Uma amizade Suíço-Brasileira

No centro de Nova Friburgo estão fincados dois símbolos em pontos estratégicos da cidade sobre a ligação dos dois povos
sábado, 20 de fevereiro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Elisabeth de Castilho, superintendente, diretora de cultura e turismo da Casa Suíça
Elisabeth de Castilho, superintendente, diretora de cultura e turismo da Casa Suíça

No último dia 17 de fevereiro foi comemorado o Dia da Amizade Suíço-Brasileira, data instituída oficialmente pela lei municipal 1659, de 23 de dezembro de 1981. Um dos símbolos desta união no município é o Instituto Fribourg-Nova Friburgo (IFNF), que está comemorando 36 anos de fundação.

O IFNF compreende a queijaria, a chocolataria escola, o memorial, lojas (artesanato e cervejaria), ou seja todo o espaço físico do complexo às margens da RJ-130 (Nova Friburgo-Teresópolis), na altura de Conquista, distrito de Campo do Coelho. O IFNF foi fundado em 30 de setembro de 1985, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, de caráter cultural e educacional, beneficente e filantrópico, que tem como objetivos promover a aproximação e o intercâmbio social e cultural entre os povos, com base no compromisso histórico na formação social de Nova Friburgo, decorrente da imigração suíça na região. 

O estatuto do instituto é a melhoria na qualidade de vida do povo da região de Nova Friburgo com atos de presença e incentivo das tradições e laços étnicos decorrentes dessa colonização. O objetivo da administração do IFNF é estar em consonância com os valores e missão do IFNF, promovendo e/ou apoiando a educação, o turismo e a cultura, além de fortalecer os laços fraternos entre nossos povos. E manter a parceria com a Associação Fribourg-Nova Friburgo (Suíça), Associação Nova Friburgo-Fribourg (Brasil) e Colônia Suíça. A Casa Suíça (Memorial) foi fundada em agosto de 1996 e eles estão comemorando 25 anos este ano. 

Direção do triênio 2011, 2022, 2023 (Casa Suíça)

Elisabeth de Castilho: superintendente, diretora de cultura e turismo; Reynaldo Mendonça: secretário e diretor de administração, utilidades e facilities; Luiz Borges: tesoureiro, diretor de projetos e financeiro; Henrique Guimarães: diretor técnico, de qualidade, conformidade e cursos. Elias Hottz Cardinot: membro do Conselho de Administração (desde o fim de 2020).

IFNF Instituto Fribourg – Nova Friburgo

Conselho Administrativo: presidente Raphaël Fessler; Membros do Conselho: cônsul geral da Suíça no RJ Rudolf Wyss, Michaël Duc e Marie Claude Hees; Conselheiro Fiscal: Geraldo Thuler. 

Dois povos, um só coração

Foi o historiador e professor da Universidade de Fribourg, Martin Nicoulin, quem acendeu a chama da reaproximação dos dois povos. Sua tese de mestrado ‘A Gênese de Nova Friburgo: emigração e colonização suíça no Brasil, 1817-1827’, publicada em 1973, foi o estopim de tudo que aconteceria na sucessão dos 40 anos adiante. E não foi pouco.

A publicação da pesquisa de Nicoulin - ainda que então restrita ao idioma francês -  despertaria o interesse mútuo de pessoas, tanto no Brasil quanto na Suíça. Um dos principais personagens nessa parte do enredo é o engenheiro Ariosto Bento de Mello (1928/1980). Em 25 de maio de 1976, em férias na Europa, ele encontra-se com o próprio Martin, acompanhado do banqueiro René Louis Rossier e do padre Pierre Kealin e lançam a proposta de reencontro, intercâmbios e projetos culturais.

E para quem também ainda não sabe, cabe uma ressalva. No centro de Nova Friburgo estão fincados dois símbolos em pontos estratégicos da cidade sobre a ligação dos dois povos: entre a Rua Francisco Miele e a Avenida José Ruiz Bolea, em frente ao antigo posto Select - o monumento alusivo às duas cidades e a pequena Praça Fribourg, foram inaugurados em 1987, durante o 3° Encontro Suíço-Brasileiro; e na Estação Livre, ao construir o terminal de integração, inaugurado em 1988, na Praça Getúlio Vargas, o então prefeito Heródoto Bento de Mello inseriu no madeirame do telhado, o desenho esculpido em madeira de dois ‘F’s unidos, formando a logomarca da Associação Fribourg-Nova Friburgo, AFNF, que sintetiza o slogan: ‘Dois povos, um só coração’. (Fonte: Arquivo AVS/ 16 de fevereiro de 2019)

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: