação D. João VI: a História contada pelos jornais

A Fundação Dom João VI lamçou recentemente um vídeo lembrando todos os jornais de Nova Friburgo e região (ASSISTA AQUI). Os jornais podem ser didsponibilizados no Arquivo Pró-Memória.

Nesse acervo encontra-se, por exemplo, a coleção completa de A VOZ DA SERRA, o veículo mais antigo da região, e o terceiro do Brasil, ainda em circulação. Informando e esclarecendo a população sobre todos os acontecimentos do município, o jornal tem sido um marco no que diz respeito ao jornalismo produzido no interior do Estado do Rio. Desde 7 de abril de 1945. 

Em suas páginas estão os principais acontecimentos da cidade, do setor político ao cotidiano, do esportivo ao policial, do cultural ao econômico. Das eternas enchentes à tragédia climática de 2011, da cobertura dos bárbaros crimes até a prisão dos irmãos necrófilos, da histórica rixa política entre Paulo Azevedo e Heródoto Bento de Mello. 

O público pode conferir toda a história de Nova Friburgo nas mais de dez mil edições de AVS, nos arquivos do Pró-Memória, na sede da Fundação D. João VI, localizado na Praça Getúlio Vargas, 71, Centro. Graças a Thereza.

A paixão de Thereza Albuquerque e Mello

Ela foi a grande responsável pela memória friburguense, missão a que se dedicou por mais de 35 anos. O imenso acervo do Pró-Memória, que em 2010 foi incorporado ao Centro de Documentação D. João VI, só existe graças ao incansável trabalho de Thereza Albuquerque e Mello (1928-2018). 

Foi em 1975 que ela deu início à catalogação de recortes de jornais, fotos, livros históricos e documentos da cidade. Com o decorrer dos anos o Pró-Memória juntou um acervo que poucos municípios podem se orgulhar de ter. Em entrevista concedida a este jornal em 2012, Thereza lembrou: 

“O Jaburu (Júlio César Seabra Cavalcanti) chegou aqui em casa um dia me perguntando se eu gostaria de trabalhar no Departamento de Cultura da prefeitura. Na hora vi a oportunidade de fazer um trabalho maravilhoso. Conheci a dona Suzy (Suzel Cunha), que já colecionava notícias antigas de Friburgo, e fui apresentada à professora Dilva Maria de Moraes, que era a secretária de Educação. A empatia entre nós foi instantânea. A biblioteca também era subordinada ao Departamento de Cultura e uma das primeiras coisas que perguntei à Margarida Liguori (bibliotecária) foi sobre jornais. Ela não recebia nenhum. 

Então, procurei o Laercio Ventura (diretor de A VOZ DA SERRA), que atendeu meu pedido na hora e passou  a me mandar as edições, diariamente. Graças a ele, hoje temos praticamente todas as edições do principal jornal de Friburgo, desde o primeiro número. Os diretores dos demais jornais da época também colaboraram e eu ia catalogando tudo. Agora, só contamos com A VOZ DA SERRA”.

 

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: