Hanami: a tradição da contemplação do florescer da cerejeira

Poemas eram escritos louvando as delicadas flores, vistas como uma metáfora da própria vida, brilhantes e bonitas, mas efêmeras
sábado, 27 de junho de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Cerejeiras em flor em Nova Friburgo (Fotos: Henrique Pinheiro)
Cerejeiras em flor em Nova Friburgo (Fotos: Henrique Pinheiro)

Segundo inúmeras fontes sobre o tema, Hanami significa “costume tradicional japonês de contemplar a beleza das flores, sendo que ‘flor’, neste caso, quase sempre significa sakura ou umê. Um costume que se expandiu mundo afora sendo festejado em várias cidades, em épocas diferentes, como em Nova Friburgo, por exemplo. Mas é no Japão que a celebração se mantém em sua forma mais tradicional atraindo turistas de diversos países.

Do fim de março ao começo de maio, o sakura floresce por todo o Japão, por volta do início de fevereiro na ilha de Okinawa. A previsão de florescimento (sakurazensen, lit. frente de florescimento do sakura) é anunciada todo ano pela Agência Meteorológica do Japão e é observada cuidadosamente por aqueles que planejam fazer o hanami, visto que ela floresce por apenas uma ou duas semanas. 

No Japão moderno, o hanami consiste basicamente em realizar festas ao ar livre embaixo do sakura durante o dia ou a noite. O hanami à noite é chamado de (yozakur, lit. sakura noturno). Em muitos lugares, como o Parque Ueno, lanternas de papel temporárias são presas para realizar o yozakura. Já na ilha de Okinawa, lanternas elétricas decorativas são presas nas árvores para o divertimento noturno, como nas árvores do Monte Yae, perto da cidade de Motobu, ou no Castelo Nakajin.

Uma forma mais antiga do hanami é a contemplação do florescimento da ameixeira (ume). Esse tipo é popular entre as pessoas mais velhas, pois elas são mais tranquilas do que as festas do sakura, que normalmente envolvem pessoas mais jovens e podem às vezes ser lotadas e barulhentas.

Ao longo dos tempos...

A prática do hanami é realizada há muitos séculos. Dizem que o costume começou durante o período Nara (710 - 794) quando era o florescimento do ume que as pessoas admiravam. Mas no período Heian (794 - 1185), a sakura começou a atrair mais atenção e o hanami virou sinônimo de sakura. A partir de então, no waka e no haikai, "flores" significam "sakura".

Hanami foi usado pela primeira vez como um termo análogo à contemplação do florescer da cerejeira no romance Genji Monogatari. Embora uma festa de contemplação de wisteria tenha sido também descrita, deste ponto em diante os termos ‘hanami’ e ‘festa da flor’ foram usados apenas para descrever a contemplação do florescer da cerejeira.

O sakura era originalmente usado para comemorar a colheita e para anunciar a estação de plantação de arroz. As pessoas acreditavam no kami no interior das árvores e faziam oferendas. Depois, eles passaram a oferecer saquê. O Imperador Saga, do período Heian, adotou esta prática e organizou festas de contemplação de flores com sakê e banquetes debaixo das flores das árvores de sakura na Corte Imperial de Kyoto. 

Poemas eram escritos louvando as delicadas flores, que eram vistas como uma metáfora da própria vida, brilhantes e bonitas mas efêmeras e transitórias. Esta seria a origem do hanami no Japão.

O costume foi originalmente limitado à elite da Corte Imperial, mas logo se espalhou pela sociedade samurai e, no período Edo, para o povo em geral. Tokugawa Yoshimune plantou grandes áreas com árvores de cerejeira para encorajar sua prática, e  sob as árvores de sakura, as pessoas comiam e bebiam sakê em alegres banquetes.

Hoje, o povo japonês continua a tradição do hanami, reunindo-se um grande número aonde quer que as árvores florescendo estejam. Milhares de pessoas enchem os parques para organizar banquetes sob as árvores que florescem, e às vezes essas festas continuam até tarde da noite. 

Em mais da metade do Japão, o período de florescimento da cerejeira coincide com o começo do ano letivo e do ano fiscal, propiciando festas de boas vindas que muitas vezes ocorrem durante o hanami. E assim o povo japonês reitera essa secular tradição, ao mesmo tempo em que cultua a memória de seus antepassados, celebrando  o hanami em um congraçamento que reúne pessoas de todas as partes do mundo, em seus parques e ruas. Esta é uma bela forma também de renovar seus espíritos.

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: