Presidente da Afape dá sua versão sobre polêmicas em eleição para a diretoria

“A instituição e os alunos estão acima de tudo. Não pretendo mais me candidatar para a presidência”, diz Jorge Wilson
quinta-feira, 20 de abril de 2017
por Dayane Emrich
Foto de capa

A Associação Friburguense de Amigos e Pais do Educando (Afape), que há anos luta com as dificuldades financeiras para continuar oferecendo atendimento à comunidade, vive uma das suas maiores crises administrativas. Após reportagem publicada na edição de A VOZ DA SERRA de ontem, 20, sobre a questão, o presidente da Afape, Jorge Wilson Soares Vieira — protagonista da polêmica sobre as eleições para a nova diretoria da instituição — procurou o jornal para dar a sua versão dos fatos.

Acompanhado do vice-presidente Lindemberg Soares de Melo, Jorge Wilson argumentou que, de acordo com o edital de convocação para o pleito 2017/2019, só podem ser candidatos ao conselho administrativo da Afape associados, beneméritos, benfeitores, honorários, contribuintes e ou correspondentes — isto é, aqueles que possuam algum envolvimento com a entidade. 

“No mesmo dia em que foi publicado o edital (17 de março), recebemos a lista com os componentes da chapa 2 [encabeçada por Iomar Pinheiro Penza Filho]. Três dias depois, em reunião entre os membros do atual conselho administrativo, decidimos impugnar a chapa 2, por não preencher os requisitos do artigo 3º, ou seja, os candidatos pretendentes à diretoria não atendiam ao quadro de associados”, disse Jorge, acrescentando que logo comunicou a questão ao presidente da chapa concorrente.    

Jorge afirma ainda que, “no dia 10 de abril, ele [Iomar] apresentou uma nova chapa, mas mudou apenas dois nomes, se mantendo como presidente. Novamente o alertei sobre o fato, mas ele se negou a acusar o recebimento do comunicado sobre as irregularidades da candidatura. Além disso, tenho provas de que Iomar declarou não conhecer e participar da Afape e afirmar que a mesma está descredibilizada”, relata. 

Segundo Jorge Wilson, na última quinta-feira, 13, dia da eleição, os representantes da chapa 2 teriam incitado a comunidade presente a se manifestar em desfavor à impugnação, causando o tumulto. “Consequentemente, tive que cancelar o pleito. Todos estavam com os ânimos alterados, não havia condições de continuar”, conta.  

Sobre a acusação de ter trocado as senhas dos computadores e fechaduras das portas da instituição, Jorge alegou que o perfil do Facebook da Afape fora invadido e desativado logo após o cancelamento do pleito e, por isso, como medida preventiva, fez a mudança de senhas das redes sociais e do acesso à sede da entidade na Via Expressa. “Pelo menos cinco funcionários têm chaves e acesso livre à instituição. Com tudo o que aconteceu, achei mais seguro realizar as mudanças. Depois de conseguir recuperar o perfil da rede social, pedi que fosse trocada a chave da porta principal para preservar o espaço físico e bens da instituição. Mas, deixo claro, que disponibilizei a chave para a diretora escolar Ivanilda, o que foi feito pelo funcionário Jorge Arcanjo, através de recibo. Em nenhum momento a Afape deixou de estar aberta em motivo da substituição das chaves”, exclama ele. 

Durante a entrevista, Jorge declarou ainda que está à frente da Afape há mais de dez anos e que nunca viu o candidato à presidência da chapa 2 [Iomar] na entidade. Ele contou ainda que, junto ao conselho administrativo, irá promover, no próximo dia 31 de maio, às 18h, uma nova eleição. “A instituição e os alunos estão acima de tudo. Não pretendo mais me candidatar para a presidência. Mas entendo que tenho que passar a diretoria para alguém e não deixar a instituição sem representatividade”, disse.

O outro lado

Após a entrevista com Jorge Wilson, a equipe de reportagem procurou o representante da chapa 2, Iomar Pinheiro, que destacou: “Os funcionários e pais, cansados da atual diretoria, me pediram para montar uma chapa e concorrer à presidência. Entreguei os nomes no dia 17 de março e, logo depois, fui proibido de entrar na instituição. Passei a fazer as campanhas do lado de fora da Afape, mas nunca fui avisado de qualquer impugnação. Troquei dois nomes, simplesmente porque a filha da fundadora da instituição me pediu para participar da chapa 2 e, para isso, foi preciso fazer algumas alterações. Mas, volto a dizer, não sabia da impugnação, se não teria me defendido”, argumenta.

Iomar conta que, apesar de ser acusado de não ter envolvimento com a instituição, sempre participou de festas e atividades na entidade, sendo portanto qualificado como benfeitor da Afape. “Jorge criou um artigo no estatuto para dizer que cabe à diretoria decidir quem é ou não um benfeitor. Mas tenho documentos assinados por diversos funcionários, que comprovam que eu participo ativamente das atividades da Afape”, afirmou Iomar. 

Ainda de acordo com Iomar, a impugnação da chapa só foi avisada às vésperas da eleição, quando pais dos alunos, funcionários e comunidade já aguardavam pelo pleito. “Houve muita confusão e acabei sendo ameaçado pelo filho do Jorge. Por causa disso tudo, entramos com uma ação na Vara Cível, já encaminhada para o Ministério Público, para formar uma comissão composta por funcionários para administrar temporariamente a Afape”, conta.

Sobre o fato das senhas dos computadores e fechaduras das portas da associação terem sido trocadas, Iomar tem outra versão: “Temos fotos, por exemplo, de documentos queimados por ele. Além disso, há provas de que a ata da instituição foi retirada da Afape e encontrada na casa do presidente Jorge”, finaliza. 

LEIA MAIS

​“Não podemos atuar sem um representante legal”, afirma funcionária da instituição

Funcionários ainda aguardam decisão do Ministério Público sobre pedido de intervenção

Instituição não recebe recursos do governo do estado há um ano

Publicidade
Agora Faz
URL da notícia:
TAGS: Afape