Bilheteria do cinema em 2017

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

sábado, 17 de junho de 2017

Chegamos ao meio do ano e o cinema brasileiro conseguiu emplacar apenas um filme no top 10 de bilheteria. Os filmes americanos continuam dominando o circuito, nada diferente dos anos anteriores, mas desta vez, a ausência de blockbuster brasileiro de qualidade fez com que o nosso cinema não ocupasse muitas salas.

O Brasil fechou 2016 com 2.960 salas de cinema, até o vigente momento conseguiu ultrapassar a marca de 3.000 e empatamos o recorde histórico da década de 70. O governo federal possui projeto de fomento à criação de novas salas em cidades com menos de 100 mil habitantes, mesmo assim, o aumento se deu mais nas capitais do que no interior. Os empresários preferem disputar espectador nas saturadas capitais ao inovar em cidades pequenas com pouca ou nenhuma sala de exibição.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em seu segundo mandato, fez um movimento de alterar o rumo da bilheteria dos filmes estrangeiros. Com o surgimento da Ancine (Agência Nacional do Cinema) em 2001, acreditou-se que seria interessante criar uma lei para que parte das bilheterias dos filmes importados ficasse num fundo de investimento nacional de cinema. Sendo que os americanos não aceitaram antes mesmo da criação da tal lei, obviamente, e quando o presidente quis se impor obteve a resposta do governo americano de que iriam parar de comprar sapatos do Brasil. O presidente não quis briga com a indústria de calçado, a lei nunca chegou ao congresso nacional para votação.

Sendo assim, foram criadas várias outras leis de incentivo fiscal, o que realmente fez com que o cinema nacional se tornasse economicamente independente. Apenas há lentidão na liberação da verba para os editais, porque se criou uma amarra questionável: o presidente da república precisa autorizar a liberação da verba solicitada pela Ancine. A direção do órgão não possui total autonomia em relação aos investimentos planejados e desejados no cinema brasileiro.

Top 10 de bilheteria em Reais até o dia 28/5

1 - Velozes e furiosos 8 / R$ 131.781 mil
2 - A Bela e a Fera / R$ 129.974 mil
3 – Logan / 91.214 mil
4 - Minha mãe é uma peça 2 / 89.232 mil
5 - Moana - Um mar de aventuras / R$ 71.769 mil
6 - A Cabana / R$ 71.628 mil
7 - Guardiões da Galáxia - Vol. 2 / R$ 65.361 mil
8 - Cinquenta tons mais escuros / R$ 66.145 mil
9 - O poderoso chefinho / RR$ 45.405 mil
10 - Assassin's Creed / R$ 32.809 mil

 

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Leo Arturius

Cinema

Leo Arturius é cineasta e assina a coluna semanal analisando a 7ª arte e os filmes em cartaz em Nova Friburgo

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.