Urologista desmistifica tabu em torno de exame masculino

Especialista que atua em Friburgo alerta: 20% dos casos de câncer de próstata só são diagnosticados através do toque retal, mesmo com PSA normal
quinta-feira, 07 de novembro de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Urologista desmistifica tabu em torno de exame masculino

Nesta entrevista exclusiva para A VOZ DA SERRA, o urologista Rodrigo Barros, niteroiense radicado em Friburgo há dez anos, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia e doutor em Medicina pela Uerj, fala sobre saúde masculina, a importância da campanha Novembro Azul e o preconceito em torno do exame de toque retal, que ele faz questão de desmistificar: “É um exame que dura segundos, é praticamente indolor e não afeta a masculinidade”, afirma. Segundo ele, que atende tanto em consultório particular quanto pelo SUS, 20% dos casos de câncer de próstata são diagnosticados somente através do toque retal, mesmo com o PSA normal - daí a importância do exame físico. 

A VOZ DA SERRA: Clinicando tanto na rede particular quanto na pública, que diferenças observa nos pacientes, em relação à prevenção do câncer de próstata? Há mais preconceito, timidez, ou até uma preocupação maior, na rede privada ou no SUS?

Rodrigo Barros: Tenho a percepção de que o preconceito masculino existe independente de classe sócio-econômica. Uma pesquisa recente realizada pela revista Saúde e o Instituto Lado a Lado pela Vida, com 2.405 homens, mostrou que 59% deles não costumam ir ao urologista. Entre os maiores de 50 anos atendidos pela rede privada ou planos de saúde, 89% disseram já ter feito o PSA e 65%, o exame de toque. Entre os atendidos pelo SUS, 45% nunca foram submetidos ao toque retal e 16% não fizeram o exame de PSA. Portanto, como podemos perceber, os homens temem e evitam e o toque retal. No sistema público ainda existe o agravante da dificuldade de acesso ao atendimento com o urologista.

O que o senhor  diz a um paciente para superar o medo ou a vergonha de fazer um exame de toque? Qual o argumento final?

Costumo dizer aos meus pacientes que o  toque retal é um exame rápido, que dura segundos, é praticamente indolor e não afeta a masculinidade. Ele deve ser realizado porque o antígeno prostático específico (PSA) não deve ser realizado sozinho, uma vez que aproximadamente 20% dos casos de câncer de próstata são diagnosticados através do toque retal, mesmo com o PSA normal.

Pela sua experiência, tumores costumam ser detectados em qual estágio de desenvolvimento?

A maioria dos cânceres de próstata é diagnosticada em fase inicial, no momento do rastreamento da doença através de alteração do PSA ou durante o exame de toque retal. 

Os homens friburguenses em geral cuidam bem da saúde?

Difícil fazer uma análise exclusiva dos homens friburguenses. O que posso dizer é que tenho cada vez mais pacientes, tanto no meu consultório particular como no ambulatório do Hospital Raul Sertã, que têm um cuidado grande com a saúde, realizando exames periodicamente ao longo de muitos anos.

Na sua opinião, campanhas como a do Novembro Azul são realmente eficazes, fazem as pessoas realmente se conscientizarem mais?

Sem dúvida as campanhas são eficazes. Percebo uma procura maior dos homens por atendimento médico para a prevenção do câncer de próstata no mês de novembro. A campanha do Novembro Azul conscientiza e faz com que um número cada vez maior de homens quebre o tabu e procure o urologista.

 

LEIA MAIS

"A prefeitura diz que eu sou mentiroso, mas no mesmo dia tem uma ação da PF em Friburgo. Quem é o mentiroso da história?", rebate parlamentar

Ação faz parte da Operação Carona de Duque, que investiga superfaturamento na compra de medicamentos

Viva Rio realiza ajustes no edital. Inscrições podem ser feitas até dia 29 e salários chegam a R$ 7.423,20

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde