Pesticidas, inundação, sapos, plantas carnívoras, água benta, caldo de camarão e... urina!

As tentativas esdrúxulas para tentar exterminar a praga que devastou os vinhedos da Europa há 150 anos
sábado, 20 de junho de 2020
por Marcelo Copello*
Pesticidas, inundação, sapos, plantas carnívoras, água benta, caldo de camarão e... urina!

“A pandemia do coronavírus me faz lembrar de uma outra pandemia, esta nos vinhedos: a filoxera (Phylloxera vastatrix).

Esta praga foi uma pandemia que marcou a história do vinho na segunda metade do século XIX. Um capítulo à parte desse período de terror foram as curiosas tentativas de aniquilá-la. Na Itália, chegaram a atribuir o problema às estradas de ferro (uma novidade na época), que poderiam trazer doenças, e trilhos foram destruídos. Alguns pesticidas químicos funcionavam, mas o sucesso era relativo, custavam caro, eram altamente tóxicos e exigiam uso constante.

O governo francês, desesperado, chegou a oferecer uma recompensa de 30 mil francos em ouro a quem descobrisse um remédio. Depois, aumentou o valor para 300 mil. Milhares de ideias surgiram. Uma delas foi afogar a praga. 

Ferdinand de Lesseps, empresário francês responsável pela construção do canal de Suez, afirmou que poderiam ser projetados ductos para passar pelos vinhedos e levar a infestação com a água.

Outras ideias esdrúxulas pipocaram, como inundar as vinhas com vinho branco; enterrar sapos vivos nas videiras, para drenar os venenos; plantar espécies carnívoras entre as plantas, para que comessem o inseto; pulverizar as parreiras com água benta do santuário de Lourdes; cercar as vinhas com plantas de cheiro forte que repeliriam o pulgão e até irrigar a plantação com caldo de camarão!

A mandinga mais levada a sério, no entanto, foi o uso da urina. Inicialmente, foi testada a de bode, de cavalo e de outros animais. Os “especialistas” chegaram à conclusão (como?) de que a melhor urina seria a dos machos da espécie humana. Contam que os meninos de colégios, todos os dias, depois das aulas, tinham a missão de urinar nas vinhas. As estações de trem transformaram a descoberta em negócio e vendiam o valioso resíduo dos seus banheiros. O exercito também entrou na luta, fornecendo o produto dos sanitários dos quartéis. Nada disso deu certo, evidentemente.

Mais de 150 anos depois, ainda não há cura ou método de exterminação eficaz da filoxera. Em 1872, Leo Laliman, produtor de Bordeaux, descobriu que o enxerto da raiz das videiras americanas, que evoluíram na presença da filoxera, com a parte aérea da vitis vinifera seria a solução, embora paliativa e mais cara. 

Até hoje, o método é largamente usado em todo o mundo, inclusive em regiões nunca atingidas pela praga, como o Chile."

*Marcelo Copello é um dos principais formadores de opinião da indústria do vinho no Brasil, com expressiva carreira internacional. Foi eleito “o mais influente jornalista de vinhos do Brasil”, pela revista Meininger´s Wine Business International, e “Personalidade do Vinho”, em 2011 e 2013, pelo site Enoeventos. É curador do Rio Wine and Food Festival, publisher do Anuário Vinhos do Brasil, colaborador de vários veículos de imprensa e professor da Fundação Getúlio Vargas. Copello tem seis livros publicados, recebeu um prêmio Gourmand World Cookbook Award 2009 em Paris e ifoi ndicado ao prêmio Jabuti.

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: