Série B: Goyta vence jogo recheado de emoções, tensão e clima quente

Mais de 1.300 torcedores testemunharam o maior clássico do interior do Rio
segunda-feira, 18 de setembro de 2017
por Vinicius Gastin
Foto de capa
Torcida do Americano veio em bom número: muitos se exaltaram após o apito final, e tiveram que ser contidos por policiais

A tarde de sábado foi bem diferente daquelas vividas pelo Friburguense no Estadual da Série B. A competição era a mesma, os dois times de nível muito semelhante, mas o abraço das torcidas envolvidas foi completamente diferente. E o clima de rivalidade também. Ao contrário da torcida do Frizão, que pouco compareceu para incentivar o Tricolor na competição, os fãs de Americano e Goytacaz encararam quatro horas de viagem até Nova Friburgo e vieram em bom número ao Eduardo Guinle. Os mais de 1.300 presentes testemunharam o maior clássico do interior do Rio e o fim de um incômodo jejum pelo lado azul.

O gol de Luquinhas, aos 44 minutos do segundo tempo, colocou fim à agonia de 25 anos do Goyta sem disputar a primeira divisão do Rio de Janeiro. Ou pelo menos a seletiva, se nada mudar até o próximo ano. Ao final do jogo, a emoção tomou conta da torcida, que exagerou na dose, danificou algumas partes do alambrado da parte descoberta e conseguiu invadir o campo. O Eduardo Guinle, de fato, viveu uma tarde diferente daquelas rotineiras no último sábado, 16.

Não foi só futebol...

A invasão da torcida do Goytacaz ao gramado não foi o acontecimento mais grave. Nos arredores do estádio, antes de a bola rolar, um torcedor do Americano foi agredido por membros de uma organizada do alvianil em um bar. Ele sofreu ferimentos na perna e no cotovelo até conseguir fugir. Já na estrada problemas foram registrados: alguns ônibus da torcida do Goyta foram impedidos de seguir viagem na altura de Macuco, pois durante a revista foram encontrados materiais como morteiros, mastros, garrafas de vidro, dentre outros objetos proibidos. A torcida organizada do Cano, que ocupou as sociais, também chegou atrasada e só conseguiu entrar no estádio com 30 minutos de bola rolando. Curiosamente, neste momento, o alvinegro viveu o melhor momento na partida, colocando uma bola no travessão.

No mais, o Goyta teve mais volume de jogo, apesar de criar poucas chances de gol. Prevaleceram a persistência e a estrela de Luquinhas, já no final de partida. Pelo menos nas arquibancadas, enquanto a bola rolou, o duelo foi bonito: cantos dos dois lados, com uma boa dose de provocação, obviamente. Torcedores do Cano relembravam os 25 anos longe da série A e a queda para a série C, enquanto os do Goyta provocavam ao recordar Eduardo Viana, o famoso Caixa D’água, torcedor assumido do Americano que durante anos comandou a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro.

“Esse clássico, para nós de Campos, vale muito. Durante anos o nosso time foi prejudicado. A rivalidade é grande, e tivemos que aguentar provocações durante todos esses anos. Não foi fácil. Mas agora chegou a nossa vez de comemorar, e eles vão ter que aturar a nossa torcida”, descreveu um torcedor do Goytacaz (trajando uma camisa retrô, relembrando a última vez em que o time jogou a primeira divisão), que preferiu não se identificar.

Tensão após apito final

Enquanto o lado azul comemorava – e provocava -, o lado alvinegro do Eduardo Guinle protestava. O choro de dirigentes, jogadores e membros da comissão técnica, em campo, não foi o suficiente para comover os torcedores, que cobraram de maneira firme. Alguns jogadores do Americano chegaram a discutir com torcedores alvinegros, e por muito pouco a situação não fugiu ao controle. Graças à ação da PM, que impediu que alguns mais exaltados invadissem o campo.

Outro grupo da torcida do Cano, que se concentrava próximo ao banco de reservas do Goytacaz, arremessou alguns objetos em direção a jogadores e membros da comissão técnica do alvianil. O técnico Paulo Henrique, por exemplo, afirma que foi atingido por garrafas. Policiais militares que faziam a segurança da partida também foram atingidos por latas de cerveja e garrafas de água. Algumas pedras também foram lançadas em direção ao local onde torcedores e jogadores festejavam, no campo de jogo. No momento de maior tensão, a torcida do Goyta se aproximou das sociais e começou a provocar os rivais. Sorte que boa parte dos alvinegros já havia deixado as dependências do Eduardo Guinle.

Como ficou?

Goytacaz e Americano estão entre os times que mais investiram na tentativa de voltar à primeira divisão do futebol carioca. Há 25 anos sem jogar a elite estadual, o Goyta está de volta, colocando fim à agonia de gerações. Campeão da Taça Santos Dumont, o time da Rua do Gás ainda pode levar o título da Série B. O adversário na decisão – e o outro classificado para a primeira divisão – sai do confronto entre Audax e América, nesta terça-feira,19, às 15h, em Moça Bonita. O time laranja joga pelo empate.

Já o Americano deixou escapar, pelo terceiro ano consecutivo, a possibilidade do acesso na reta final da segundona. Em 2015, acabou eliminado no triangular final. Já no ano passado, acabou punido por conta de manipulação de resultados e teve o sonho adiado.

 

LEIA MAIS

Chances de brigar pelo acesso, que já eram remotas antes da partida, ficaram ainda menores

Jogo de volta, dia 22, definirá quem avança às quartas de final da Copa Rio

Tricolor da Serra encara o Bangu, e o primeiro jogo acontece nesta quarta no Eduardo Guinle

Publicidade
TAGS: futebol