Poda drástica e ilegal pode ter matado árvore em extinção em Amparo

Peroba-rosa centenária teve a copa totalmente cortada na última semana, sem autorização
segunda-feira, 24 de junho de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
A peroba-rosa depois da poda (Fotos de leitor)
A peroba-rosa depois da poda (Fotos de leitor)

 

A poda drástica da copa de uma peroba-rosa (Aspidosperma polyneuron), no distrito de Amparo, pode ter levado a árvore nativa da Mata Atlântica à morte, segundo um morador. Ameaçada de extinção, a espécie está localizada há centenas de anos no meio da Rua 26 de Março, no loteamento Heberlândia.

O alerta foi feito pelo WhatsApp de A VOZ DA SERRA (22) 99213-9995. “Neste domingo, 23, Amparo amanheceu triste, céu nublado, sensação de tristeza pelo ar por causa da árvore. Um morador, se achando no direito, mandou fazer uma poda drástica (e criminosa) nessa espécie nativa”, disse o morador, que optou por não ser identificado por temer represálias.

“Grandiosa, exuberante, e agora cortada, sofrendo, talvez morta. Muitas gerações participaram da preservação dessa árvore, mesmo em um tempo em que as questões ambientais não eram tão levadas a sério. E agora em pleno século 21, com pessoas bem informadas, esclarecidas e leis severas, a ignorância e estupidez do morador que podou a árvore foi maior”, desabafou o denunciante. 

De acordo com o homem, que vive há mais de 25 anos no distrito, no passado, a região era conhecida como “Perobas” justamente pela quantidade de árvores da espécie que existiam no loteamento. Madeira nobre, cobiçada, a peroba é utilizada em carpintaria, na fabricação, entre outros objetos, de vigas, janelas, portas e escadas para imóveis, móveis pesados e até embarcações.

A árvore brasileira, originária da Mata Atlântica, chega a atingir 30 metros de altura com o tronco ereto, o que lhe confere a categoria de madeira de corte. A superexploração econômica levou a peroba-rosa ao estado de perigo de extinção no país.

O morador contou ainda que idealizador do loteamento Heberlândia, Héber Alves da Costa, preservou a árvore no meio da rua por cerca de 40 anos, na época da construção dos imóveis. “Já era grandiosa nesse mesmo local durante a infância de Héber, época em que seu pai, Américo, produzia café na mesma área, lá estava a árvore”, comentou.

Poda ilegal

Em Nova Friburgo, a lei municipal 3.925, de 2011, proíbe a poda de árvores, sem autorização, em área de domínio público. O interessado deve solicitar a poda à prefeitura e, nos casos de extrema urgência, com iminência de queda da árvore, deverá recorrer ao Corpo de Bombeiros. A pessoa que descumpre a norma pode responder por crime ambiental e ainda ser multado. 

A VOZ DA SERRA questionou nesta segunda-feira, 24, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente se a poda na peroba-rosa do loteamento Heberlândia foi autorizada. A pasta informou que não recebeu qualquer solicitação para intervenção na árvore. E reiterou que o procedimento deveria ter sido feito à prefeitura. 

 

LEIA MAIS

Flores serão plantadas ao longo das calçadas da via, em mais uma ação do projeto de recuperação paisagística

Segundo leitor, falta senso de cidadania de quem deposita o lixo fora do horário de coleta

Com entrada gratuita, parque no bairro Cascatinha atrai moradores e turistas

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra