Temporal volta a provocar transtornos e estragos em Friburgo

Enxurrada abre cratera em rua e deixa condomínio sem acesso no Vale dos Pinheiros
quinta-feira, 02 de janeiro de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
A cratera aberta pela chuva no Vale dos Pinheiros (Reprodução da web)
A cratera aberta pela chuva no Vale dos Pinheiros (Reprodução da web)

O temporal da tarde desta quinta-feira, 2, mais uma vez provocou transtornos em Nova Friburgo. Ruas do Centro, como nas proximidades do Clube de Xadrez, voltaram a alagar, dificultando o trânsito (foto).

No Sítio da Pedra, no Vale dos Pinheiros, a enxurrada abriu uma cratera numa das vias do bairro e deixou um condomínio inteiro sem acesso. Um poste de energia também ficou ilhado, com risco de cair (foto).

Segundo a Prefeitura de Nova Friburgo, uma equipe da Secretaria de Obras esteve no local para avaliar a situação, mas, por conta do poste que ameaça tombar, uma nova avaliação será feita  nesta sexta, na parte da manhã. A concessionária de energia, Energisa, foi acionada para tomar as devidas providências em relação ao poste.

O temporal também deixou duas casas interditadas em Santa Bernadete, em São Geraldo, e prejudicou o itinerário de 12 linhas de ônibus. Segundo informações da Defesa Civil, o Jardim Califórnia, em Conselheiro Paulino, foi o local onde mais choveu. Na cidade inteira o volume da chuva foi calculado em 45 mm.

Imagens que circularam nas redes sociais mostraram ruas alagadas na Vila Amélia, na Praça do Suspiro e Centro. No distrito de Amparo, apesar da tensão dos moradores, até o momento nenhuma ocorrência ou agravamento da situação havia sido registrada. O Nupdec e moradores estão em alerta permanente.

A Defesa Civil informou que foi registrado um pequeno transbordo no encontro entre o Rio Córrego Dantas e o Rio Bengalas, mas a situação foi normalizada ainda na quinta-feira. No Floresta houve um escorregamento de talude, em pequenas proporções. O local está em meia pista. Não houve vítimas em nenhuma das ocorrências.

A concessionária de energia já foi acionada para as devidas providências em relação ao poste. A água das áreas que registraram alagamento escoou rapidamente. Até o momento, não há desalojados ou desabrigados e as sirenes não foram acionadas. Moradores de área de risco devem ficar atentos aos avisos oficiais. O município está em estado de alerta.

A direção da Faol emitiu uma nota informando a alteração no itinerário de linhas de ônibus. Confira as linhas afetadas:

  1. Amparo / Tiradentes: indo até o campo, devido a queda da rua.
  2. Alto do Catete: suspensa por conta da lama na estrada.
  3. Bairro Novo: manobrando até o local da antiga manobra.
  4. Colonial 61: indo até a ponte branca, por conta de buraco na estrada.
  5. Cordoeira (micro): indo e voltando pela Vila Guarani, devido a buraco na estrada.
  6. Perissê: manobrando na Casa Ypu devido a buracos na Rua Campos Sales.
  7. Retiro: manobrando um ponto antes do ponto final, devido a buracos na estrada.
  8. Rio Grande de Cima: Está indo até a ponte devido a buracos na estrada.
  9. Riograndina via Maringá: manobrando no Armazém. Obras da prefeitura no Maringá.
  10. Salinas: indo até o asfalto devido a lama na estrada.
  11. Indo até a ponte devido a buraco no início da subida
  12. Vale dos Pinheiros: indo até a Rua Maria José de Andrade Vieira, manobrando em frente ao Refúgio Kampai, devido a queda de rua.

Mais chuvas nesta sexta

A formação de grandes aglomerados de nuvens do tipo Cumulonimbus e da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), como é chamado o canal de umidade que vem da Amazônia, possibilita grandes volumes  de chuva entre esta quarta e quinta-feira, 2 e 3 de janeiro. São esperadas chuvas de 100 a 150 milímetros para cada 12 horas. Uma depressão subtropical, ou área de baixa pressão, sobre oceano contribui para as áreas de instabilidades sobre a Região Sudeste.

Distrito de Amparo permanece em vigilância constante

Semana passada a equipe de A VOZ DA SERRA foi até o distrito de Amparo para registrar os estragos que a chuva do último dia 22 havia causado. Constatou-se que um trecho da Estrada do Amparo cedeu na altura da curva da morte, e a passagem ficou interditada para ônibus e caminhões. As crateras abertas por conta da força da água deixou, inclusive, alguns moradores sem poder sair de casa com seus veículos.

A razão do problema apontada por moradores e pelos membros do Núcleo de Proteção e Defesa Civil (Nupdec) de Amparo é o bloqueio das sarjetas que impedem que a água da chuva passe por dentro de um sítio. Com isso, toda a água vai para as manilhas que não comportam o volume e desce pela Estrada de Amparo.

Nesta quinta, 2, nossa equipe foi mais adiante para entender e mostrar ao leitor como a situação do distrito está: a um pequeno passo de um colapso geral. Impossibilitados de seguir pela estrada de carro, nossa equipe foi a pé a um dos locais onde somente motocicletas ou pessoas à cavalo conseguem passar. O trecho da Estrada Velha do Amparo estava interditado para passagem de veículos por conta do afundamento da pista e lama.

Pela manhã, um caminhão de uma empresa de telefonia estava no local para realizar manutenção e reestabelecer o sinal que, desde o temporal do dia 22, estava oscilando. O veículo não conseguiu realizar o serviço porque no trajeto, a rua cedeu e o caminhão atolou. Demorou umas duas horas e meia até que um trator que estava a serviço da prefeitura, nas obras de reparo, foi até o local para ajudar a tirar o caminhão que corria sério risco de tombar.

Cerca de 300 metros de onde o caminhão quase tombou, nos deparamos com os pontos cruciais do tormento dos moradores de Amparo: os desvios das sarjetas. Jonnathan Rodrigues e Otavio Machado, membros do Nupdec, mostraram o trecho em que a água é desviada da sarjeta para as manilhas. Segundo eles, as manilhas são pequenas e para resolver a questão seriam necessárias manilhas maiores.

Unidos para resolver

Dentro do Nupdec, cada membro tem uma função específica. Jonnathan, por exemplo, é socorrista, enquanto Otávio tem a missão de fazer aberturas de vias, desobstrução de caminhos, resgate. 

“Aqui cada um une um pouco a sua habilidade. É necessário alguém que possa manejar uma motosserra, alguém que esteja habilitado para operar um trator, uma máquina que possa permitir que equipes de resgate acessem uma área atingida. Quando a Defesa Civil chega aqui, nós repassamos todas as informações e auxiliamos eles, fazendo isolamento de área, abertura de ruas. Também estamos em constante contato com o Corpo de Bombeiros”, explicam.

Elói Schuenk, morador do Loteamento Tiradentes, explicou que o desrespeito com o meio ambiente também é um dos principais motivos para a degradação da localidade. 

“Além do desvio da sarjeta, sabe por que acontece isso, né? Desmatamento e queimada. A água da chuva cai na estrada com uma força muito grande e como não tem nada pra segurar, acaba fazendo esse estrago”.

No local para acompanhar o serviço de reestruturação do distrito, o secretário de Obras, Jeferson Aragão (foto), informou que a prioridade é reparar as vias danificadas pela chuva. 

“Terminando o serviço aqui na curva da morte, a nossa prioridade é ir até a Estrada do Toledo com o maquinário para liberar o trecho e acabar com os buracos que impedem a passagem dos carros. Liberando esse acesso a gente consegue chegar mais à frente e fazer uma obra para captar a água da chuva e impedir que ela chegue até a estrada. Já temos a autorização do proprietário de um dos sítios porque essa obra vai adentrar o terreno dele.. Também realizamos a limpeza dos bueiros que deu uma amenizada na situação. Vou conversar com o prefeito para saber se essas e outras obras no bairro serão feitas com recursos próprios ou com outros recursos, como o do governo federal”.

O secretário também informou que, diante do flagrante de caminhões andando pela região que está interditada para veículos grandes, vai entrar em contato com a secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana para que o órgão envie placas ao local e sinalize o trecho onde, no momento, somente carros de passeio podem passar.

Em nota, a prefeitura ressaltou que a continuidade do trabalho está sujeita às condições climáticas, tendo em vista que a incidência de chuvas inviabiliza a execução.

 

LEIA MAIS

Em Friburgo foram emitidos comunicados preventivos, em Amparo e Nova Suíça, além de um auto de constatação por corte de árvores

Frente fria que se aproxima do Estado do Rio carrega ventos impregnados da fuligem das queimadas no Pantanal

Bombeiros levaram três dias para controlar focos em Amparo e na Chácara do Paraíso

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Clima