Trilhas: é tempo de se reconectar com a natureza

Conheça as principais montanhas de Nova Friburgo e aproveite para respirar!
sábado, 19 de setembro de 2020
por Thiago Lima (thiago@avozdaserra.com.br)
A Pedra do Imperador, uma das mais procuradas (Fotos: Regina Lo Bianco)
A Pedra do Imperador, uma das mais procuradas (Fotos: Regina Lo Bianco)

Nova Friburgo é contemplada por diversas belezas naturais, entre elas a diversidade de nossas montanhas, de todos os tamanhos, alturas e formações. Com a chegada da primavera, esses cenários ganham um charme pra lá de especial! 

Nunca é demais lembrar que, devido a pandemia, é necessário tomar todas as precauções para passeios ao ar livre e evitar aglomerações. Confira a seleção de alguns passeios que você pode fazer, seja por trilhas ou escaladas pelo deslumbrante cenário geográfico de nosso município:

Chapéu da Bruxa

A montanha do Chapéu da Bruxa, também conhecida como Nariz do Diabo, está situada entre os bairros Cascatinha e Vargem Grande. Possui 1.490 metros de altitude, com um ponto de fácil acesso com uma subida leve/moderada. A parte final é mais íngreme, onde uma corrente foi fixada na pedra para ajudar os trilheiros. 

Pedra do Imperador

A Pedra do Imperador, popularmente conhecida como Pedra do Elefante, está localizada no Bairro do Cônego (Granja do Céu), tem 1.380 metros de altitude. Seu percurso permite a chegada de carro bem próximo ao topo, com uma pequena caminhada consideravelmente leve. 

Parque do Cão Sentado

Considerado um dos cartões postais de Friburgo, a Pedra do Cão Sentado, em Furnas do Catete, é um dos pontos turísticos mais procurados. Dentre as atividades oferecidas no parque, estão as trilhas, com distância da entrada do parque até o Mirante Cão Sentado, com 700 metros de extensão, de onde se tem a vista de um cão sentado com 111 metros de altura. O circuito completo, visitando todos os pontos turísticos, tem 2.140 metros de extensão. A entrada custa R$ 15.

Catarina (Mãe)

É a montanha mais fácil de subir entres as Catarinas (pai, mãe e filho), com 1.449 metros de altitude. O caminho é bem acessível, inclusive de carro — com tração nas quatro rodas. Atualmente a última parte do acesso, uma estrada de chão, encontra-se com o solo de terra batida bastante prejudicado pela erosão.

Três Picos

O Parque Estadual dos Três Picos possui uma área aproximada de 65.113 hectares, sendo o maior parque estadual do Rio de Janeiro, abrangendo porções dos municípios de Cachoeiras de Macacu, Teresópolis, Nova Friburgo, Silva Jardim e Guapimirim. 

Reúne um conjunto de montanhas que chegam a 2.366 metros acima do nível do mar, como a Cabeça do Dragão, Capacete, Três Picos, entre outras. O ponto culminante da Serra Mar é o Pico Maior. Só é possível acessar qualquer um dos três picos via escalada.

O Pico da Cabeça do Dragão é um dos mais procurados por conta do seu acesso mais fácil, sem necessidade de escalar, com subida pouco íngreme em boa parte do trajeto. Somente na parte final, em um caminho feito de pedra, a caminhada se torna bem íngreme. 

O que levar para uma trilha relativamente curta

  • Protetor solar

  • Repelente

  • Boné ou chapéu

  • Óculos escuros

  • Lanterna de mão ou de cabeça

  • Canivete multiuso

  • Lanche

  • Água (no mínimo 2L)

  • Capa de chuva

  • Kit de primeiros socorros

  • Celular

  • Câmera

  • Bastão de caminhada (se necessário).

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: