Fenômeno que ocorre a quatro ano faz 2020 ter 366 dias

Corrigindo a diferença entre o calendário convencional e o tempo que a Terra demora para dar a volta no Sol
sábado, 29 de fevereiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Fenômeno que ocorre a quatro ano faz 2020 ter 366 dias

O ano bissexto corrige a diferença entre o calendário convencional - Gregoriano - de 365 dias e o tempo que a Terra demora para dar a volta no Sol em seu movimento de translação, em 365 dias e 6 horas.

De quatro em quatro anos, as seis horas extras de cada ano compõem um dia que é adicionado ao final de fevereiro. Por isso, nos anos bissextos, fevereiro tem 29 dias em vez dos habituais 28. Já no tempo da civilização Maia, que viveu há 3.000 anos e tinha conhecimentos profundos de astronomia, havia um calendário composto por 13 luas de 28 dias e um dia extra chamado “dia fora do tempo”. 

Quanto à mística de que ano bissexto traz má sorte, há quem pense justamente o contrário, pois num ano com 366 dias é feito o “acerto”, sincronizando o tempo da Terra com o tempo do Cosmos.  

As pessoas nascidas nesta data devem ter o dia exato na certidão de nascimento, feita a partir da Declaração de Nascido Vivo (DNV), emitida por profissional de saúde responsável pelo acompanhamento da gestação, do parto ou do recém-nascido, inscrito no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde — CNES ou no respectivo conselho profissional. Conforme a lei nº 12.662/2012 deverá conter nome e prenome da  criança, sexo, dia, mês, ano, hora e município de nascimento. Em tempo: data alterada configura falsidade ideológica.  

O ano bissexto em três períodos e seus três calendários

Juliano - Vigorou inicialmente de 45 a.C. até 7 d.C.. Em 46 a.C., Julio Cesar modificou radicalmente o calendário de Numa Pompílio e a partir de 45 a. C, o dia extra era acrescentado após o dia 25 de Februarius,  de 3 em 3 anos. Foi neste período e em consequência da forma com que os romanos contavam os dias do mês que estes anos com um dia a mais ficaram conhecidos como anos bissextos. O erro da inserção de anos bissextos a cada três anos em vez de quatro só foi detectado 30 anos mais tarde. 

Augustiano - Vigorou de 8 d.C. até 1581. Em 8 d.C. o imperador Cesar Augusto fez uma correção no calendário e a partir deste ano e durante todo este período até 1581 o dia extra era acrescentado após o dia 24 de fevereiro, de quatro em quatro anos. Com o passar dos anos, aquela forma de contagem dos dias do mês foi mudando e em lugar de ser interpretado como um duplo dia 24 ele passou a ser interpretado como um dia a mais que era incluído no final do mês.

Gregoriano - Em 1582, para corrigir o atraso acumulado, o Papa Gregório XIII modificou e ajustou o calendário. Definiu-se que o ajuste deveria ser feito de forma que o equinócio de março caísse no dia 21 daquele mês. Com esse obvjetivo, o Papa encomendou estudos que permitissem corrigir os erros dos calendários passados buscando definir os ajustes de acordo com a Páscoa cristã, atrelada ao equinócio de março. Buscou também uma regra muito mais precisa para os anos bissextos.

 

Foto da galeria
Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: ano bissexto