Professora de Bom Jardim traz a público sua experiência de quase morte

Ana Paula Huback conta em livro como contraiu e superou uma dengue que a deixou paraplégica durante viagem à Tailândia
sexta-feira, 07 de junho de 2019
por Vitória Nogueira*, sob a supervisão de Henrique Amorim

Um momento marcante na vida que serviu como inspiração e conexão com a espiritualidade. É assim que a professora de Português Ana Paula Huback descreve a experiência desafidora que enfrentou com uma doença rara no livro “De Corpo Inteiro - Uma Viagem de Transformação”, com lançamento neste sábado, 8, na livraria Sabor de Leitura, na antiga Rua São João, no Centro.

Natural da vizinha Bom Jardim e após dar aulas pelo Brasil, a professora, formada pela antiga Faculdade Santa Dorotéia, quis alçar outros voos. Motivada pelos estudos, concluiu mestrado em Belo Horizonte (MG), se aperfeiçou por um ano nos Estados Unidos e concluiu o doutorado em 2007. Mas o que a motivou a escrever o livro que pode se tornar inspiração de muita gente foi atemorizante e transformador.

Ana viajou para a Tailândia em 2016 para participar de um retiro de yoga e meditação, mas durante o passeio ela contraiu um tipo de dengue que quase a tirou a vida. O vírus da doença atingiu sua medula e o cérebro. Segundo os médicos, Ana foi o oitavo caso desse acontecimento no mundo. Seus membros inferiores foram paralisados e ela não conseguia se movimentar da cintura até os pés e também não urinava.

O país não possuía recursos para o tratamento e a paralisia foi atingindo outros membros do seu corpo. Nervosa, a professora conseguiu contatar seu médico em Nova York, que assumiu o tratamento. Foram ao todo 33 dias de internação na Tailândia e nos EUA, mas a jornada transformadora não terminou quando Ana saiu do hospital. Um grande, longo e penoso processo de recuperação, como ela mesma descreveu, estava prestes a começar. Com muita fisioterapia, um mês após ter alta, Ana já conseguia andar, mesmo que às vezes ainda recorresse à bengala. Em 2017, seis meses depois de descobrir a dengue, ela voltou a andar.

Contrair este tipo grave de dengue e não ter sequelas é incomum. A falta de equilíbrio, mesmo que sútil, ainda é presente, mas a professora convive bem com essa questão. A necessidade de compartilhar sua história com outras pessoas apareceu como um sentimento, conta Ana Huback.

Despertar espiritual

Com sua fé em Deus, Ana define hoje tudo o que lhe aconteceu como um despertar espiritual. O momento de quase morte, estando ela do outro lado do mundo e sozinha, a fez renovar suas crenças e enxergar a vida com outra perspectiva. Apesar de sempre ter gostado de escrever, se tornar escritora e publicar livros nunca passou pelos pensamentos da professora. Ela já havia escrito uma gramática portuguesa, mas as memórias de sua experiência são totalmente diferentes.

Ana teve o incentivo de pessoas que a visitaram nos hospitais e em casa para  compartilhar toda essa trajetória. Dois anos não contínuos foram necessários para que ela concluísse a obra “Uma Viagem de Transformação”.

De Friburgo para Nova York

Ana passou um ano nos Estados Unidos para fazer seu doutorado e criou uma rede de contatos por lá. Uma universidade americana se interessou por seu currículo e Ana trabalhou lá por três anos. Ela inscreveu-se na Universidade de Columbia, em Nova York, uma das maiores dos EUA e, em 2010, foi contratada para dar aulas de Português para estrangeiros. Em Columbia, além do português ser estudado como segunda língua da mesma maneira que o inglês é estudado aqui, o idioma é valorizado e os alunos têm grande interesse e fascínio pelo Brasil e sua cultura.

*Vitória Nogueira é estagiária 

 

LEIA MAIS

São três dias de atividades nas praças de Nova Friburgo, além da Oficina Escola de Artes, CDL e Câmara de Vereadores

Conhecida como “Cidade das Trovas”, Friburgo receberá poetas de várias regiões do país.

Gustavo Czekster e Carlos Fialho estarão na unidade para compartilhar suas experiências

Publicidade
TAGS: Literatura