Oito anos depois, Véu das Noivas pode voltar a jorrar

Energisa e Prefeitura de Nova Friburgo discutem projeto para revitalizar ponto turístico, abandonado desde a tragédia de 2011
sábado, 23 de março de 2019
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)

Continua abandonado o mirante de onde se via a famosa cachoeira Véu das Noivas, em Nova Friburgo. Com a calçada rachada e sem muretas de proteção em alguns trechos, o local, em Furnas, no distrito de Conselheiro Paulino, ainda atrai visitantes graças ao restaurante e os quiosques que funcionam na curva onde, outrora, turistas paravam para tirar fotos com a queda d’água que não existe mais. “Está abandonado, não é mesmo? Uma pena!”, disse um motorista que parou no local para comprar uma garrafa d’água na última semana.  

Pouca coisa mudou desde agosto de 2017, quando A VOZ DA SERRA esteve no local para uma série de reportagens sobre os pontos turísticos da cidade. Paredes continuam pichadas e a única lixeira do local está quebrada. O que sobrou das muretas de proteção próximas aos quiosques continua pendurado e lixo, muito lixo espalhado pelo canteiro mal cuidado do espaço. As folhas de uma agave americana (planta da família das suculentas) estão riscadas.

De lá para cá, a única melhoria promovida foi o reparo em um trecho da calçada que estava rachado, ameaçando desabar sobre uma escadaria que dá acesso à trilha que leva às margens do Rio Bengalas. Degraus da escada também estão rachados. Na última semana, havia lixo espalhado pelo local e o mato alto crescia ainda mais. Não existe mais a imagem de uma santa que ficava num espaço dedicado a ela no fim da escada. Chama a atenção uma mensagem em tom de protesto afixada numa estrutura onde havia uma placa com informações turísticas: “Desculpem o transtorno, estamos sem prefeito”.

O movimento de turistas no local é baixo, desde que a queda d’água artificial parou de jorrar após a tragédia de 2011. A cachoeira possuía 90 metros de altura e era resultado do excesso de água de um canal que alimentava as máquinas da Usina do Catete. Em épocas de chuva, geralmente, a cascata funcionava e, em períodos em que o nível do canal estava baixo, era desligada. Em 2011, a estrutura de condução das águas que abastecia o equipamento foi danificada pela queda de barreiras próximo à usina.

Desde então, quem visita o local contempla somente o paredão por onde caía a água e, claro, as árvores no entorno. O restaurante que funciona lá também atrai turistas. Funciona de terça-feira a domingo. Os três quiosques, que vendem salgados e caldo de cana abrem aos fins de semana. “É uma pena, este era um lugar onde muitas famílias vinham para passear e tirar fotos. Hoje, inclusive, contratei por conta própria uma pessoa para capinar parte do local e ajudar da forma que posso”, disse o proprietário do restaurante, Gessé Pontes.

Cachoeira de volta

Em meio ao abandono, a boa notícia é que a concessionária de energia elétrica Energisa pode investir na revitalização do Véu das Noivas. A empresa é proprietária do terreno da Usina do Catete. Em nota, informou que “está discutindo com a Prefeitura de Nova Friburgo a viabilização do projeto de revitalização do Véu das Noivas. Mas depende de acordo entre as partes para que oportunamente possa acontecer”. A prefeitura confirmou a informação, porém, ainda não há prazo para que o projeto saia do papel.

 

LEIA MAIS

Na Região Serrana, cidade perde apenas para Petrópolis; outros destinos mais procurados são Búzios, Paraty, Niterói e Ilha Grande

Equipe da cidade litorânea veio conhecer o potencial turístico e sócio-econômico de regiões agrícolas

Friburgo será um dos municípios que vai mostrar seu potencial no evento que acontece dos dias 22 a 25, no Rio

Publicidade