Professores: prefeito promete piso em duas etapas, até 2019

Greve atinge no mínimo 43% das escolas. Governo municipal dará reajuste de 5% a todos os servidores em junho
terça-feira, 15 de maio de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Foto de capa
O Sepe distribuiu ontem uma carta à população com explicações sobre os motivos que levaram à greve (Foto: Alerrandre Barros)

O prefeito Renato Bravo informou na noite desta segunda-feira, 14, que todos os servidores - com exceção dos nomeados - receberão, em junho, 5% de reajuste. Segundo o governo municipal, nenhum servidor municipal vai receber menos de R$ 960, além da manutenção de abono, insalubridade e hora extra. 

O reajuste dos professores, que entraram em greve nesta segunda, será realizado em duas etapas: em junho de 2018 e junho de 2019, quando finalmente será alcançando o tão esperado piso nacional de R$ 2.455,35 para jornada de 40h semanais, que nunca foi pago em Nova Friburgo.

Outra reivindicação da categoria, a redução da carga horária de oito para seis horas já foi atendida. Também será atendida a equiparação dos funcionários de 30 horas aos professores de sexto ao nono ano, com redução de carga horária. O pagamento do adicional de qualificação, que em muitos casos, estavam parados desde 2010, começou a ser pago em dezembro de 2017.

O prefeito convocará sindicatos e conselhos de classe para, juntamente com a Câmara  Municipal, retomar o diálogo sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários para todos os servidores, algo inédito no município.

Mais detalhes serão dados em entrevista coletiva convocada para as 14h desta terça-feira, 15.

Greve começa com 43% de adesão

A greve de professores e profissionais de apoio da rede municipal de educação de Nova Friburgo começou nesta segunda-feira, 14. Cerca de 43% das 124 creches e escolas da cidade tiveram as atividades interrompidas parcial ou totalmente por conta da paralisação, estimou a Secretaria Municipal de Educação. A greve deve durar toda a semana.

Já o Sepe, sindicato que representa a categoria, informou que houve adesões à greve em 80% das unidades. Durante o dia, sindicalistas distribuíram, no Centro, uma carta aberta à população com os motivos da greve. “Precisamos do apoio da população nesta luta em defesa da educação pública. Jamais existirá educação de qualidade com profissionais desvalorizados”, diz parte do texto.

Os profissionais querem reajuste salarial (os professores não recebem o piso nacional e a equipe de apoio tem salário-base de R$ 807), cobram isonomia salarial (há profissionais que trabalham 30 horas semanais e recebem o mesmo que quem trabalha 17 horas), cumprimento de um terço da carga horária para preparação das aulas e regularização do plano de carreira.

Em nota, o prefeito Renato Bravo disse nesta segunda que vai apresentar uma proposta à categoria, em reunião com o sindicato, na quinta-feira, 17. “Estamos mantendo o diálogo com a classe e se esforçando para atender as reivindicações apresentadas. Na quinta-feira, em horário ainda a ser definido, será apresentada uma proposta de reajuste salarial ao Sepe”, informou a prefeitura.

Já o sindicato informou que a greve está mantida, pelo menos, até a sexta-feira, 18, quando os profissionais voltarão a se reunir em assembleia para votar a continuidade ou não da paralisação. “A categoria espera deliberar sobre algo concreto. Esperamos que o governo apresente uma boa proposta. Estamos em negociação desde o ano passado”, afirmou o diretor do Sepe, Ângelo Jachelli.

 A greve foi deflagrada na tarde da última terça-feira, 8, mesmo dia em que os profissionais realizaram uma paralisação de 24 horas. Logo após a assembleia da categoria no Colégio Estadual Jamil El-Jaick, o grupo seguiu em passeata até a prefeitura, onde realizou uma manifestação. O Sepe, que tinha um encontro marcado com o prefeito pela manhã só foi recebido por ele à tarde, durante o protesto, quando ficou acordado nova reunião para esta semana.

 

LEIA MAIS

Categoria rejeita parte da proposta feita pelo prefeito Renato Bravo. Nova assembleia está marcada para terça

Categoria avalia nesta sexta-feira proposta de reajuste salarial apresentada pelo prefeito para todo o funcionalismo

Delivery nesta sexta tentará arrecadar R$ 12 mil que faltam para bancar viagem de estudo à Suécia

Publicidade
Agora Faz