Tragédia no Flamengo comove torcedores friburguenses

Nas redes sociais, manifestações de pesar e solidariedade partem de entusiastas de todos os times
sexta-feira, 08 de fevereiro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Tragédia no Flamengo comove torcedores friburguenses

O esporte brasileiro acordou na manhã desta sexta-feira, 8, com o gosto amargo da notícia de que um incêndio interrompeu drasticamente os sonhos de dez jovens no Centro de Treinamento do Flamengo, conhecido como Ninho do Urubu, em Vargem Grande, na Zona Oste do Rio.

Nas redes sociais, torcedores friburguenses de todos os times manifestaram pesar e demonstraram solidariedade ao Flamengo.

“Mais uma trágica notícia no ano que só está começando. Que Deus tenha piedade de nós! Não importa o seu time, hoje estamos de luto”, disse o capoeirista Fernando Emmerick, o Mestre Garganta.

"Eu adoro escrever. Normalmente teria postado algo, mas estou com inspiração zero. Força para todos nós na tragédia de hoje. Força pra todos nós nessa tragédia que virou esse país", disse o publicitário Tiago Guimarães.

“Eram só meninos brincando de ser jogador. A nação está de luto”, foi a opinião de Oduvaldo Júnior.

“Hoje sou um de vocês, rubros. Força Às famílias. É o momento de estar no mesmo sentimento. Força neste momento de dor. Conforto aos familiares das vítimas”, postou o vascaíno Alexandro Almeida.

“Uma tragédia. Que Deus conforte as famílias”, comentou o DJ Gee Santos.

“Tragédias como a do CT do Flamengo são sempre lamentáveis, e as perdas, irreparáveis. O que se observa no Brasil, seguidamente, são acontecimentos que poderiam ser evitados. Quase sempre relacionadas a interesses financeiros, economias ou investimentos inadequados, simplesmente pelo objetivo de lucrar com alguma situação. Em Brumadinho, por exemplo, os riscos eram conhecidos. No Ninho do Urubu, não havia a licença necessária. Que seja feita a justiça e o devido trabalho de prevenção, em todos os clubes e locais que apresentem riscos, para que outros sonhos não terminem de forma trágica. Muita força e fé a familiares e amigos das vítimas”, escreveu o jornalista esportivo Vinícius Gastin.

“Acompanhando as notícias, me doeu muito ver outros jogadores que, sentados ao meio fio, estão tomando uma pancada dessa. Dói muito. Dentre três sobreviventes, um de 14 anos. 14 anos! Estava desde os 11 no Rio, vindo de Fortaleza tentando mudar a vida jogando futebol. Isso é muito triste. Alívio por esse menino estar estável, mas ainda é terrível. O Flamengo é onde eu tento torcer e me livrar um pouco da realidade”, afirmou Pedro Cordoeira.

“Quem nunca sonhou em jogar bola? Quem nunca se viu fazendo o que mais gostava desde a infância? O sonho é inerente a todos nós. Mas nem sempre o alcançamos, e às vezes o temos interrompido. Cada uma das almas que teve seu sonho interrompido estará nos corações de todos nós. Não é hora de achar culpados. É hora de solidariedade, de compaixão, de empatia. Que a força, a beleza e os sentimentos que apenas o futebol proporciona sejam emitidos, por cada torcedor do Brasil e do mundo, à cada família que perdeu um sonhador”, desabafou Murilo Ramos.

 

Publicidade
TAGS: