Xilogravuras de Mario Valdanini em cartaz na Aliança Francesa

Artista plástico volta à cena após dois anos dedicados a nova produção
sexta-feira, 04 de outubro de 2019
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Fotos: Regina Lo Bianco
Fotos: Regina Lo Bianco

O público tem até  11 de outubro a oportunidade de apreciar a obra do artista plástico paulistano Mario Valdanini, radicado em Nova Friburgo há mais de 40 anos. A exposição apresenta 12 trabalhos inéditos desse artista que, segundo o aquarelista e seu amigo Raimundo Peres, é movido pelos tipos populares que observa nas ruas. 

Aos 17 anos, ainda vivendo em São Paulo, Mario foi à Itália, terra natal de seus pais, onde conheceu obras dos grandes mestres italianos. Ao retornar, estabeleceu-se em Nova Friburgo, e ao concluir o 2º grau, ingressou na Escola Nacional de Belas Artes-UFRJ, onde se dedicou à cerâmica, gravura e escultura.

Segundo contou em matéria publicada há dois anos neste jornal, quando criança, Mario e sua família moraram em uma casa do escultor José Denardi, que trabalhava com o renomado artista Brecheret  (nascido Vittorio Breheret, escultor ítalo-brasileiro, um dos mais importantes do Brasil). Ele acredita que foi a partir dessa convivência que surgiu o seu interesse pela arte em geral. 

Sobre a atual exposição, Peres falou: “O que move o diapasão interno de Mario Valdanini são os tipos populares! Insólitos seres que se tornam mais evidentes sobre o olhar do artista, provocando desenhos, relidos em talhos-doce chegam à gravura. Valdanini traz desta vez as doze últimas gravuras. Cabe a nós, conferir e percorrer a cidade à procura desses seres que ela crescendo engole e ele os devolve magnanimamente”.  

No site do artista o público encontra a história e trajetória de Mario Valdenini: a pessoa, o artista, hoje com 67 anos de existência e 40 de arte. Estão lá, desde o origem de seus antepassados, a imigração para São Paulo, seus primeiros passos na arte de esculpír, pintar, gravar. Para ilustrar um dos muitos encontros que ele teve ao longo de sua vida, destacamos o que teve com o Mestre Franz:

Franz Josef Widmar (1914-1994), pintor austríaco, além de mestre, foi grande amigo. Eles se conheceram na montagem de uma exposição de Mario, em 1980, onde Franz apareceu, olhou um trabalho e perguntou: “Quem é o artista?”. Mario se apresentou: “Mestre, sou eu”. E Franz: “Vou explicar para você…”. A partir daí, ele sempre aparecia no ateliê de Mario e “explicava” como se fazia, tomando as ferramentas de suas mãos e alterando seus trabalhos.

Também vai conhecer a formação acadêmica e retratos do artista através de pinturas, desenhos, fotografias e textos, por vários amigos, artistas também. Como, por exemplo: Fabio Herdy (gravura e pintura), Otto Dumovich (desenho a lápis sanguínea), Dil Márcio (caricatura), A. Silvério (desenho), Mário Moreira (desenho), Raimundo Peres (pintura), Nilton Baptista (texto), além de artistas de rua. 

Em cartaz na  Aliança Francesa de Nova Friburgo, situada na Rua Carlos Alberto Braune, 11, Centro (final da Rua Monte Líbano). Tel.: 2522 8789.

 

LEIA MAIS

Artistas radicados nos dois distritos expõem suas visões e percepções sobre a natureza exuberante da região

Marcelo Brantes uniu duas artistas cujas trajetórias convergem em torno do amplo conceito de Residências

Trabalho foi iniciado há três semanas no Parque D. João VI e Varginha. Vem mais por aí...

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra