Sincomércio tenta na Justiça devolução do ICMS cobrado sobre PIS e Cofins

Somente associados à entidade em Nova Friburgo serão beneficiados se entidade ganhar a causa
terça-feira, 16 de abril de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Braulio Rezende, presidente da CDL e do Sincomércio (Arquivo AVS)
Braulio Rezende, presidente da CDL e do Sincomércio (Arquivo AVS)

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) de Nova Friburgo, Braulio Rezende, anunciou esta semana que vai ingressar na Justiça com uma ação coletiva solicitando o direito às empresas do comércio do município de excluírem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Caso a ação seja vitoriosa, apenas os associados ao Sincomércio serão beneficiados pela suspensão do recolhimento do ICMS, assim como a restituição dos valores pagos pelo tributo nos últimos cinco anos.

“Tomamos conhecimento de que algumas ações coletivas neste sentido obtiveram sucesso e resolvemos apelar à Justiça em processo semelhante”, informou Braulio. Ele explica que o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu no ano passado, depois de duas décadas, o julgamento de um recurso extraordinário sobre o tema e decidiu que o valor do ICMS destacado na nota fiscal não deve constar da apuração de PIS/Cofins, uma vez que não compõe o faturamento das empresas. Conforme acentuou a corte do STF, por não se incorporar ao patrimônio do contribuinte, essa quantia não pode ser destinada à seguridade social.

O presidente do Sincomércio de Nova Friburgo ressaltou ainda que, apesar do entendimento do STF, a Receita Federal continua exigindo o recolhimento de ICMS sobre PIS e Cofins, daí a necessidade de adoção de medidas judiciais pelas empresas. “Além de garantir adequação da base de cálculo para nossos associados, a ação coletiva do Sincomércio vai pedir a devolução do que foi pago indevidamente por cada empresa no prazo de cinco anos”, salientou Braulio Rezende.

LEIA MAIS

Presidente da Comissão de Direitos do Consumidor alerta que não pagamento no Estado do Rio pode resultar em execução fiscal e inscrição em dívida ativa

Apesar de ser obrigação prevista no Código Tributário do Estado do Rio, STF já se manifestou contra cobrança

Advogada explica que serviço público oferecido pelo Corpo de Bombeiros é essencial, geral e indivisível, não podendo ser cobrado como taxa

Publicidade
TAGS: imposto