Um paraíso chamado Nova Friburgo

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

A coluna da semana passada prestou merecida homenagem ao distrito de Mury, enaltecendo suas preciosas qualidades. Fiquei surpresa ao me deparar com inúmeros elogios e mensagens de pessoas conhecidas e desconhecidas, concordando e agradecendo por ter pontuado tantos aspectos positivos daquela belíssima região.

Além do sentimento de pertencimento, de satisfação e do orgulho pela identificação de tantas pessoas com a justa constatação do paraíso que temos em casa, essa repercussão me proporcionou uma intensa reflexão sobre o quanto estamos ávidos por boas novas. O que a princípio poderia parecer um simples texto, escrito com o olhar e o coração de quem escolhe enfocar os pontos positivos do lugar onde nasceu e cresceu, resultou em grande aprendizado: precisamos valorizar o que é nosso, utilizar o filtro do bem, elogiar, espalhar otimismo, agregar e agradecer sempre, porque absolutamente tudo tem um lado bom.

E por mais piegas que possa parecer, eu senti e (re)confirmei que as pessoas de maneira geral precisam, apreciam, gostam de coisas boas. Por isso, quero estender os predicados destinados a Mury para toda a nossa cidade de Nova Friburgo, que como sempre diz meu pai, é uma cidade dentro de um incrível parque ecológico. Que privilégio o nosso!

É claro que ao vangloriar as belezas naturais de nossa terra, o povo acolhedor, o clima delicioso, a gastronomia excelente, os produtores e empresários locais, a inquestionável qualidade de vida que ainda é possível ser conquistada aqui, não estou ignorando os reais e complexos infindáveis problemas que enfrentamos. Não ousaria tentar tapar o sol com peneira. São muitas dificuldades, das mais variadas ordens. Crises econômicas, políticas e sociais, omissões, retrocessos e desordem. Contudo, escolho enfatizar o que há de bom, e não é pouca coisa!

De acordo com o IBGE, Nova Friburgo tem um dos índices de desenvolvimento humano mais altos do Estado do Rio de Janeiro. Em que pese a catástrofe climática que assolou a cidade em 2011, em muitos aspectos e com muita luta dos friburguenses, conseguiu se reerguer. Recentemente ganhou as páginas dos jornais como o município que atravessou a crise econômica em melhor forma, se recuperando mais rapidamente neste início de retomada em comparação a todas as demais cidades fluminenses. Da mesma forma, segundo o Ipea, dentre os municípios com mais de 100 mil habitantes, Friburgo está entre as três mais pacíficas do Rio de Janeiro. É o oásis na Região Serrana. Não podemos negar.

E não estamos falando dos talentos individuais, dos friburguenses que fazem história, que têm capacidade de superação, que criam peças de teatro de alto nível, que são esportistas campeões, que são grandes escritores, que são aprovados nas melhores universidades do Brasil e do exterior, que defendem o meio ambiente, que fazem trabalhos sociais belíssimos, que reconstroem, que plantam mananciais de flores, que lecionam de forma brilhante, que salvam pessoas, que salvam animais, que se dedicam pelo bem do próximo, que respeitam as pessoas e o espaço coletivo, que trabalham com a agricultura natural, que trabalham com dignidade, que empreendem, que investem, que acreditam, que são honestos, que fazem a diferença. Os filhos honrados de Nova Friburgo. Esse patrimônio humano riquíssimo deve ser exaltado como um grande presente pelo aniversário de 200 anos que está por vir!

Publicidade
TAGS:

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.