Decreto detalha a “retomada gradual e segura” das indústrias

Para manter a flexibilização, ocupação de leitos de Covid-19 deve ficar abaixo de 70%. Óticas também poderão abrir
sexta-feira, 29 de maio de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Decreto detalha a “retomada gradual e segura” das indústrias

Conforme anunciado na "live" (transmissão ao vivo) do prefeito Renato Bravo no início da noite desta quarta-feira, 27, está autorizada a retomada gradual e segura das atividades das empresas industriais de Nova Friburgo,  o que inclui o polo de moda íntima do município, um dos principais motores da economia friburguense. A partir desta quinta-feira, 28, os setores administrativos das indústrias já puderam funcionar, de modo a programar o retorno parcial da produção na próxima segunda-feira, 1º de junho. O decreto 591 que traz o detalhamento das novas determinações foi publicado na tarde desta quinta no Diário Oficial eletrônico do município.

Com isso, as indústrias ficam autorizadas a funcionar, em caráter excepcional, de segunda a sexta-feira, com a capacidade produtiva restrita a 50%, além de adequar o distanciamento entre os postos de trabalho e demais dependências, incluindo os refeitórios, em, no mínimo, 1,5 metro entre os colaboradores, que terão de utilizar obrigatoriamente equipamentos de proteção individual e máscaras. Todos os funcionários integrantes dos grupos de risco devem permanecer afastados de suas funções.

O setor do comércio, que pleiteava ser contemplado na flexibilização anunciada pelo prefeito, segue com o funcionamento com restrições na cidade.

Também fica determinado que as indústrias deverão implementar medidas de barreira higiênica, como lavagem frequente das mãos, disponibilização de álcool 70°, protocolo de higienização de superfícies com saneantes preconizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), além de fixação de meios de comunicação visual para educação sanitária.

Já os estabelecimentos que comercializem insumos, matéria-prima, materiais e congêneres para as empresas industriais deverão funcionar, preferencialmente, na modalidade de delivery, par evitar qualquer tipo de aglomeração.

Óticas e panificadoras poderão abrir

Além desses, óticas e panificadoras também passaram ser considerados serviços essenciais e poderão retornar às suas atividades, assim como as padarias, já contempladas em decretos anteriores.

“Nada é definitivo. Precisamos nesse momento da união de todos para que possamos controlar esses números e não voltarmos atrás. Mas lembro que se preciso for, voltaremos ao total isolamento social”, declarou o prefeito Renato Bravo na live desta quarta-feira. E completou: “Considerando que outros setores econômicos também necessitam funcionar, continuamos estudando, de acordo com o comportamento dos números, análise dos profissionais de saúde e dos quadros de ocupação dos leitos hospitalares no município de Nova Friburgo durante a próxima semana. Agradeço a todos os setores da sociedade que têm dividido comigo a responsabilidade de conduzir as decisões que atingem a todos nós. Tenho a obrigação de tomar as decisões para proteger a população e, de certa forma, atender aos anseios de muitos que fazem de suas vidas uma parte da engrenagem no desenvolvimento de Nova Friburgo”, afirmou o prefeito.

Discussão com a sociedade

Para embasar o decreto, o prefeito Renato Bravo afirma que promoveu ampla discussão com diversos segmentos da sociedade civil organizada e elencou uma série de motivos que levaram o Governo Municipal a adotar a chamada “retomada gradual e segura das atividades”. O primeiro deles, de acordo com o decreto, que “o distanciamento social provocado pelas restrições anteriormente fixadas contribuíram para o ‘achatamento’ da curva de novos casos”. A cidade registra atualmente 199 casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19), sendo 66 profissionais da área da saúde,  20 óbitos pela doença, sendo um profissional de saúde, 44 casos suspeitos, 263 descartados e 64 casos.

O prefeito Renato Bravo também leva em conta que as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus e o consequente isolamento social “provocaram a interrupção das atividades normais das pessoas, desmobilizando recursos e tais medidas impactaram negativamente a produção, o consumo corrente e os investimentos, com efeitos fortíssimos sobre o desemprego, renda e arrecadação pública”.

Chama atenção no novo decreto publicado pelo prefeito a alegação de que para a “manutenção da retomada gradual e segura, a métrica escolhida foi a taxa média de ocupação dos leitos de CTI/UTI destinados pelo município, especificamente, para o tratamento de casos suspeitos ou confirmados da Covid-19, não atinja 70%”. Segundo informado pela própria Prefeitura de Nova Friburgo, nesta quinta-feira, 28, “o Hospital Municipal Raul Sertã segue com os leitos de UTI e enfermaria com 100% de ocupação para os casos de Covid-19”. A rede pública muncipal tem hoje 12 leitos de UTI e dez de enfermaria destinados ao Covid-19.

Questionada por A VOZ DA SERRA sobre isso, a Prefeitura de Nova Friburgo alegou que “a informação de que o Hospital Municipal Raul Sertã conta com 100% de ocupação dos leitos de UTI e enfermaria não invalida a retomada gradual e segura das atividades industriais porque a referida métrica de 70% se refere a todos os hospitais, inclusive os da rede privada, os quais não temos autorização para repassar informação”.

 

 

LEIA MAIS

Retomada de segmentos fechados há mais de 3 meses obedecerá a parâmetros semanais de ocupação de leitos de CTI por Covid-19

“Os critérios para definir bandeira não podem ter como único fator ocupação do CTI”, diz defensor

Segundo a prefeitura, servidores estão sendo chamados para serviços de limpeza e manutenção

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra