Yoga de geração para geração

Famílias se reúnem no exercício da atividade milenar
sábado, 30 de junho de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Paulo Roberto Bancott, Luciana Aguiar e a filha do casal, Juliana (Fotos: Thiago Lima)
Paulo Roberto Bancott, Luciana Aguiar e a filha do casal, Juliana (Fotos: Thiago Lima)

Casais, pais e filhos, avós e netos, tios e sobrinhos, todos adeptos da prática do yoga. A combinação de benefícios para o corpo, mente e relações interpessoais que a atividade traz vem conquistando as famílias friburguenses. E vários alunos do Samsara Estúdio fazem parte desse grupo. Segundo o instrutor Igor Fonseca, eles acompanham um movimento que vem sendo cada vez mais percebido, o da união de interesses diferentes em uma só prática, que permite a criação de objetivos em comum que são conhecer a doutrina do yoga e vivenciar a experiência em conjunto.

 “Enquanto um busca reduzir dores, trabalhar o estresse e a concentração, o outro quer ganhar flexibilidade, perder peso. São vários sub-conteúdos reunidos na mesma prática. As turmas são heterogêneas, mas a metodologia do yoga dá autonomia para que cada pessoa siga seu ritmo nas posturas, trabalhe de acordo com o objetivo desejado. Guiado pelo instrutor, o aluno direciona sua prática. E com dedicação, no fim todos acabam trabalhando também as questões mentais e emocionais.

No caso das famílias, o interessante é que as relações tendem a se tornar melhores - pela doutrina e pelo tempo compartilhado -, afinal nem sempre é fácil encontrar tempo para se reunir no dia a dia”, ressaltou Igor.

Incentivo de pais para filhos

Paulo Roberto Bancotto, de 65 anos, Luciana Aguiar, 54, e a filha do casal, Juliana, 16, chegam juntos ao estúdio para contar um pouco sobre a experiência da família na prática do yoga. Luciana foi quem começou, já havia feito algumas aulas no passado e chegou a achar que seu corpo não era para a atividade, mas estava enganada. Foi o que descobriu quando participou do retiro de meditação, realizado pelo instrutor Igor Fonseca, no sítio da família.

“Faço meditação Zazen [método zen-Budista] a muitos anos. Quando tentei o yoga pela primeira vez, achei que não era para mim, mas acompanhando as práticas no retiro, mesmo estando com problema no joelho, resolvi voltar. Hoje busco a integração do corpo e da mente e percebo o quanto a prática complementa a meditação, com atenção à respiração, postura, exercícios de alongamento, que me permitem meditar e manter a concentração por mais tempo”.

Motivado pela experiência da esposa, Paulo Roberto também aderiu: “Aqui busco o autoconhecimento, já que sempre cuidei do físico, pratiquei e pratico vários esportes, então, a minha procura é espiritual”.

E seguindo o exemplo dos pais, Juliana optou pela atividade por conta de um problema de coluna, mas percebeu que os reflexos vão além da melhora postural: “Tenho escoliose e estava sentindo muita dor, especialmente por conta da má postura. Então, vim fazer uma aula com os meus pais e acabei percebendo que, mais do que alongamento e exercício físico, o yoga me ajuda a estar mais tranquila, concentrada para estudar. Faço uma vez na semana e isso já muda o meu dia”.

O mesmo aconteceu com a família Galliez: a mãe, Letícia Galliez, de 42 anos, começou a praticar e foi acompanhada pelo marido, Marcelo, de 42 anos, e os filhos Lucas e Carolina, de 11 e 9 anos.

“Comecei a praticar yoga para controle do estresse e ter uma melhor qualidade de sono. Quando percebi que a atividade tinha inúmeros outros benefícios, acabei contagiando a família inteira. O yoga acaba por atender às várias necessidades específicas que temos: meu marido buscou o alívio dos incômodos que sentia dirigindo por muitas horas diariamente e a mobilidade encontrada ajudou também na prática do surf; meu filho Lucas é atleta e deseja ganhar tônus muscular e flexibilidade, além de prevenir lesões; e a caçula, Carolina, é bailarina, e sempre que acaba o período de provas escolares me pede para fazer aula de yoga como reforço nos alongamentos e para ter momentos de relaxamento”, contou Letícia.

Encontro do melhor momento

Marina Thurler Fernandes Bono, de 21 anos, resistiu aos convites da mãe, Martha,  52, para fazer uma aula experimental de yoga, mas depois que conheceu a prática não parou mais.

“Comecei faz um ano e chamei minha filha. Eu sinto que o yoga mudou a minha forma de ver o mundo, tem me levado a aprimorar minha relação comigo mesma e com os outros. Trabalho há dez anos na mesma função, sou gerente administrativa e passo muito tempo sentada, antes sentia desconforto, tensão. Com a prática, continuo realizando o meu trabalho, mas agora tenho muito mais consciência corporal, aumentei a minha mobilidade, melhorei a postura, o que reflete em menos estresse, dor muscular e menos cansaço”, revelou Martha.

Em um momento de muito estresse, Marina mudou de ideia e agora é praticante assídua: “Em dia de muita tensão, sobrecarregada com a faculdade, estágio, entre outras coisas, resolvi aceitar o convite da minha mãe. Fiz minha primeira aula no Samsara e não parei mais. Hoje percebo que o yoga me traz mais tranquilidade e os exercícios refletem no dia a dia, como quando estou nervosa por algum motivo, faço as respirações e isso me ajuda a acalmar e concentrar”.

Yoga em casa

 A parceria no yoga entre Lara, de 23 anos, e sua mãe Simoni Lucena, 49, vai além do estúdio. Simoni se formou instrutora pelo Samsara e as duas compartilham um espaço especial para a prática em casa:

“Temos um ambiente e com a minha mãe formada eu sempre peço que ela guie os exercícios”, comentou Lara, que completa contando sobre como o yoga influencia na relação familiar: “Nossa relação é muito positiva, minha mãe é mais instruída sobre o yoga e me ensina muito. Acredito e vivo a doutrina, o que me ajuda a saber ouvir, estar aberta a aprender, me colocar no lugar do outro, o que faz muita diferença no convívio”.

Aproveitando a companhia

Praticante de yoga desde que estava grávida do filho Pedro, hoje com 6 anos, Tânia Afonso Chaves agora leva o pequeno para as aulas: “Começou com ele na barriga e continua, reforçando laços. O yoga é uma prática milenar, mas ainda tão atual, que proporciona experiências genuínas de encontro com o corpo, mente e respiração. A atividade é um verdadeiro presente para a humanidade e também a que eu quero deixar para o meu filho”.

Ultrapassando a distância

Na família de Leila Jordan, 64 anos, todos são esportistas. Seguindo seu exemplo, as filhas praticam yoga mesmo uma morando fora do país: “Sou apaixonada pelo trabalho e pela doutrina. Tive um problema sério de coluna há oito anos e fui orientada pelo médicos a fazer uma cirurgia, mas encontrei o yoga e hoje em dia não sinto mais nada, nem precisei operar. Pratico todas as mobilidades, sem restrições, e a minha favorita é o Acroyoga. Minha filha Carmem (38) mora em Friburgo e faz as aulas comigo, já minha outra filha mora nos Estados Unidos e começou a fazer quando esteve na cidade e eu a trouxe para experimentar. Quando voltou para o país não só deu continuidade, como também levou o marido para praticar”, disse Laila.

Carmen, que chegou a fazer yoga quando morava no Rio, diz que se encontrou na atividade no Samsara: “Na nossa família todos nós praticamos esportes, eu mesma já fiz muitas atividades de impacto, como tênis, por exemplo, e como consequência tive algumas lesões. Com o yoga compreendi que meu corpo é  minha morada e, buscando qualidade de vida dentro dessa consciência corporal, invisto na prática. Além disso, a prática em família ajuda na relação em casa. Yoga não é só exercício, é complemento, é buscar melhorar e evoluir sempre. E o retorno é se sentir mais amorosa na convivência cotidiana”.

 

Publicidade
TAGS: