Professor friburguense ganha Prêmio Shell de Educação Científica 2017

Projeto de identificação da fauna para alunos de uma escola pública de Bom Jardim garantiu equipamentos novos para a unidade
quinta-feira, 14 de dezembro de 2017
por Karine Knust
Foto de capa
Edevaldo entre o presidente da empresa e a diretora da escola

O projeto “Os da Silva e os da Selva: o ensino de Ecologia e a preservação da Mata Atlântica”, criado pelo professor friburguense Edevaldo da Silva Oliveira, de 35 anos, foi o grande ganhador da categoria ensino fundamental do Prêmio Shell de Educação Científica 2017. A premiação aconteceu na quarta-feira, 12, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

O trabalho que Edevaldo desenvolve com alunos de 11 a 12 anos, do ensino fundamental do Colégio Estadual Dr. Péricles Corrêa da Rocha, em Banquete - distrito de Bom Jardim, disputou com outros cinco finalistas do concurso e conquistou o primeiro lugar. Voltado a professores de matemática e ciências de escolas municipais e estaduais de todo o estado, o concurso recebeu 306 inscrições. Além do projeto de Edevaldo, da Região Serrana, outra iniciativa de Petrópolis também estava entre os finalistas.

Graças a excelente colocação, o professor friburguense embarca em breve para Londres, Inglaterra, em uma viagem educativa onde fará uma imersão ao mundo das ciências, com atividades, palestras e visitas a museus e diversas organizações educacionais. Edevaldo também ganhou uma premiação em dinheiro e a escola, que foi representada pela diretora Cristiane Hotz na cerimônia de premiação, recebeu um kit de robótica, um notebook e um projetor multimídia.

Muito emocionado, em seu discurso, Edevaldo agradeceu a família, aos alunos e relembrou os problemas que precisou enfrentar desde a infância para continuar os estudos e se tornar um bom professor. “Vim de uma família humilde e minha mãe sofria com problemas de saúde. Não era um aluno muito presente. Mas consegui passar por tudo isso e hoje faço o que amo”, disse o professor.  

O projeto

Apesar de ter pouco tempo na profissão, apenas cinco anos, a forma como Edevaldo estimula o aprendizado dos estudantes chama a atenção. É que desde o ano passado, o professor apresenta a natureza e a diversidade da fauna aos alunos da instituição de uma forma diferente, que conta com quatro etapas.

A primeira fase da iniciativa consiste na visitação a um fragmento de Mata Atlântica, localizado nas proximidades da escola, para observação da fauna. Após o passeio, os estudantes são estimulados a conversar com os moradores mais antigos da região para descobrir quais animais costumavam aparecer com frequência e desapareceram com o tempo e as possíveis lendas envolvendo a fauna. Na terceira fase, eles devem montar um jornal apresentando as entrevistas e tudo que aprenderam durante as duas primeiras partes da ação.

Já na última fase, os pré-adolescentes participam de um jogo em que eles são as peças (animais) a formar uma chamada “teia alimentar” personalizada com as espécies identificadas na região. A ideia é que, além de aprender sobre a disciplina, os estudantes conheçam e reconheçam os animais da região e se conscientizem sobre a importância desse ecossistema e da consequente necessidade de preservação.

 

LEIA MAIS

Evento reuniu estudantes graduados à distância, professores e suas famílias no Ciep da Via Expressa

Polo integrado por universidades públicas tem hoje em Friburgo cerca de 1.800 alunos matriculados em seis cursos de graduação

Prova será aplicada em 16 de setembro e incluirá questões baseadas no livro “O Alienista”, de Machado de Assis

Publicidade
TAGS: Educação