Qualquer que seja o resultado, será que realmente reagimos ao 7x1?

Colunista esportivo analisa o futebol brasileiro e friburguense a partir da derrota para a Alemanha
sábado, 16 de junho de 2018
por Vinicius Gastin*

Para os amantes do esporte mais popular do planeta, 2018 é mais um ano de clímax. Afinal de contas, as maiores seleções e craques do futebol mundial estão reunidos na Rússia, para mais uma edição da Copa do Mundo. Entretanto, a competição deveria ser uma oportunidade para enxergamos além do que será proposto taticamente e tecnicamente dentro das quatro linhas. Ao invés de apenas vibrarmos com os gols ou lamentarmos uma derrota, poderíamos refletir de maneira mais profunda sobre todos os fatos que envolvem os quatro anos anteriores à Copa. E talvez os 30 que antecederam o fatídico 7x1.

Neste domingo, 17, o Brasil faz a sua estreia diante da Suíça. Um dos principais povos colonizadores de Nova Friburgo, em ano de bicentenário. A sorte sorriu para o município, que não conseguiu ser proporcionalmente competente para aproveitar, por exemplo, o período – curto, é verdade – de preparação da Seleção Brasileira no município vizinho de Teresópolis. Não é novidade, uma vez que não houve ganho algum nem mesmo quando o Mundial foi todo realizado em solo brasileiro. Há quatro anos, Nova Friburgo não apresentou a estrutura necessária para receber uma equipe, missão para qual havia se candidatado.

A análise sobre o nosso município serve para avaliarmos o futebol brasileiro como um todo. A tal da reflexão mais profunda proposta por esse texto. De lá pra cá, o esporte de Nova Friburgo pouco avançou. Mas, e em nível nacional? Reagimos àquela derrota histórica para a Alemanha, pelo placar de 7x1? Dentro de campo sim. É inegável que o trabalho feito por Tite e sua equipe, a partir de uma Seleção desmoralizada e em risco de não estar na Rússia, é bastante competente. Há filosofia, identidade e coerência nas convocações. Algumas questionáveis, mas coerentes. O melhor treinador do futebol brasileiro nos últimos dez anos está no lugar certo, merecido, mesmo sem ter sido a primeira opção após os 7x1.

A organização do time de Tite, somada aos talentos de Neymar, Coutinho, Gabriel Jesus e companhia, além da falta de outra Seleção que tenha sobressaído no pré-Copa, tornam o Brasil um dos principais favoritos ao título. Vestindo a amarelinha estão jogadores de renome, acostumados à uma estrutura de primeiro mundo, donos de talento único e contas bancárias exorbitantes. Bem diferente da grande maioria da população brasileira. E tão diferente quanto à realidade de 90% do futebol nacional.   

A derrota para a Alemanha escancarou uma série de problemas enfrentados pelo futebol nacional. Se na Europa os craques têm à disposição o que há de melhor, no Brasil, onde a maioria dos convocados vêm apenas passar férias e visitar familiares, apenas 100 dos mais 600 clubes filiados à CBF possuem um completo calendário de competições. Ou seja: a maioria disputa o seu respectivo estadual, trabalha por quatro ou cinco meses e, se não conseguir a classificação para um campeonato nacional, paralisa as atividades. Milhares ficam desempregados, e milhões privados de viverem o futebol nas suas cidades. O Friburguense, com todas as suas dificuldades, é exemplo. Uma gota em meio a um oceano de águas mais poluídas do que se possa imaginar.

O cenário descrito é consequência do descaso, da elitização e da corrupção. Os nomes mudaram, mas a Confederação Brasileira Futebol segue administrada pelo mesmo grupo. Com filosofia, objetivos e linha de pensamento idênticos. A culpa não é dos convocados por Tite, obviamente, mas o hipotético hexacampeonato ou um novo fracasso não podem esconder as feridas cada vez mais abertas.

Em meio a tudo isso, o brasileiro, apaixonado, batalhador e sempre esperançoso com o seu país, é o termômetro de uma cortina que abre e fecha, iluminando o que é obscuro e escurecendo o que deveria ser clareado. Vide os protestos pelas ruas, com milhares de camisas da Seleção da CBF. Com a intenção, obviamente, de exaltar o Brasil e não a entidade, mas numa clara demonstração do quanto estamos confusos. Talvez não por culpa nossa. Então, a partir deste dia 17, torceremos pelo sucesso da nossa Seleção. As possibilidades são boas. Mas, qualquer que seja o resultado: será que realmente reagimos?

Jornalista e colunista esportivo de A VOZ DA SERRA

LEIA MAIS

Ele acertou campeão, vice, placar, azarão e o destino da Alemanha. Tudo registrado em cartório

Torcedores foram preparados para fazer a festa diante do telão na praça, mas voltaram desanimados com derrota para Bélgica

Órgãos públicos funcionam até 13h nesta sexta; ônibus vão circular com frota reduzida durante a partida contra a Bélgica

Publicidade
TAGS: Copa