Otávio e Carolina, com seus bonecos gigantes, sai somente em Amparo

Adereços de quase três metros de altura fazem parte de uma história que já tem mais de 100 anos
sexta-feira, 01 de março de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)

Os primos José Elias Rocha - o Zezim, como é conhecido - e André Luiz da Rocha estão, há mais de 20 anos, cumprindo a missão de colocar o bloco carnavalesco Otávio e Carolina na rua. Tradição do carnaval de Amparo, os bonecos, de quase três metros de altura, fazem parte de uma história que tem mais de 100 anos, e em 2019 estarão pelas ruas do distrito, novamente, embalados pelas marchinhas e guiando os foliões.

Como tudo começou, é difícil dizer. Histórias dão conta de que na virada do século 19, quando o bloco foi criado, havia um casal muito festeiro que morava na região, cujos nomes serviram de inspiração para os três fundadores: Lico Costa, Sebastião Lamblet e Rufino Schuenck. O que realmente se sabe é que no carnaval de rua naquele período era comum os blocos terem carros ornamentados e bonecos que os representavam. Com Otávio e Carolina não foi diferente.

O casal de bonecos foi pioneiro do carnaval de Amparo. Passando por administrações diferentes após a morte dos seus fundadores, como a de Ibanez Winter e Nilton Teixeirão, no primeiro retorno ao carnaval, os bonecos ganharam nova configurações. Assim que assumiram o bloco eles mandaram refazer os fantoches, que ganharam uma armação feita de bambu.

“O bloco tem mais de cem anos e foi criado para desfilar em Amparo. Na época, o carnaval aqui era muito animado, mas ainda havia segregação. Além do ‘Otávio e Carolina’, na região ainda havia os blocos ‘da Rosa’, ‘das Flores’ e o ‘Estrela do Oriente’, que eram formados por negros. Após a morte de Lico, Sebastião e Rufino, o bloco acabou. Quem resgatou a história foram o Nilton e o Ibanez, que mandaram fazer os bonecos de taquara. Eram grandes e bem feitos, mas a armação era muito pesada, brincar carnaval carregando os bonecos era um teste de resistência”, conta Zezim.

A brincadeira seguiu sob comando de Betinho Schuenck na década de 70, foi novamente interrompida por alguns anos, até que os primos Zezim e André assumiram o desafio. Na gestão atual, as armações dos bonecos foram feitas de metal, com uma estrutura mais leve, que pesa pouco mais de cinco quilos, contando com o corpo de espuma e as roupas.

E nesses 20 anos, novos integrantes foram se juntando ao bloco. Otávio e Carolina ganharam dois filhos: Clarinda e Antenor. Um boi-bumbá e um burrinho também passaram a desfilar no carnaval, e o companheiro mais recente foi um boneco do ilustre Luiz Gonzaga, com óculos de sol, chapéu e sanfona.

“Desfilamos todos os anos no carnaval friburguense. Já fomos convidados para apresentações do bloco no carnaval de Niterói, onde desfilamos três vezes, e também do Rio, em Jacarepaguá, dois anos seguidos. Os bonecos são um sucesso: eles sambam, pulam e dançam embalados pela banda contratada para tocar marchinhas”, conta André.

Otávio e Carolina na folia de Amparo

Para o carnaval 2019, a programação do bloco Otávio e Carolina não contempla o desfile pelas ruas do centro da cidade. Segundo os organizadores, por questões financeiras eles optaram por sair apenas no distrito, onde são presença garantida a partir deste sábado, 2, até a terça-feira, 5.

“Peço desculpas a todos os friburguenses por não levarmos o bloco para o centro, este ano. Por falta de apoio e patrocínio, não conseguimos nos organizar financeiramente para contratar a banda e a estrutura necessária para o desfile na Avenida Alberto Braune. Mas aproveito para convidar a todos para virem curtir uma festa animada, cheia de atrações e com muitas brincadeiras, aqui em Amparo”, avisou Zezim.

Aos 79 anos, Zezim ainda comenta sobre a oportunidade para novos nomes do carnaval de levar adiante a tradição do Otávio e Carolina: “Todos os anos nos organizamos para apresentar nosso melhor desfile aos foliões, mas a idade já vem chegando, então buscamos pessoas comprometidas com a história do bloco e também do bairro para nos suceder nesse projeto. Não podemos deixar o Otávio e Carolina parar!”, conclamou Zezim.

 

LEIA MAIS

Curiosa para saber quem era o sambista friburguense, jurada da atração do SBT usou jornal como fonte de pesquisa

Valcir Ferreira foi convidado para cantar sua marchinha de carnaval que brinca com fala polêmica da ministra Damares

Primeiro lugar no carnaval, escola fez grande festa em sua quadra com a presença da torcida

Publicidade
TAGS: carnaval