Empresários da moda íntima fazem ato simbólico contra o rodízio de CNPJ

Foram colocadas 897 cadeiras na Praça Dermeval Barbosa representando o total de empresas formais do setor
terça-feira, 20 de abril de 2021
por Jornal A Voz da Serra
(Fotos: Henrique Pinheiro)
(Fotos: Henrique Pinheiro)

Os empresários do setor de moda íntima de Nova Friburgo, em discordância ao sistema de rodízio do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) decretado pela Prefeitura de Nova Friburgo durante a vigência da bandeira roxa, ocasionada pela circulação do coronavírus em todo o mundo, decidiram se mobilizar para um ato simbólico e silencioso nesta terça-feira, 20, em frente ao Centro de Turismo, na Praça Dermeval Barbosa Moreira.

O ato denominado “Costurando Esperança” levou para a praça, desde as 6h, pelo menos 897 cadeiras que representam o número de empresas formais do setor. Em cada cadeira foi fixada uma placa contendo o número do CNPJ de cada confecção formal em atividade no município e a quantidade de empregos que cada uma gera no município, direta ou indiretamente, totalizando em torno de 20 mil empregos diretos e mais de 18 mil empregos indiretos.

(Foto: Leitor)

A sugestão do setor é que as empresas voltem a funcionar de acordo com a capacidade de funcionários por metro quadrado e não por número de funcionários ou rodízio de CNPJ, pois muitas delas estão localizadas em galpões amplos, que não comprometem a saúde dos seus colaboradores, que têm importância capital, pois sem eles não haverá mão de obra para produzir as peças já conhecidas nacionalmente.

Para a organização do ato foram realizadas reuniões online para não gerar qualquer tipo de aglomeração. O mesmo está acontecendo durante o ato, com 12 empresários se revezando na praça. Além das cadeiras, estão sendo distribuídas cerca de duas mil máscaras em parceria com a Cruz Vermelha de Nova Friburgo, e foram colocados 20 manequins de fibra com banners contendo falas dos empresários do setor de moda íntima, sugerindo o retorno normal ao trabalho, uma vez que:

  • toda empresa vem respeitando os protocolos de segurança determinados pelos órgãos de Saúde e da própria Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) como: temperatura aferida na entrada, diariamente; uso de máscara; álcool em gel; distanciamento entre funcionários de no mínimo 1,5 metro; em alguns casos até com fixação de plástico entre máquinas; touca para cabelos, entre outros itens;
  • mais de 6.400 testes já foram realizados em colaboradores das indústrias para detectar a contaminação imediata caso apresente qualquer um dos sintomas e em caso positivo o afastamento é imediato;
  • segundo pesquisa feita entre os próprios empresários do setor, menos de 2% das pessoas que trabalham nas confecções foram infectadas dentro da empresa;
  • parceria com a Cruz Vermelha de Nova Friburgo para constante higienização dos ambientes;
  • inviabilidade de solicitar que funcionários, em sua maioria mulheres, trabalhem nos fins de semana para cumprir o sistema de rodízio, uma vez que também precisam se dedicar à família, além de terem que lidar com o fato de as crianças ainda não estarem frequentando as escolas;
  • de março de 2019 até o momento, os empresários já conseguem contabilizar uma queda nas vendas em torno de 40% a 50% e mais de 80% em vendas presenciais.

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: