Retomada das obras do Hospital do Câncer é definida na Alerj

Representantes de governo do Estado, construtora FW Empreendimentos, Caixa e Ministério da Saúde participam de audiência pública
quinta-feira, 10 de agosto de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
A audiência promovida ontem pela Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Câncer na Alerj (Foto: Octacílio Barbosa / Alerj)

A expectativa é grande para a tão esperada inauguração e o funcionamento definitivo do Hospital do Câncer Francisco Faria. Depois de a obra de adaptação das instalações do antigo Centro Adventista de Vida Saudável (Cavs), no biarro Ponte da Saudade, ter sido paralisada devido a crise financeira do Estado do Rio de Janeiro, surgiu ontem, 9, uma esperança para a retomada do empreendimento que poderá salvar inúmeras vidas. Em uma audiência pública realizada pela manhã na Assembleia Legislativa reuniu representantes de diversos envolvidos. A audiência foi proposta pelo deputado estadual Wanderson Nogueira (Psol-RJ) com a participação da Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Câncer e, na ocasião, ficou clara a necessidade de retomada do diálogo.

Membros do governo do Estado, da construtora FW Empreendimentos, da Caixa Econômica Federal, do Ministério da Saúde, Instituto Nacional do Câncer (Inca), Fundação do Câncer e diversos especialistas no assunto se sentaram à mesma mesa, convocados pela Alerj. Equívocos, cobrança de prazos e expectativas foramalguns dos temas discutidos durante a audiência. A Caixa informou que existem três pendências principais para que haja avanço: a retificação de orçamento, a declaração da licitação, informando que foi feita de forma correta e por fim, a assinatura do termo com a empresa que está construindo a unidade (a construtora FW Empreendimentos). Esta última dependia de uma publicação no Diário Oficial do governo do estado.

Curiosamente, ontem, dia da audiência pública, foi publicado no D.O. a descentralização orçamentária para a realização da obra do Hospital do Câncer orçada em R$ 2, 95 milhões. Com essa ação, o governo do estado tem a possibilidade de solucionar as pendências com a Caixa e se comprometeu a enviar num prazo de uma semana toda documentação para que o banco dê andamento ao processo. Já a Caixa, informou que assim que for recebida a documentação terá um prazo de até 30 dias para autorizar as obras e fazer o repasse financeiro. A representação do banco garantiu que ao receber a documentação do estado tentará fazê-la em prazo mais curto de 15 a 20 dias. Posteriormente, terá que enviar uma equipe de engenharia para vistoriar a construção.

A construtora FW Empreendimentos, executora das obras até o momento, informou que há um passivo de R$ 4 milhões a ser recebido. Do estado, ela já recebeu R$ 1,560 milhão. O representante da empresa disse também que a FW está apta a retomar as obras assim que houver programação de recebimento dos valores. A construtora minimizou o incidente dos furtos no canteiro de obras na Ponte da Saudade e informou que já há segurança no local e que não foram levados materiais caros, além disso, reforçou que o prejuízo é da própria empresa, já que ela recebe apenas pelo material aplicado na obra. Questionada sobre a possibilidade de retomada das obras, a construtora disse que se os prazos estabelecidos forem cumpridos consegue reativar o canteiro de obras ainda em outubro.

Acompanhando as obras desde o início, o deputado estadual Wanderson Nogueira propôs esse encontro para reconciliar e principalmente solucionar as questões sem apontar culpados. “A audiência cumpriu com seu objetivo de estabelecer prazos e metas para retomada das obras. Colocamos na mesma mesa todos os envolvidos, que se comprometeram com o retorno das obras do hospital que servirá a região e a todo estado. Já estamos tratando também sobre a gestão do Hospital do Câncer para que quando estiver pronto tenhamos o funcionamento pleno da unidade”, destacou Wanderson que presidiu a sessão. O parlamentar friburguense alertou ainda que o contrato entre Estado e União vence no próximo dia 14 de dezembro e se até lá as obras não estiverem retomadas os recursos federais não estarão mais garantidos.

No encontro também ficou definido que será necessária uma audiência com o governador Luiz Fernando Pezão, unindo a Caixa e outros responsáveis pelas obras para que haja um pacto de retomada da construção. Essa agenda deve ocorrer assim que forem resolvidas as pendências entre o estado e a Caixa. Ainda durante a audiência a Caixa informou que o estado iniciou as obras sem a anuência do banco. Dessa forma, para o governo federal a obra sequer foi iniciada. O estado admitiu o problema e assumiu o compromisso de corrigi-lo. Também foi alertado um cenário pessimista que seria a necessidade de uma nova licitação.

O deputado Wanderson Nogueira apelou para que não se opte por esse caminho que pode não só adiar o início das obras por no mínimo seis meses, como a perda do recurso federal. A Frente de Enfrentamento ao Câncer acompanhará diariamente o cumprimento do que foi assumido no encontro.

 

LEIA MAIS

Além do diagnóstico preciso, equipamento oferece rapidez, conforto e mais segurança aos pacientes

Foram realizadas gratuitamente 231 consultas, com 36 procedimentos cirúrgicos, sábado no posto do Suspiro

Mutirão de dermatologistas do movimento Dezembro Laranja dará consultas gratuitas no posto do Suspiro

Publicidade
Agora Faz
TAGS: hospital | saúde