Renato Bravo é multado pelo TCE por irregularidades em edital

Prefeito deveria ter feito correções em edital de licitação na iluminação pública desde 2016
sexta-feira, 14 de setembro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Renato Bravo é multado pelo TCE por irregularidades em edital

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) multou nesta terça-feira, 11, o prefeito de Nova Friburgo, Renato Bravo, em R$ 6.587,80 pela demora na correção de itens de um edital para contratação de empresa para manutenção da iluminação pública na cidade. O documento já passou por análise da Corte de Contas nove vezes e ainda não recebeu as correções devidas por parte do governo municipal.

A aplicação da multa aconteceu, segundo o conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia, pela persistência de irregularidades no edital, que tramita no TCE desde 2016, ou seja, ainda na gestão Rogério Cabral. Relator do processo, Maia constatou a pertinência das determinações anteriores após verificar que o valor estimado, inicialmente orçado em R$ 9.261.292,54, foi reduzido para R$ 2.732.480,64.

O relator citou em seu voto "o período de tempo envolvido no trâmite de quase dois anos e as inúmeras oportunidades concedidas para que o gestor se manifestasse, inclusive com alerta específico para se posicionar quanto a eventual configuração de emergência fabricada (contratação emergencial sem licitação)", para justificar a rejeição da defesa do prefeito.

Maia se refere à contratação, pela prefeitura, de uma empresa com dispensa de licitação para a troca das lâmpadas nos postes de Friburgo. Em vez de corrigir o edital que tramita no TCE, o governo firmou, em abril deste ano, um contrato emergencial com a Fulltec Engenharia, por R$ 1,97 milhão e pelo prazo de seis meses, para manutenção das luminárias. Antes disso, a cidade ficou oito meses sem o serviço. Ruas ficaram às escuras. O contrato com a Fulltec termina no próximo mês, mas a prefeitura ainda não lançou edital de licitação para prestação serviço, o que indica que nova contratação emergencial deve ser realizada pelo município.  

Entre os seis aspectos a serem corrigidos no edital que tramita do TCE, desta vez se destacam a necessidade de retificações na composição de custos unitários e no quantitativo de lâmpadas instaladas nos postes, além de ter que justificar a quantidade de intervenções diárias estabelecida para os cálculos do custo das equipes de manutenção e a determinação de cinco equipes de manutenção disponíveis diariamente.

O que diz a prefeitura

Em nota, o prefeito Renato Bravo disse que respeita a posição do TCE e, quando for notificado, irá preparar uma defesa. “O município vem, desde o início do processo, realizando todos os esforços no sentido de cumprir todas as recomendações. Nossas equipes já visitaram o Tribunal de Contas algumas vezes para buscar o melhor entendimento e resolução das solicitações. A redução nos valores acontece justamente em adequação às orientações do tribunal. Na medida em que alguns ajustes de cunho técnico são feitos no projeto, consequentemente, há à redução do escopo do objeto”, disse Bravo. A prefeitura não comentou o fim do contrato com a Fulltec.

MPs de olho nos contratos

Em paralelo à decisão da Corte de Contas, o Ministério Público estadual está investigando, desde fevereiro deste ano, a contratação emergencial da empresa para realizar o serviço de iluminação pública na cidade.
O MP informou que o inquérito civil é sigiloso para viabilizar a coleta dos dados e apurar a regularidade e o custo benefício da contratação na cidade.

Somente este ano, a Prefeitura de Nova Friburgo firmou 22 contratos com dispensa de licitação, segundo o Portal da Transparência do município. As contratações já somam R$13.659.238,24. A maioria, e os mais caros, foram feitos pela Secretaria Municipal de Saúde para transporte de pacientes, prestação de serviços e fornecimento de alimentos às unidades de saúde da cidade.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) determinou que a Polícia Federal investigue contratos emergenciais de R$ 9 milhões firmados pela prefeitura com a Global Alimentação para o fornecimento de alimentos ao Hospital Municipal Raul Sertã. O órgão identificou indícios irregularidades nas contratações. A prefeitura e a Global negam qualquer irregularidade e já afirmaram que vão colaborar com as investigações.

 

LEIA MAIS

Prefeitura: construção das casas destinadas aos desalojados pelos deslizamentos de 2007 estaria parada por uma pendência de rescisão contratual com a empresa contratada

Estátuas ainda não foram recolocadas no espaço. Licitação para escolha da empresa que fará restauração ocorreu na Prefeitura nesta quarta

Após autorização do TCE, comissão de licitação definirá data para realização de pregão presencial que deve escolher empresa organizadora

Publicidade