Comandante da PM sobre festas clandestinas: "Estamos levando para a delegacia"

Tenente-coronel Soliva faz balanço positivo do primeiro semestre à frente do 11º BPM: redução de roubos chega a 86%
sábado, 25 de julho de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)

O tenente-coronel Alex Marchito Soliva assumiu no dia 31 de janeiro o comando do 11º Batalhão de Polícia Militar de Nova Friburgo, responsável também pelo policiamento de outros municípios da região Centro-Norte Fluminense. Durante esta entrevista, exclusiva, o comandante Soliva informou que os oficiais do 11ºBPM conseguiram reduzir todos os índices de criminalidade na região. De acordo com a corporação, ao todo, no primeiro semestre deste ano, foram 80 armas apreendidas, sete simulacros, 67,41 quilos de cocaína e 55,17 quilos de maconha apreendidos. Também foram efetuadas 369 prisões de adultos e a apreensão de 52 menores.

Também foram abordadas as ações da PM durante a pandemia. Soliva reforçou que as manifestações de qualquer natureza estão proibidas e, caso haja insistência das pessoas em se manifestar seja através de passeatas ou carreatas, os responsáveis podem responder criminalmente. O comandante falou ainda sobre as denúncias de festas clandestinas em diversos bairros da cidade e como tem sido o trabalho dos policiais para prevenir e conscientizar a população.

AVS: Qual o impacto da pandemia na criminalidade em Nova Friburgo?

Comandante Soliva: Não podemos garantir, porque não houve um estudo científico, para dizer que houve um impacto direto na segurança pública, provocada por essa doença que acometeu o mundo inteiro. O que eu posso garantir é que houve um empenho maciço e incansável dos nossos policiais militares para que a gente mantivesse o estado de normalidade e os índices de criminalidade os mais reduzidos possíveis. Tanto que os policiais do 11º BPM conseguiram reduzir todos os índices de criminalidade elencados pelo Governo do Estado do Rio como prioritários. Conseguimos cumprir as metas com reduções significativas.

Recentemente o 11º BPM divulgou um vídeo destacando a atuação da corporação no primeiro semestre. Como o senhor avalia esses primeiros seis meses do seu comando?

Constato que há um engajamento e o comprometimento dos nossos PMs que entenderam a nossa proposta de cumprir com a nossa missão constitucional, defender a nossa sociedade, mesmo com o sacrifício das nossas próprias vidas. Assim como hoje os profissionais de saúde enfrentam esse momento delicado, da pandemia, nós não recuamos em momento algum. Todo o nosso efetivo continua empenhado e mobilizado fazendo as buscas de criminosos e o nosso patrulhamento não foi afetado momento algum.

Chamou a atenção que neste primeiro semestre que em fevereiro e junho foram os meses de maior apreensão de drogas. Em fevereiro podemos fazer uma ligação com o carnaval, mas e em junho, há algum motivo?

Nossa agência de inteligência vem trabalhando as informações buscando os dados necessários para identificar essas lideranças criminosas e quem por algum motivo resolve transgredir o ordenamento jurídico. Através deste serviço de inteligência fomos capazes de fazer apreensões com prisões em flagrante de uma quantidade considerável de entorpecentes aqui na região.

Temos várias denúncias de descumprimento ao isolamento social nesta quarentena, desde lojas a festas. Como é o trabalho da PM para coibir esses acontecimentos e conscientizar a população?

No início nós auxiliamos com a divulgação de um vídeo e fomos às ruas com as viaturas e, através do sistema de som delas emitimos avisos para sensibilizar as pessoas do momento que estamos vivendo.

Temos recebido denúncias de festas no Terra Nova, Bairro Ypu, Véu das Noivas, Mirante Suíço. Como tem sido a atuação da PM para coibir essas aglomerações?

Nós temos feito diversas conduções dessas pessoas para a delegacia de Polícia Civil para instaurar inquérito e apuração das responsabilidades e mais uma vez a gente lembra: é uma irresponsabilidade muito grande, estão cometendo um ato contrário à norma.

Tem sido muito confuso para parte da população o direito a realizar um protesto através de passeatas ou carreatas. O que o senhor pode esclarecer para a população sobre isso? Pode? Não pode? Poderão responder criminalmente se organizarem algum ato?

Devido à pandemia, estão proibidas as aglomerações de pessoas, passeatas e carreatas. Não se pode fazer nenhum tipo de movimento similar que ajude a proliferar o vírus. A PM atua de forma preventiva e conseguimos inviabilizar algumas tentativas de eventos deste tipo. Alguns entenderam, outros já demandaram uma ação um pouco mais enérgica de nossa parte com a necessidade de condução para a sede policial.

No início da pandemia havia uma preocupação com possíveis saques ao comércio, o que acabou não acontecendo. Como foi o trabalho de patrulhamento para prevenir esse tipo de situação?

Desde o início tivemos essa preocupação que não foi só do 11º BPM, mas de toda a Polícia Militar do Estado do Rio. E tivemos preocupação com outras modalidades criminosas, não somente àquelas elencadas pelo Sistema Integrado de Metas. Àqueles por serem crimes mais graves, mais violentos, há um pouco de preocupação, mas isso não significa que deixemos outras modalidades criminosas sem a devida prevenção. Por isso implementamos um policiamento voltado para inibir esse tipo de ação delituosa seja saque, furto ou roubo a estabelecimentos.

Na última entrevista com o então comandante do 11ºBPM, coronel Paulo Roberto das Neves, ele elencou o tráfico de drogas como o principal problema da região. O senhor entende da mesma forma?

Com certeza, porque diversos outros crimes acabam acontecendo em decorrência do tráfico de drogas. É uma preocupação muito grande e não vamos poupar esforços para diminuir o máximo possível esse problema na região.

Recentemente teve um tiroteio no Alto de Olaria. No ano passado a polícia estabeleceu uma base utilizando o trailer móvel da PM. Essa base ainda se encontra na região?

No momento o trailer se encontra no condomínio Terra Nova. A intenção do trailer é que ele seja itinerante. Temos uma quantidade de pessoas acentuada em um espaço geográfico curto e por isso vimos a necessidade de manter esse policiamento lá, mas continuamos a fazer nosso policiamento em outras áreas como no Alto de Olaria, no Alto do Floresta e em outras localidades que demandam maior atenção das nossas equipes. Posso afirmar que os nossos policiais estão muito dedicados e muito comprometidos com a segurança da sociedade.

O Corpo de Bombeiros terá uma base aérea aqui na cidade e a aeronave ficará no quartel do 11ºBPM. Em que local ficará esse helicóptero e como será a dinâmica das operações?

Temos que entender que a nossa corporação militar co-irmã, o Corpo de Bombeiros, faz parte das instituições do Estado e nós agimos em diversas ocasiões de forma integrada e participando para auxiliar a sociedade.

  • A atuação do 11º BPM em números :

Roubo de rua, 2019: 75; 2020: 25 – redução de 74%;

Roubo de carga, 2019: 7; 2020: 1 – redução de 86%

Roubo de veículo, 2019: 8; 2020: 6 – redução de 25%

Crimes violentos letais intencionados, 2019: 19; 2020: 8 – redução de 58%

 

LEIA MAIS

Casos aconteceram no último domingo e os agressores foram presos em flagrante durante briga com suas companheiras

Mandado de prisão foi cumprido na casa do acusado, no bairro Jardim Califórnia

Delegada Carla Ferrão destaca “trabalho de excelência” na especializada

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: crime | Segurança