Vereador é assassinado em Cachoeiras de Macacu

Suspeito foi preso cerca de duas horas após o crime
quinta-feira, 21 de janeiro de 2016
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa

O vereador Nélcemir Lagôas (PP), primeiro-secretário da Câmara Municipal de Cachoeiras de Macacu, foi assassinado com quatro tiros por volta das 21h30 desta quarta-feira, 20, a cerca de 200 metros de onde residia. O político, que tinha 67 anos, chegou a ser socorrido e encaminhado ao hospital municipal, mas não resistiu aos ferimentos.

De acordo com o delegado titular da 159ª Delegacia de Polícia, Antônio Furtado, os disparos atingiram o peito, o maxilar e o pescoço da vítima. “A esposa de Nélcemir informou que eles estavam em um quiosque quando o suspeito abordou o casal e pediu R$ 20. O vereador não deu o dinheiro, mas se ofereceu para o jantar. O homem não aceitou e se afastou. Instantes depois o assassinato aconteceu”, explicou o delegado.

Ainda de acordo com com o responsável pelo caso, testemunhas informaram que o autor dos disparos vestia uma bermuda de cor bege e um casaco de moletom escuro com capuz, e fugiu logo após cometer o crime.

Cerca de duas horas mais tarde a polícia prendeu um suspeito em flagrante por homicídio duplamente qualificado. Ainda de acordo com o delegado, o suspeito estava drogado e assumiu fazer uso de entorpecentes quando foi detido, embora tenha negado ser o autor do crime. “O suspeito também foi visto próximo ao hospital para onde a vítima foi levada após o disparo. Havia respingos na roupa dele, que acreditamos serem de sangue. Vamos mandar para perícia. Também iremos realizar o exame de residuográfico para saber se há pólvora em suas mãos. Também já estamos coletando imagens de câmeras próximas ao local onde crime aconteceu”, explicou.

A motivação do crime ainda não é conhecida, e a polícia não descarta nenhuma hipótese. Diante das circunstâncias, Antônio Furtado informou que vai pedir a prisão preventiva do suspeito.

LEIA MAIS

Polícia Civil pediu exame de DNA para confirmar identificação da vítima

Polícia ainda não identificou vítimas devido ao estado avançado de decomposição dos corpos

Ele foi ouvido pela polícia e foi liberado porque não houve flagrante do crime

Publicidade
Agora Faz
URL da notícia:
TAGS: assassinato