Das aves mais raras e exóticas aos beija-flores ou colibris

Como pequeninos mísseis alados cortam o ar em manobras inesperadas
sexta-feira, 27 de novembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
O galo da serra andino
O galo da serra andino

Milhões de pessoas adoram a arte de observar os pássaros, mas são tantas as espécies que seria preciso viajar o mundo todo para vê-las, e nem assim veríamos todas! Selecionamos alguns desses lindos e exóticos pássaros ao redor do mundo que, infelizmente, estão em risco de extinção. Aprecie, antes que desapareçam! 

Galo-da-serra-andino

As cores desse belo pássaro, cuja espécie habita a Cordilheira dos Andes, na América do Sul, são impressionantes. Ele faz os seus ninhos em locais de difícil visão e acesso, como no meio de pedras, por exemplo, para se proteger de predadores, já que suas cores exuberantes são facilmente vistas no meio da natureza. Outra característica é o volume de penas acima do bico, usado pelos machos para impressionar fêmeas no período de acasalamento.

Alcedo cristata

Esta espécie pertencente à família de guarda-rios pode ser encontrado na África, ao sul do Saara. Alimenta-se de larvas e pequenos peixes, e consegue pescar com muita precisão. O corpo é protegido com uma pele especial que lhes permite mergulhar nas águas para conseguir alimento.

Calau-de-capacete

Este grande e exótico pássaro é facilmente encontrado na área entre as ilhas de Sumatra e Bornéu, entre a Malásia e Indonésia. É chamada de "ave rinoceronte" por causa do formato do bico, formado por puro osso, e que equivale a 10 por cento do seu peso total. Infelizmente, muitos caçadores ainda caçam o pássaro para vender o bico, usado para criar artesanatos. As autoridades locais lutam para impedir a caça e manter a espécie viva, que está ameaçada de extinção. Seu canto é pouco usual, lembrando uma risada.

Grande-ave-do-paraíso

Encontrada no sudoeste da Nova Guiné e nas ilhas Aru na Indonésia, tem esse nome por causa de suas penas e plumas de cores intensas. Há muito tempo, teve o nome de "ave-do-paraíso sem pernas", pois, durante os séculos 18 e 19, a pele dessa espécie era vendida aos europeus sem as pernas, alimentado pelo boato de que eram pássaros vindo do paraíso que nunca tocaram o chão até o dia da morte. Felizmente, hoje a ave é protegida pelas autoridades locais, e tem um risco de extinção bem menor.

Pato-mandarim

Este lindo e simpático patinho só pode ser visto no sudoeste da Ásia e leste da Rússia durante o verão, e na China e no Japão durante o inverno. Seu voo é rápido e rasante, e raramente mergulham. Costumam aninhar-se em galhos de árvore e descansar em pedras. O pato-mandarim é altamente respeitado e preservado pela sociedade asiática.

Beija-flores ou colibris

Voando sem parar, em todas as direções, estão sempre à procura do néctar de que se alimentam e para obtê-lo introduzem seu bico longo e fino em cada flor que encontram. A velocidade e a agilidade no vôo são, sem dúvida, suas características mais marcantes. Como pequeninos mísseis alados, cortam o ar em manobras inesperadas e parecem nada temer. 

Suas asas, invisíveis, de tão rápidas, permitem grandes façanhas, até mesmo enfrentar pássaros cem vezes maiores. Por isso são considerados campeões de vôo. Sua plumagem colorida e brilhante dá a impressão de mudar de tonalidade a cada instante, originando a grande variedade de denominações que recebem. 

Alguns colibris são comparados a pedras preciosas, como rubi, safira ou esmeralda; outros têm nomes de contos de fada; há ainda aqueles que lembram corpos celestes, cometas ou raio de sol.

Para atrair os beija-flores e garantir seu alimento, costuma-se colocar nos jardins bebedouros apropriados, porque facilmente esses minúsculos pássaros se aproximam dos locais floridos, sem temer a presença de estranhos; voam sobre a cabeça das pessoas e às vezes pairam no ar, como se as estivessem observando. Parecem mesmo gostar de exibir sua agilidade e beleza.

Existem beija-flores nas três Américas, tanto nas montanhas frias do Alasca, como nas florestas tropicais do hemisfério sul. Agitados, independentes e espertos, esses graciosos bichinhos se aclimatam a qualquer temperatura ou tipo de vegetação. E, em todo o mundo, seja qual for sua espécie, o beija-flor é admirado como o pássaro mais delicado e encantador.

O minúsculo corpo do beija-flor apresenta aspectos muito originais. O desenho peculiar de suas asas, aliado aos poderosos músculos que as movimentam, faz dele um dos mais exímios voadores. Em pleno ar, executa malabarismos impossíveis a qualquer outro pássaro.

Suas penas brilham como diamantes e, com seus movimentos rápidos, parecem mudar de cor a cada momento. Seu bico mais se assemelha a uma espada fina e comprida e sua língua é ainda duas vezes mais longa.

As asas do beija-flor se movimentam em todas as direções. Seus ossos são diferentes dos que compõem as asas das outras aves. Estas têm ossos longos, enquanto as do beija-flor têm ossos curtos e flexíveis.

Para retirar o néctar do interior das flores, o beija-flor usa seu longo bico e sua língua, cuja extremidade é dividida em duas partes recobertas de minúsculos pelos, chega a medir 20 centímetros de comprimento.

Setenta batidas por por segundo

Originário da América do Sul, o colibri se espalhou para o resto do continente e, adaptado a todo tipo de clima, pode ser encontrado tanto nas florestas tropicais como nos desertos, montanhas e planícies. Algumas espécies vivem nas regiões frias do norte do Alasca, enquanto outras se dão bem nas condições ambientais do extremo sul da América.

Embora sejam pequeninos, por estarem em constante movimento eles gastam enorme quantidade de energia: suas asas são as mais rápidas — cerca de setenta batidas por segundo. Para repor as forças, estão sempre sugando as flores.

Para saciar tanto apetite, algumas espécies visitam cerca de 1500 flores, por dia. Embora sua principal fonte de alimento sejam as flores, eles não dispensam o açúcar encontrado nas frutas suculentas. Enquanto o beija-flor está ocupado em obter o néctar, ele carrega o pólen de uma flor para outra, ajudando no processo de fecundação das flores. Assim eles mantêm uma simbiose com as plantas.

Nenhum outro pássaro se compara aos beija-flores. Eles se lançam como uma flecha para frente e para trás, para os lados, para cima e para baixo; podem dar marcha a ré ou ficar parados no ar batendo as asas com incrível rapidez.

Enfim, eles são lindos, únicos, irresistíveis!

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: