UFF faz parceria com restaurante popular de Nova Friburgo

Objetivo é fornecer quentinhas com preços acessíveis aos alunos
quinta-feira, 07 de novembro de 2019
por Thiago Lima*
O restaurante Popular de Friburgo (Fotos: Thiago Lima)
O restaurante Popular de Friburgo (Fotos: Thiago Lima)

Uma parceria entre o Diretório Acadêmico de Fonoaudiologia (A Voz da Fono), do Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF), unidade de ensino superior da Universidade Federal Fluminense (UFF) e o restaurante popular da Prefeitura de Nova Friburgo vai garantir o fornecimento de  almoço em quentinhas a R$ 4, cada, para os alunos. A universidade se comprometeu a buscar as quentinhas diariamente. 

“Essa iniciativa será muito boa para os universitários, principalmente para aqueles que tem dificuldades para custear as despesas com refeições fora de cada, os que vieram de outras cidades, que moram de aluguel, dividem um quarto com um colega ou moram em repúblicas”, lembra Sônia Silva, presidente do Diretório Acadêmico de Fonoaudiologia.

Sílvio Carestiato, que é o gerente do restaurante popular da prefeitura, tem a expectativa de que sejam vendidas 100 unidades diárias para os universitários da UFF. Mariana, estudante da UFF Friburgo, relata que a parceria surgiu em boa hora e, além de muito interessante é necessária, pois como não existe bandejão no campus friburguense, ter a possibilidade da refeição em quentinhas a um preço bem acessível ajuda muito a diminuir os gastos altos que os estudantes possuem, já que muitos deles não são de Nova Friburgo. “Além disso, por estudarmos em horário integral, não existe a possibilidade de arrumar um emprego para complementar a renda e os custos com alimentação geralmente pesam no orçamento”, avalia a estudante.

O Restaurante Popular

Inaugurado em 2002, o restaurante popular da prefeitura que funciona de segunda a sexta-feira, com acesso do público pela Rua Gonçalves Dias. No local são fornecidas cerca de 350 refeições por dia para funcionários da prefeitura, a partir das 11h e para o público em geral, às 12h pelo preço unitário de R$ 2,50. O restaurante, no entanto, possui uma estrutura pequena e conta com apenas dez funcionários.

O cardápio é bem variado e nutritivo, contando com 20 opções diferentes que não se repetem ao longo do mês, incluindo arroz, feijão, massas, carnes (de frango, boi ou porco) e legumes. “Para muitas pessoas, o prato oferecido no restaurante popular é a única refeição do dia. Em meio à crise que se agravou nos últimos meses vimos como o nosso espaço se tornou essencial para tanta gente que, pelo menos de segunda a sexta-feira, tem a garantia de poder se alimentar sem onerar o orçamento. Conseguimos perceber o quanto as pessoas ficam felizes com o cuidado que a equipe tem no preparo dos alimentos e a preocupação em fazer sempre o melhor. E, realmente, o esforço é grande para oferecer uma refeição de qualidade a um preço que caiba no bolso”, pontuou Sílvio Carestiato.

(* Reportagem do estagiário Thiago Lima, com supervisão de Henrique Amorim)

 

LEIA MAIS

Candidatos poderão conferir as respostas de cada questão no portal do Inep

Prefeitura de Nova Friburgo classifica movimento de profissionais do ensino como “ilegal” e diz que ele “prejudica a educação”

Categoria em Friburgo mantém estado de greve desde 3 de setembro, quando foi encerrado movimento que durou 27 dias

Publicidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Educação