Uma outra fórmula do amor: viver juntos, mas em casas separadas

Há 21 anos, Vera e Reynaldo dividem tudo, menos o mesmo endereço
sábado, 08 de junho de 2019
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Vera e Reynaldo: cumplicidade total (Arquivo pessoal)
Vera e Reynaldo: cumplicidade total (Arquivo pessoal)

Vera Freire e Reynaldo Pinto estão juntos há 21 anos e, desde que se conheceram, moram em casas separadas por opção. Inicialmente relutante, ela se dispôs a abrir o coração e responder, a pedido de A VOZ DA SERRA, a 11 perguntas sobre esse tipo de casamento, considerado por muitos a fórmula do relacionamento ideal. Ela não passa a fórmula, mas dá uma pista, dizendo que o segredo de uma boa relação a dois é conhecimento, compreensão e expectativas realistas. Com a experiência de formar com o parceiro um casal divertido e simpático, que adora viajar, ela também dá aos jovens um importante conselho: “Sejam autênticos, pessoas reais tentando viver da melhor forma com alguém com quem se tenha afinidades e que valha a pena”.

AVS: Há quanto tempo se conheceram e como é a rotina de vocês como casal?

Vera: Estamos completando 21 anos de  muita parceria e cumplicidade e, para comemorar em alto estilo, estaremos partindo  no próximo mês para o Triângulo Escandinavo. Nossa rotina é normal como a maioria dos casais. Cada um com seu trabalho e, sempre que podemos, fugimos da rotina viajando. Reynaldo é professor universitário, trabalha em casa e na faculdade, eu sou administradora de empresas e alterno o trabalho de casa e na empresa.

Por que optaram por não morar juntos?

Quando nos conhecemos. Durante muitos anos Reynaldo trabalhava e morava no Rio, e eu em Friburgo. Ambos já tínhamos casas em Friburgo, e há quatro anos, quando ele veio em definitivo, foi natural: uma casa no centro e outra no sítio, em Riograndina.

Já foram casados antes? Quanto tempo cada um e por que não deu certo?

Sim, ele durante nove anos, tendo dois filhos, e eu durante 13 anos. Deu certo sim, até acabar. Foi bom enquanto durou.

O que é melhor, e pior, quando se está sozinho?

De melhor, a liberdade. De pior, a solidão.

O que é melhor, e pior, vivendo sob o mesmo teto?

De melhor, a companhia. De pior, a rotina.

Exemplos de percalços, situações difíceis que enfrentaram juntos e superaram?

Problemas com familiares, doença e morte, mudança de trabalho. Todos superados com amigos, maturidade, trabalho e persistência.

Exemplos de situações engraçadas que vivenciaram juntos?

Muitas! Temos muito senso de humor e rimos de muitas coisas. Também temos excelentes amigos. Por exemplo, viajamos muito e sempre brincamos de encontrar sósias friburguenses: identificamos e cumprimentamos como se fosse aqui.

O que é mais desafiador para a harmonia e plenitude do relacionamento de vocês?

Descobrir coisas novas no outro a cada dia e desfrutar das qualidades que já conhecemos e também do relacionamento que construímos.

Pergunta de um milhão de dólares: qual o segredo de um bom relacionamento a dois? Qual é, afinal, a fórmula do amor?

Conhecimento e compreensão. Expectativas realistas. A fórmula? É segredo!

Que conselhos dão aos jovens casais de hoje (o que fazer e o que NÃO fazer)?

Aos jovens: sejam autênticos, pessoas reais tentando viver da melhor forma com alguém com quem se tenha afinidades e que valha a pena.

Como se veem daqui a dez anos?

Juntos, um pouco mais velhos e muito mais sábios.

LEIA TAMBÉM: Casados há 38 anos, Walter José e Josanne falam sobre desafios, parceria e cumplicidade.

LEIA MAIS

Friburguense Thalita Alves é formada pela única escola especializada do Brasil

Casados há 38 anos, Walter José e Josanne falam sobre desafios, parceria e cumplicidade

Casal de jornalistas lança projeto juntos

Publicidade
TAGS: amor