Antes de tudo é preciso ser independente e feliz

sexta-feira, 20 de março de 2020
por Cláudia Mayne*
Antes de tudo  é preciso ser independente e feliz

A Síndrome de Down (SD) ou Trissomia do 21 é a alteração cromossômica mais comum entre os humanos. No Brasil, a cada 600 e 800 nascimentos nasce uma criança com SD, sendo a principal causa de deficiência intelectual na população. 

A criança com SD apresenta características físicas específicas. Além das características fenotípicas, indivíduos com SD podem apresentar: cardiopatias congênitas, alterações auditivas, endocrinológicas, neurológicas e hematológicas. 

A estimulação deve ser precoce e multiprofissional, iniciando assim que a situação de saúde da criança permitir, com o objetivo de auxiliar a aquisição dos marcos motores, psicológicos e sócio-afetivos. 

A maior parte das crianças com SD terão hipotonia generalizada e atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. O atraso na aquisição de habilidades motoras dificultam a interação com o meio ambiente, que por sua vez reduzem a exploração desse espaço gerando déficits de sensações e vivências, dificultando a seleção e a integração sensorial das informações recebidas, comprometendo as habilidades funcionais e cognitivas. 

O trabalho de estimulação de linguagem na criança com SD não difere muito da intervenção em crianças com atraso de linguagem. Sabe-se que na criança com Down o desenvolvimento cognitivo ocorre de maneira mais eficiente do que o desenvolvimento de linguagem. 

Durante o desenvolvimento da linguagem apresentam uma melhor compreensão do que expressão oral, sendo assim fazem uso de gestos como meio de comunicação. Quando iniciam a comunicação por meio da linguagem oral é possível observar alterações de fala que comprometem a compreensão do ouvinte, que podem acontecer devido as alterações fonológicas, motoras e estruturais. 

Pessoas com Down apresentam déficit intelectual, o que torna o processo de aprendizagem mais lento e trabalhoso, pois aprendem em um ritmo diferente, sendo imprescindível uma boa inclusão escolar/adaptação curricular. 

Assim como qualquer pessoa, eles têm seu próprio ritmo de aprendizagem, suas peculiaridades e desejos, também brigam, choram, teimam, irritam-se. 

Ao lado da criança com SD existe uma família aflita que anseia por um futuro de oportunidades e independência para ela. Embora falar corretamente, ler e escrever sejam demandas sociais, o principal objetivo é prepará-los para a vida com o máximo de autonomia possível, não importa se vão ler, escrever, o que eles mais precisam é serem independentes e felizes. 

*Cláudia Mayne de S.Novaes é fonoaudióloga

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: