Sonho adiado: Frizão permanece na Série A2 do Carioca

Tricolor da Serra conseguiu ir além do que as projeções apontavam
sexta-feira, 20 de agosto de 2021
por Vinicius Gastin
Elenco montado dentro da realidade, de forma minuciosa: clube prova que é possível sonhar com a Série A1
Elenco montado dentro da realidade, de forma minuciosa: clube prova que é possível sonhar com a Série A1

Seria covardia analisar o desempenho do Friburguense sem contextualizar com a realidade do clube. Ter jogado a Série A2 do Campeonato Carioca deste ano já foi um milagre. Com dívidas restantes de anos anteriores, o Tricolor da Serra contou, mais uma vez, com a habilidade de seu gerente de futebol, José Siqueira, para montar um elenco competitivo. E que, de fato, foi além das expectativas que as situações financeira e estrutural poderiam sugerir. Tanto que, de azarão no início do torneio, o Frizão chega ao fim da disputa com o sentimento de que era possível subir.

Apesar da sensação que mistura frustração e um pouco de orgulho pelo desempenho acima das projeções, o olhar para o futuro é importante. Algumas empresas apoiaram o Friburguense nesta temporada, colocaram placas no Eduardo Guinle, estamparam as marcas no uniforme do clube. Mas futebol é – cada vez mais – caro. Exige investimento em base, jogadores, estrutura. Contudo, não deixa de ser um excelente começo para que a cidade possa, enfim, abraçar o seu maior indutor de publicidade, um dos principais preservadores de toda a história desportiva do município.

Eliminado da Série A2 – e, portanto, sem possibilidades de voltar à primeira divisão do Rio de Janeiro em 2022 -, o Tricolor da Serra tentará melhor sorte na Copa Rio. O adversário nas oitavas de final é o América, em confrontos que acontecem na próxima quarta-feira, 25, no Giulite Coutinho, e 2 de setembro, no Eduardo Guinle. Há chance, através de competição, de voltar a figurar no cenário do futebol nacional.

Números e elenco

A minuciosa montagem do elenco obedeceu alguns critérios fundamentais. A principal, obviamente, foi a questão financeira. Quem veio já conhecia a realidade do Friburguense, aceitou receber o que pôde ser oferecido e vestiu a camisa. O time trabalhou forte, se dedicou e lutou bastante durante as partidas. O torcedor não pode reclamar destes aspectos.

Nomes que passaram a compor os plantéis dos últimos anos, à exemplo de Afonso, Murillo, Bruno Leal, Flavinho, Damião, Rodriguinho, Lucas e Jhonatan retornaram. No mercado, ótimas peças foram pinçadas, à exemplo de Neto, Luiz Felipe, Léo Assis, João, Camilo e Léo Reis. A base novamente teve grande importância, com a dupla de zaga titular, formada por Jhonata e o excelente Christopher e Thai, dentre outros. Todos os comandados pelo ídolo Cadão, na companhia de Sérgio Gomes, Ziquinha e Bidu. Elenco e comissão técnica com identificação, história e compreensão sobre o tamanho do desafio.

E foi assim que a caminhada teve início com um futebol razoável, mas com derrota para a Cabofriense, em Cabo Frio. O Friburguense logo reagiu, e buscou uma ótima sequência de três vitórias seguidas contra Gonçalense, Americano e Duque de Caxias. A classificação no primeiro turno estava assegurada, mas uma batalha no Tribunal estaria por vir. E ela mexeu com todo o desempenho restante, e com os rumos do clube na competição.

A derrota em casa para o Artsul na rodada final da Taça Santos Dumont – a única em Nova Friburgo – escancarou a ansiedade por uma definição. E retirou o direito de fazer a semifinal no Eduardo Guinle. Não dá para garantir vitória, mas se a semifinal contra o Audax acontecesse naquele momento, dentro do calendário regular, a história muito provavelmente seria outra. O Friburguense vivia o seu melhor momento, ainda tinha o centroavante Léo Reis – que deixou o clube no segundo turno para defender a Inter de Limeira, e fez falta – e teria jogado sem o mesmo peso que carregou a partir do imbróglio judicial.

Já com a vitória no STJD consolidada, o Frizão oscilou mais na Taça Corcovado. Enfrentou adversários mais fortes, é verdade, mas deixou de vencer algumas partidas onde era possível alcançar os três pontos. Contra América e Angra dos Reis, por exemplo, o time foi superior em campo na maioria do tempo, mas as chances desperdiçadas fizeram falta. Enfrentar o Sampaio Corrêa e o Maricá fora de casa era de fato difícil, bem como receber o Audax. A equipe de Cadão não avançou no segundo turno.

Toda a responsabilidade de manter o sonho vivo ficou, então, para a semifinal adiada contra o Audax, remarcada para o último dia 14. O futebol é assim: uma tarde pouco inspirada, onde se erra mais do que acerta e as coisas não acontecem, coloca tudo a perder. Foram dois contra ataques bem encaixados do time laranja de Miguel Pereira, dois gols em 25 minutos e a vantagem de poder empatar ampliada.

O Friburguense batalhou, é verdade, mas a missão ficou realmente ficou difícil em Resende. O clube fez além do que poderia e brigou. A sensação de frustração, no entanto, não deve ser maior que a de orgulho. Mas é preciso ampliar o tamanho do abraço da cidade, vestir e viver o Tricolor. A campanha de 2021 mostrou que é possível sonhar com a elite novamente.

Números do Frizão na Série A2

  • Jogos: 12
  • Vitórias: 4
  • Empates: 4
  • Derrotas: 4
  • Gols marcados: 13
  • Gols sofridos: 13

 

 Em casa

  • Jogos: 6
  • Vitórias: 3
  • Empates: 2
  • Derrotas: 1
  • Gols marcados: 8
  • Gols sofridos: 4

 

Fora de casa

  • Jogos: 6
  • Vitórias: 1
  • Empates: 2
  • Derrotas: 3
  • Gols marcados: 5
  • Gols sofridos: 9

 

O Frizão na Taça Santos Dumont

  • Cabofriense 2 x 1 Friburguense, Correão
  • Friburguense 3 x 1 Gonçalense, Eduardo Guinle
  • Americano 1 x 2 Friburguense, Antônio de Medeiros
  • Friburguense 1 x 0 Duque de Caxias, Eduardo Guinle
  • Friburguense 0 x 1 Artsul, Eduardo Guinle

 

O Frizão na Taça Corcovado

  • Friburguense 1 x 1 Angra dos Reis, Eduardo Guinle
  • América 0 x 0 Friburguense, Giulite Coutinho
  • Friburguense 2 x 0 Macaé, Eduardo Guinle
  • Sampaio Corrêa 2 x 1 Friburguense, Lourival Gomes
  • Friburguense 1 x 1 Audax, Eduardo Guinle
  • Maricá 1 x 0 Friburguense, Alzirão

 

LEIA MAIS

Time de Olaria vem se consolidando com uma das forças do futebol amador friburguense nos últimos anos

Trabalho com jovens vem rendendo bons frutos ao Friburguense nos últimos anos

Já Serrano, de Petrópolis, decide título do primeiro turno da Série B1

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: futebol