Roubos ao comércio em Friburgo dobram de janeiro a abril

Demais indicadores de violência, porém, caíram na cidade nos últimos quatro meses, segundo o ISP
quarta-feira, 22 de maio de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Roubos ao comércio em Friburgo dobram de janeiro a abril

Nova Friburgo registrou aumento no número de roubos a estabelecimentos comerciais e lesões corporais dolosas (quando há intenção de ferir) nos quatro primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período de 2018. A informação consta no relatório divulgado pelo Instituto de Segurança Pública do estado (ISP), na última segunda-feira, 20.

Os casos de roubo a estabelecimentos comerciais dobraram. Foram registradas oito ocorrências, de janeiro a abril deste ano, pela 151ª DP. Já lesões corporais dolosas aumentaram 7,2%. No ano passado, foram 348 casos. Neste ano, até abril, foram computadas 373 ocorrências, segundo o órgão.

Esses foram os dois indicadores que apresentaram maior crescimento entre os principais delitos no município. Os demais se mantiveram estáveis ou caíram. Por exemplo, o total de roubos, que inclui roubos a residência, transeuntes, aparelhos de celular, entre outros, caiu 17,9% este ano. Até abril, foram registrados 69 casos. No mesmo período do ano anterior, foram 84 roubos.

Queda de homicídios dolosos

Nos quatro primeiros meses deste ano, o índice de letalidade violenta — que inclui homicídios dolosos (quando há intenção de matar), latrocínios (roubo seguido de morte), lesões corporais seguidas de morte e autos de resistência (morte em confronto com a PM) — também caiu 22%. Foram registrados nove casos no ano passado, contra sete este ano.

Os furtos, em geral, caíram 30,7% em Friburgo. De acordo com o ISP, 323 casos foram registrados até abril deste ano. Nos quatro primeiros meses do ano passado o número foi maior: 466 ocorrências. Caíram os furtos a transeuntes, bicicletas e veículos. No entanto, subiram os furtos de celular e a ônibus, ambos seis casos a mais que o mesmo período de 2018.

Já os casos de estupro registrados na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), em Nova Friburgo, se mantiveram, praticamente, estáveis no período. Os números, contudo, são expressivos: a Deam recebeu 25 denúncias de janeiro a abril do ano passado. Neste ano, até abril, foram 26 ocorrências de estupro.

Mais apreensões de armas

Ainda segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), dobrou o número de armas apreendidas pela Polícia Militar no município nos últimos quatro meses. Este ano, foram 47 no total, sendo 23 revólveres, nove pistolas e nove espingardas. No ano passado, de janeiro a abril, a polícia apreendeu 24 armas, a metade pistolas. Não houve apreensões de fuzis, por exemplo.

A tendência é que os índices de criminalidade na cidade continuem em queda, já que o governo do estado retomou o pagamento da hora extra remunerada, conhecida como Regime Adicional de Serviço (RAS), que amplia o número de policiais militares nas ruas. O benefício também é pago aos policiais civis.

Atualmente, o valor mínimo pago pelo RAS é R$ 112,50. Com o reajuste, para os policiais que atuam com a carga horária de seis horas de trabalho, o aumento será nos seguintes valores: nível A, de R$ 187,50 para R$ 277,58; nível B; de R$ 150 para R$ 222,06 e nível C, de R$ 112,50 para R$ 166,55.

Já para os policiais que fazem turnos de oito horas os novos valores do RAS serão: nível A, de R$ 250 para R$ 370,10; nível B, de R$ 200 para R$ 296,08 e nível C, de R$ 150 para R$ 222. Os profissionais que trabalham na escala de 12 horas terão o seguinte aumento: nível A, de R$ 375 para R$ 555,16; nível B, de R$ 300 para R$ 444,12 e nível C, de R$ 225 para R$ 333,09.

Segundo o governador Wilson Witzel, a medida não causará impacto aos cofres públicos, nem mesmo aumento dos gastos, mantendo inalterado o valor total permitido pelo orçamento estadual. O governador justificou que o reajuste do benefício será possível devido a otimização de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e da reorganização da estrutura do RAS na Polícia Civil.

 

LEIA MAIS

Crime teria ocorrido em janeiro deste ano. Suspeito já tinha mandado de prisão preventiva

Homem preso durante ação da P2 já havia sido detido pelo mesmo crime em abril

Filha do casal, de 16 anos, presenciou a agressão. Acusado se entregou à polícia logo após o crime

Publicidade
TAGS: crime