Futuro Cyberpunk

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Netflix está apaixonado por nós, por isso investe milhões em obras autorais a cada mês.

A nova série, Altered Carbon, custou cerca de US$ 7 milhões em cada um dos dez episódios para ficar parecido com Blade Runner e agir como Matrix. Altered Carbon é uma série de exposições para pensar, e, para o seu crédito, faz um trabalho digno sem aborrecer o público e levar às lágrimas. Confiante nos seus arcos de personagens para suas grandes perguntas, permite que a trilha sonora e os efeitos visuais reveladores de Jordan Cronenweth respirem vida na história.

O criador Laeta Kalogridis está tão preocupado em deixar tudo mastigado para o público que se perde em seu complô excessivamente complicado, não há tempo para refletir sobre temas mais amplos. Os personagens guiam explicitamente através de tudo. Eles contam aos espectadores o que pensar; Eles orientam você em direções que são enganosas e, em seguida, volta em distorções excessivamente trabalhadas.

A série são as conchas ocas das pessoas. No futuro cyberpunk distante, a extravagância do CGI trás grandes questões sobre o significado da vida, o que nos torna humanos e como a ciência e a religião podem se conectar, mas esse drama de troca de corpo leva as coisas ao  literal e suga a vida fora de seus assuntos ao fazê-lo.

Existe um mistério de assassinato, não completamente diferente de outras histórias, o diferente é a execução. No futuro, um agente treinado é retirado da aposentadoria para um trabalho secreto com ramificações morais e práticas de grande alcance. Esse agente não é um Blade Runner, mas um antigo lutador contra a resistência, ele foi trazido de volta à vida pela própria pessoa com quem ele lutava.

Nesse futuro, ninguém deve morrer; a consciência de uma pessoa pode ser transferida para uma pilha cortical - ou um pequeno disco alojado no dorso do pescoço. Quando um corpo morre, seu cérebro pode colocado em outro corpo. Mas comprar corpos são são caros, então os cidadãos mais ricos perpetuam sua vida e os pobres somem da história.

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

Publicidade
TAGS:

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.