Tensão em Friburgo: motorista de aplicativo é forçado a furar blitz

Passageiro procurado pela Justiça por tráfico ainda tinha anotações por homicídio e roubo
quinta-feira, 30 de maio de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Tensão em Friburgo: motorista de aplicativo é forçado a furar blitz

Um motorista de um aplicativo para transporte de passageiros foi forçado por um criminoso procurado pela Justiça a fugir de policiais militares, durante uma blitz realizada pelo 11º BPM na quinta-feira, 30, no bairro Olaria. Segundo o comando do batalhão, os agentes realizavam uma operação em frente ao Posto de Policiamento Comunitário (PPC) do bairro, próximo à Praça 1º de Maio, quando tiveram a atenção voltada para um Prisma e determinaram ao motorista que ele parasse.

O motorista, porém, não acatou a ordem e saiu em disparada. Policiais fizeram um cerco na região e conseguiram interceptar o veículo na Travessa Raul Veiga. Dentro do carro, além do motorista, estava um homem, de 30 anos. Com ele, os policiais encontraram um tablete de maconha. Já com o motorista, nada de ilícito foi encontrado.

De acordo com a polícia, os dois foram levados para a 151ª DP. O motorista do aplicativo contou que foi ameaçado pelo passageiro e, por isso, furou a blitz no bairro e não parou o carro quando os agentes determinaram. Ele foi ouvido e liberado. O passageiro, por sua vez, apresentou identidade falsa na delegacia. Mas, após investigação, os policiais descobriram o nome verdadeiro dele e constataram que o homem possuía diversas anotações criminais por homicídio e roubo, por exemplo.

Contra ele havia ainda um mandado de prisão aberto por tráfico de drogas. O homem foi preso e ainda autuado por posse e uso de drogas e por apresentar documentação falsa. Ele permaneceu preso na delegacia até ser transferido para um presídio no estado.

 

LEIA MAIS

Corpo foi encontrado na Rua das Pedrinhas, no loteamento Santa Bernadete

Em 2018, jornal colheu depoimentos de testemunhas, incluindo uma sobrevivente, que vivenciaram a história de Ibraim e Henrique de Oliveira

Agressões ocorreram por sete anos na casa da família, enquanto mãe das vítimas trabalhava fora

Publicidade
TAGS: crime