O miado do gato

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

LINHA DO TEMPO

“É fácil entender por que os gatos despertam sentimentos

de antipatia nas pessoas. Um gato se mostra sempre

bonito; sugestionando idéias de luxo, limpeza e prazeres

voluptuosos.”

(Charles Baudelaire)

O miado do gato

O Dia Mundial do Gato foi criado por uma instituição italiana, com o objetivo de ajudar a promover uma campanha contra os maus-tratos contra os gatos.  A ideia se espalhou por todo mundo. Diversas ONGs e instituições de apoio aos animais aproveitam esta data para promover a adoção de gatos abandonados, que é outra meta. De acordo com censo do IBGE), existem aproximadamente 22,1 milhões de gatos nas casas do país.

Entender alguns comportamentos e necessidades básicas dos gatos é um passo importante para quem deseja ser um bom dono.

O gato preto

Lamentavelmente, muitas pessoas ainda acreditam na tolice de que gatos pretos dão azar, crendice que fez com que milhares de gatos fossem cruelmente mortos na Idade Média. O preconceito ainda existe. Para combater essa imagem equivocada sobre esses felinos, foi criada no Twitter a hashtag #blackcatsrule, onde os internautas postam fotos dos seus felinos negros, especialmente nas sextas feiras 13. O resultado é um monte de imagens encantadoras.

Foram criadas também organizações importantes como a Black Cat Rescue, visando ajudar esses animais que se encontram em uma posição desfavorável, por pura ignorância nossa.  Azar? Não, caro leitor: gato preto dá é muita sorte!

Foto da galeria
Publicidade
TAGS:

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.