Urologista desmistifica tabu em torno de exame masculino

Especialista que atua em Friburgo alerta: 20% dos casos de câncer de próstata só são diagnosticados através do toque retal, mesmo com PSA normal
quinta-feira, 07 de novembro de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Urologista desmistifica tabu em torno de exame masculino

Nesta entrevista exclusiva para A VOZ DA SERRA, o urologista Rodrigo Barros, niteroiense radicado em Friburgo há dez anos, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia e doutor em Medicina pela Uerj, fala sobre saúde masculina, a importância da campanha Novembro Azul e o preconceito em torno do exame de toque retal, que ele faz questão de desmistificar: “É um exame que dura segundos, é praticamente indolor e não afeta a masculinidade”, afirma. Segundo ele, que atende tanto em consultório particular quanto pelo SUS, 20% dos casos de câncer de próstata são diagnosticados somente através do toque retal, mesmo com o PSA normal - daí a importância do exame físico. 

A VOZ DA SERRA: Clinicando tanto na rede particular quanto na pública, que diferenças observa nos pacientes, em relação à prevenção do câncer de próstata? Há mais preconceito, timidez, ou até uma preocupação maior, na rede privada ou no SUS?

Rodrigo Barros: Tenho a percepção de que o preconceito masculino existe independente de classe sócio-econômica. Uma pesquisa recente realizada pela revista Saúde e o Instituto Lado a Lado pela Vida, com 2.405 homens, mostrou que 59% deles não costumam ir ao urologista. Entre os maiores de 50 anos atendidos pela rede privada ou planos de saúde, 89% disseram já ter feito o PSA e 65%, o exame de toque. Entre os atendidos pelo SUS, 45% nunca foram submetidos ao toque retal e 16% não fizeram o exame de PSA. Portanto, como podemos perceber, os homens temem e evitam e o toque retal. No sistema público ainda existe o agravante da dificuldade de acesso ao atendimento com o urologista.

O que o senhor  diz a um paciente para superar o medo ou a vergonha de fazer um exame de toque? Qual o argumento final?

Costumo dizer aos meus pacientes que o  toque retal é um exame rápido, que dura segundos, é praticamente indolor e não afeta a masculinidade. Ele deve ser realizado porque o antígeno prostático específico (PSA) não deve ser realizado sozinho, uma vez que aproximadamente 20% dos casos de câncer de próstata são diagnosticados através do toque retal, mesmo com o PSA normal.

Pela sua experiência, tumores costumam ser detectados em qual estágio de desenvolvimento?

A maioria dos cânceres de próstata é diagnosticada em fase inicial, no momento do rastreamento da doença através de alteração do PSA ou durante o exame de toque retal. 

Os homens friburguenses em geral cuidam bem da saúde?

Difícil fazer uma análise exclusiva dos homens friburguenses. O que posso dizer é que tenho cada vez mais pacientes, tanto no meu consultório particular como no ambulatório do Hospital Raul Sertã, que têm um cuidado grande com a saúde, realizando exames periodicamente ao longo de muitos anos.

Na sua opinião, campanhas como a do Novembro Azul são realmente eficazes, fazem as pessoas realmente se conscientizarem mais?

Sem dúvida as campanhas são eficazes. Percebo uma procura maior dos homens por atendimento médico para a prevenção do câncer de próstata no mês de novembro. A campanha do Novembro Azul conscientiza e faz com que um número cada vez maior de homens quebre o tabu e procure o urologista.

 

LEIA MAIS

Alunos aprenderão maneira correta e segura de lidar com emergências médicas

Contrato com a Global Indústria de Alimentação é válido para cobrir o mês de novembro

Objetivo é avaliar problemas na gengiva, como sangramentos durante a escovação dos dentes

Publicidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde