Recolhimento de cavalos: audiência pública define responsáveis por fiscalização

Protetores de animais reclamaram da ineficiência do poder público na questão envolvendo equinos abandonados
quinta-feira, 05 de dezembro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Cavalos pastam num canteiro no Cônego: perigo (Fotos: Henrique Pinheiro)
Cavalos pastam num canteiro no Cônego: perigo (Fotos: Henrique Pinheiro)

 

Na noite da última quarta-feira, 4, foi realizada na Câmara de Vereadores de Nova Friburgo uma audiência pública para discutir a situação dos cavalos e outros animais de grande porte abandonados  no município. Presidido pelo vereador Wellington Moreira (propositor), o encontro contou com a participação da subsecretária do Bem Estar Animal (Ssubea), Monique Malhard; o proprietário da empresa responsável por recolher os animais, Rodrigo Furlanetto; o delegado da 151ª DP, Henrique Pessoa, além dos vereadores Zezinho do Caminhão, Luiz Carlos Neves, Johnny Maycon, Professor Pierre e defensores independentes dos animais.

A reunião foi considerada positiva e algumas ações foram definidas. Desde o último dia 3, ficou decidido que a subsecretária da Ssubea, o subsecretário de Meio Ambiente, Alexandre Sanglard e os servidores municipais Janaína Alves e José Eduardo Bittencourt serão responsáveis por acompanhar e fiscalizar a execução do contrato firmado entre o município e a empresa Rodrigo Furlanetto Rossi. “Os gestores deverão acompanhar toda a etapa documental para execução do contrato, e os fiscais, como agente de campo, deverão fazer o acompanhamento de sua execução física, emitindo pareceres quanto à regularidade do contrato”, determinou o ato.

Durante a audiência, a prefeitura afirmou fazer o atendimento da maior parte dos chamados, mas os defensores dos animais relataram a ineficiência da comunicação. Em entrevista para A VOZ DA SERRA, eles afirmaram que os telefones indicados no site da prefeitura estão desatualizados e que os funcionários da subsecretaria dificilmente são encontrados no local. “O ramal da Ssubea é inexistente e o número informado pertence à Secretaria do Meio Ambiente. Nem os próprios funcionários da prefeitura sabem disso. Quando ligam para o telefone do Meio Ambiente, a informação é a de que a pasta não recebe denúncia por telefone, só pessoalmente e protocolada na prefeitura. Muitas denúncias precisam ser vistas na hora devido à gravidade da situação. São vidas em jogo”, relatam os protetores dos animais.  

Nova empresa

“A cidade ficou por meses sem o serviço de resgate de animais de grande porte, o que é um descaso e ilegal. A situação foi resolvida na semana passada mais uma vez graças ao movimento em redes sociais feitos por vários grupos de protetores dos animais. A Ssubbea não tem culpa, porque ela não tem atendimento ao público. Esperamos que de fato a situação mude em relação aos animais, antes que os infratores se sintam os homens da lei e continuem fazendo o que bem entendem”, desejam os protetores.

De acordo com o vereador Welington Moreira, a justificativa mais usada pela prefeitura para o abandono de animais nas ruas foi o período que o município ficou sem contrato com uma empresa especializada na captura e também os péssimos hábitos dos tutores desses animais, além das ameaças sofridas pelas equipes em áreas tidas como de alta criminalidade. A Polícia Civil ressaltou a necessidade do registro de ocorrência com materialidade, para que possam ser feitas investigações, porém observou que a punição para o crime é branda.

O vereador Wellington Moreira apresentou o projeto de lei de sua autoria que obriga os veículos de recolhimento desses animais a ter identificação com a logomarca da empresa, além de tarja com a inscrição “Veículo de Recolhimento de Animais”, com o contato para acionar o serviço. Outro item discutido foi a necessidade de castração e das campanhas preventivas de vacinação e orientação dos tutores e adotantes dos animais. Ao final da audiência, o vereador assumiu o papel de agente fiscalizador e marcou para o próximo dia 13, às 14h, uma visita junto com os defensores de animais ao local de acolhimento da empresa responsável.

O que diz a prefeitura  

Em nota, a Prefeitura de Nova Friburgo ressaltou que a audiência “mostrou a preocupação do poder público com relação a causa animal. Foi uma boa oportunidade para a Subsecretaria de Bem-Estar Animal divulgar o trabalho que vem sendo realizado e foi um momento para esclarecer as dúvidas e explicar as realizações da pasta”. 

 

LEIA MAIS

Intenção da prefeitura é usar veículo de R$ 120 mil para esterilizar entre 80 e 100 animais por mês, entre domésticos e de rua

Nilcea Silva tem dedicado os últimos 20 anos a cuidar de cães e gatos abandonados

Clínicas e petshops estão entre os estabelecimentos considerados essenciais em tempos de quarentena

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: pets