Talento na ponta dos dedos

Entre linhas, tear, madeiras e recicláveis, a criatividade de quem transforma matéria prima em obras de arte
sábado, 23 de março de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)

“Artesão (ã) é um profissional que fabrica produtos através de um processo manual ou com auxílio de ferramentas. Sua profissão usualmente requer algum tipo de habilidade ou conhecimento especializado na sua prática.”

Podemos resumir a explicação acima em apenas uma palavra: talento. É o talento que faz do artesão ou artesã, ser mestre em transformar matéria prima ou lixo em algo reutilizável. E talento, caro leitor, o friburguense tem de sobra.

O que não tinha, até pouco tempo, era um espaço para que esse profissional pudesse expor, de forma confortável e bem estruturada, sua arte. Desde agosto do ano passado, o local conhecido como Pavilhão das Artes, no Cônego, abriga a Casa do Artesão. Compromisso do prefeito Renato Bravo, o local é palco das muitas demonstrações de talento que a nossa terrinha tem a oferecer.

Sob a tutela de Denise Breder, o espaço vai se revitalizando, atraindo turistas e moradores da região. De acordo com a prefeitura, são 96 expositores que utilizam o local. Os profissionais que expõem uma grande variedade de peças e trabalhos belíssimos, estão agradecidos pelo espaço que sempre foi uma luta dos artesãos.

“Depois de muitos anos lutando por um espaço próprio, hoje nós temos a Casa do Artesão. Foi uma ação da prefeitura, em que o prefeito Renato Bravo honrou com o compromisso de incentivar esse setor. Hoje, cerca de 100 artesãos expõem seus trabalhos aqui, onde você encontra variedade em utilitários para cozinha, cama, mesa, banho, luminárias, peças de decoração. O pessoal da economia solidária transforma lixo em uma peça útil e muito bonita. Aqui tem de tudo”, explica Denise.

Palavras das artesãs

Lenir Burty
“Esse pavilhão foi um presente dos céus para nós. Nós temos toda a infraestrutura necessária para organizar esse universo em que trabalhamos. A casa me dá a oportunidade de ter um espaço onde eu possa dar um curso de artesanato e ensinar novos talentos. É importante que a gente forme novos artesãos e que eles compreendam a verdadeira finalidade dessa atividade, que é criar a identidade do artesanato friburguense.”

Mirene Silva e Suzana Henrique
“O objetivo da Economia Solidária é proteger o meio ambiente. Nossa preocupação é com a sustentabilidade. Trabalhamos muitos com produtos recicláveis, materiais que antes eram lixo e foram transformados em coisas úteis e objetos decorativos. Muitas garrafas, potes de plástico, retalhos de confecção que hoje são produtos que enfeitam as casas e são ótimos presentes. Hoje em dia, quase ninguém escuta música através do CD e nós transformamos o CD’s que foram jogados fora em porta copos, recipiente que antes era um detergente, agora é um porta guarda chuva. O fundo da lata de refrigerante transformamos em descanso de panela. Tudo aqui é reaproveitável.”

Wanessa Knupp
“Eu trabalho como artesã desde os meus 16 anos. Esse trabalho é minha vida, eu amo o processo de criar, a venda das minhas peças são consequência de muito amor e dedicação ao artesanato durante os anos.  O espaço da Casa do Artesão que recebemos foi uma grande conquista: poder expor meus trabalhos com dignidade e fazer dessa conquista pessoal minha fonte de renda. É um privilégio trabalhar em equipe, compartilhar experiências, perceber que juntos somos mais fortes. Com o apoio da prefeitura e da secretaria de Turismo, acredito que é só o início das conquistas que virão em nome do artesanato.”

Márcia Drummond
“Aqui eu trabalho com tecelagem e faço uma série de peças, como painéis feitos no tear, luminárias com palha de seda, com vários fios de lã e de algodão. Além disso, estamos com um projeto para trabalhar com materiais descartados das confecções. A cidade tem muitas confecções e elas geram muitos resíduos que podem se reaproveitados por nós. Temos um projeto que visa levar até comunidades carentes o nosso trabalho e oferecer cursos para que as pessoas possam aprender a atividade e num futuro poder gerar a própria renda.

Rosana Teixeira
“Dentro desse espaço nós temos dois ateliês, o Rosana Teixeira que eu represento e o Fuxicanto que é uma artesã de São Pedro que vem expor conosco. Nosso trabalho é todo feito com tecido, material sintético, e fazemos bolsas, nécessaire, produtos para crianças e tudo que envolva o mundo da costura, você encontra aqui. Estamos felizes com o espaço que o prefeito liberou pra gente, antes não tínhamos isso, cada um estava em um canto da cidade. A Denise conseguiu reunir os profissionais, trouxe pra Casa do Artesão e aqui conseguimos mostrar para o turista e pro próprio friburguense o nosso trabalho.”

 

LEIA MAIS

Além de pirografia e toalhas personalizadas, Friburgo também produz doces caseiros, geleias e amanteigados

Novo espaço leva o nome da escritora Tania Braune, falecida em 2015

Local terá mais de 250 livros e homenageará a saudosa escritora friburguense Tânia Braune

  • Denise Breder

    Denise Breder

  • Lenir Burty

    Lenir Burty

  • Wanessa Knupp

    Wanessa Knupp

  • Márcia Drummond

    Márcia Drummond

Publicidade