Servidores da educação municipal fazem paralisação nesta sexta

Categoria tenta negociar reajuste salarial e outras reivindicações com o prefeito Renato Bravo
quarta-feira, 20 de setembro de 2017
por Alerrandre Barros
Foto de capa
O protesto de servidores no início do mês em frente à prefeitura (Arquivo AVS)

Em estado de greve desde o início deste mês, professores e profissionais de apoio da rede municipal de ensino de Nova Friburgo decidiram realizar um ato nesta sexta-feira, 22, para cobrar do governo solução para demandas antigas da categoria. A manifestação está marcada para as 10h, em frente à prefeitura.

Os professores querem aumento de salário, que não é reajustado há três anos, segundo o Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe). A categoria pleiteia ainda que o plano de carreira seja cumprido e a regularização da reserva de ⅓ da carga horária para o planejamento das aulas, além da migração para o regime estatutário, porque alguns trabalham sob a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Merendeiras, serventes, inspetores, auxiliares de creche também pedem reajuste salarial, mas, principalmente, cobram a regularização do piso, que assim como outros servidores municipais é pago abaixo do salário mínimo nacional. Cobram ainda a criação de um plano de cargos e salários e a regulamentação da jornada de trabalho de 30 horas semanais.

Segundo o assessor do Sepe, Rodrigo Inácio, o governo enviou para a Câmara Municipal uma lei para regulamentar a jornada de trabalho dos profissionais de apoio, mas o texto teve que voltar para o Executivo porque continha algumas falhas. “O prefeito Renato Bravo tem nos recebido para discutir a pauta. Mas, até esta quarta-feira (ontem, 20), nada de concreto foi definido”, disse.  

A VOZ DA SERRA procurou o secretário de Educação, Renato Satyro, que, por meio de nota, informou que “está em conversa com o sindicato para alinhar as próximas ações”.

Servidores insatisfeitos

O funcionalismo municipal anda pressionando o governo. Na último dia 5, cruzaram os braços por 24 horas em protesto por equiparação salarial, melhores condições de trabalho e plano de cargos e salários. Não foi estimado quantos profissionais de fato interromperam as atividades, mas cerca de 20 participaram de um ato em frente à prefeitura naquele dia.  

O governo recebeu os representantes e afirmou, segundo a coluna Massimo, que realiza um estudo de impacto orçamentário para avaliar a concessão dos reajustes, já que o salário mínimo deve chegar a R$ 985 a partir do próximo ano. A oposição afirma que a prefeitura teria todas as condições de regularizar a situação dos servidores que recebem abaixo do mínimo se cortasse as nomeações e gratificações.

A Federação dos Servidores Públicos Municipais no Estado do Rio (Fesep) vem mobilizando os servidores desde que o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Nova Friburgo (Sinsenf) sofreu intervenção judicial depois de uma irregularidade no processo eleitoral para a nova diretoria, no fim do ano passado.

 

LEIA MAIS

Evento reuniu estudantes graduados à distância, professores e suas famílias no Ciep da Via Expressa

Polo integrado por universidades públicas tem hoje em Friburgo cerca de 1.800 alunos matriculados em seis cursos de graduação

Prova será aplicada em 16 de setembro e incluirá questões baseadas no livro “O Alienista”, de Machado de Assis

Publicidade
TAGS: Educação