Passagens mais caras desde sábado: R$ 4,20

Câmara só deve votar na terça decreto legislativo que pode anular reajuste
sexta-feira, 16 de agosto de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Passagens mais caras desde sábado: R$ 4,20

As passagens dos ônibus urbanos em Nova Friburgo sobem mesmo dos atuais R$ 3,95 para R$ 4,20 a partir deste sábado, 17. O aumento, concedido pelo prefeito Renato Bravo à empresa Faol, foi anunciado na última segunda-feira, 12, e começa a vigorar dois anos e meio depois do último reajuste, em março de 2017. Para beneficiários do vale-transporte, cujos cartões foram carregados antes do aumento, porém, a passagem a R$ 3,95 continuará valendo por mais 30 dias. 

Em nota, a prefeitura justificou que nos últimos anos não permitiu o reajuste da tarifa por entender que o serviço de transporte prestado pela empresa deveria ser melhorado. A falta de aumento nesse período, porém, causou um desequilíbrio econômico-financeiro no contrato, já que os reajustes previstos são anuais.

“A Faol vem apresentando periodicamente atualizações nas planilhas de custos da operação de transporte público, como aumentos do óleo diesel e demais insumos, que justificam e sustentam a necessidade do referido reajuste. O valor pedido pela empresa para a nova tarifa é de R$ 4,40. No entanto, a prefeitura irá subsidiar o complemento, justamente para não repassar o valor integralmente aos passageiros”, disse o governo. 

Na nota, a prefeitura detalhou também que o subsídio a ser pago pelo município será de R$ 300 mil por mês, válido até dezembro de 2019, para garantir o direito à gratuidade de estudantes e pessoas entre 60 e 64 anos. Esse valor será pago por meio de recursos da Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu). 

“Quando a nova licitação for concluída, a outorga fixa de R$ 300 mil por mês será substituída pelo valor recolhido de outorga (2% sobre o faturamento da empresa) e mais ISS (3% do que a empresa recolhe). Esses percentuais serão incorporados ao Fundo de Compensação Tarifária, responsável pela gestão do subsídio.O reajuste se faz necessário para não haver prejuízos na prestação do serviço e servirá de incentivo para que a empresa promova melhorias e investimentos”, diz a nota.

A prefeitura afirmou ainda que desde que um novo grupo assumiu a administração da Faol, em 2017, vem exigindo o cumprimento de uma série de melhorias, entre eles, 59 ônibus novos, sendo 37 com ar condicionado, com a idade média baixando de seis para dois anos e meio de uso; implantação de central de controle de operações via GPS; implantação de sistema de controle de fraudes através de biometria facial; implantação de softwares de logística de última geração; reforma das instalações de manutenção; criação de garagem de apoio na Vila Amélia: implantação de sistema de comunicação em tempo real com clientes; investimento de mais de R$ 6 milhões em peças e acessórios.

Decreto legislativo contra o reajuste

O aumento das passagens causou reações na última semana. Vereadores de oposição protocolaram na Câmara, na quarta-feira, 14, projeto de decreto legislativo com o objetivo de anular o decreto do prefeito Renato Bravo que concedeu o reajuste da tarifa. Zezinho do Caminhão, Marcinho (PRB), Johnny Maycon (PRB), Wellington Moreira (MDB) e Professor Pierre (PSB) sustentam que o aumento é ilegal porque a prefeitura não possui contrato com a Faol. 

A concessão do transporte terminou em setembro do ano passado, mas a empresa continua prestando o serviço com base em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com a prefeitura e o Ministério Público. O TAC foi proposto para manter o serviço em operação já que o governo não abriu licitação para concessão do transporte em tempo hábil. Para os vereadores, contudo, o TAC não tem respaldo jurídico já que não foi homologado pela Justiça.

Já a Faol afirma que o TAC é um acordo extrajudicial que não depende de homologação da Justiça para ter validade. O TAC contém um termo de prorrogação do contrato entre a prefeitura e a empresa, válido por 12 meses. Em entrevista para A VOZ DA SERRA, o diretor da companhia, Paulo Valente, disse que todos os itens do documento estão sendo cumpridos, e criticou os vereadores. “Esse TAC garantiu o manutenção do transporte na cidade, já que  prefeitura não lançou a licitação em tempo hábil. O que esses vereadores querem é a perpetuação do caos”, criticou. 

O projeto de decreto legislativo, que pode anular o aumento da tarifa dos ônibus, seria apreciado pelos vereadores, em plenário, na sessão da última quinta-feira, 15, mas não entrou na pauta de discussões. A sessão, que reuniu funcionários da Faol, foi tensa. Houve xingamentos e até ameaças aos vereadores. A Polícia Militar teve que ser acionada. Apesar da confusão, o texto continua em tramitação na Câmara deve ir à votação na próxima terça-feira, 20. 

 

LEIA MAIS

Órgão é contra homologação do acordo, entre governo e empresa, que reajustou passagens dos ônibus no mês passado

Duas remessas somam mais de R$ 13 milhões e contemplam quase 300 itens que estavam em falta ou com estoque baixo no almoxarifado da Secretaria de Saúde de Friburgo

Edital de concessão do serviço está em análise no Tribunal de Contas do Estado desde junho

Publicidade