Obra de ciclovia ganha desvios nos locais onde há postes no meio do caminho

Segundo subsecretário, devido à rede de alta tensão e terreno instável para transplantar postes, solução adotada foi contorná-los
sexta-feira, 02 de agosto de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
A ciclovia, o poste e o desvio já sendo concretado nesta sexta (Fotos: Henrique Pinheiro)
A ciclovia, o poste e o desvio já sendo concretado nesta sexta (Fotos: Henrique Pinheiro)

Em reportagem publicada na edição desta sexta-feira, 2, A VOZ DA SERRA destacou opiniões da população sobre a tão esperada ciclovia que está sendo construída na margem do Rio Bengalas, entre Duas Pedras e Paissandu. Alguns entrevistados demonstraram preocupação e dúvidas com relação à obra, que apresenta desníveis em alguns trechos da calçada na Avenida Presidente Costa e Silva e até postes bem no meio do espaço que será destinado ao uso compartilhado dos ciclistas e pedestres. No mesmo dia da publicação da reportagem, a Prefeitura de Nova Friburgo iniciou a construção de “desvios” de concreto nos trechos onde estão localizados os postes no meio da calçada.

Em entrevista, o subsecretário de projetos, Sérgio El Jaick, afirmou que os postes que estão posicionados no meio da calçada não deverão ser retirados. A justificativa, segundo ele, é que “o projeto inicial da ciclovia já contemplava a manutenção dos postes devido ao fato de sustentarem a rede de alta tensão e o terreno (próximo à margem do rio) para onde poderiam ser removidos é instável. Assim, o projeto adotou a solução de contornar os postes sem prejuízo do trajeto”.

A declaração repercutiu nas redes sociais e muitos friburguenses questionaram os “obstáculos no meio da caminho”. “A ciclovia com postes no meio da calçada vai ficar um luxo, acredito que tenha sido tudo pensado para melhorar o reflexo dos ciclistas”, comentou um leitor em tom irônico. “Estão colocando concreto em uma calçada irregular. Já tem rachaduras em vários trechos”, postou outro leitor.

Após a repercussão, a empresa contratada começou a construir os desvios. Com parte da calçada alargada, o objetivo é facilitar o trânsito de ciclistas e pedestres. Ainda de acordo com o subsecretário de Projetos, Sérgio El-Jaick, “foi realizado um estudo prévio comprovando que já existe uma convivência pacífica entre ciclistas e pedestres na cidade. Para melhorar esse cenário, o projeto programou uma sinalização horizontal e vertical em todo o trecho”.

O projeto 

A ciclovia é um desejo antigo em Nova Friburgo. A bicicleta é um meio de transpiorte barato, saudável e bastante ágil, mas não costuma ser muito utilizado no município devido a falta de espaços exclusivos para o ciclismo. Ainda mais no Centro, onde a maioria das vias têm grande movimento de veículos. Os ciclistas que arriscam pedalar nas vias urbanas ou se arriscam em meio ao trânsito ou invadem as calçadas disputando espaço com os pedestres. 

O projeto da Ciclovia de Nova Friburgo prevê o aproveitamento das calçadas já existentes nas margens do Rio Bengalas, entre o Paissandu e o trevo de Duas Pedras, inicialmente, e depois estendendo-se ao distrito de Conselheiro Paulino. A prefeitura vai aproveitar as calçadas já existentes transformando-as em espaço de uso compartilhado entre ciclistas e pedestres. O projeto no trecho inicial (Paissandu-Duas Pedras) vai custar aos cofres públicos R$ 999 mil.       

 

LEIA MAIS

Estado anuncia que unidade será concluída, mas ficará fechada e só vai funcionar em caso de necessidade

Loteamento Tiradentes está sem transporte regularizado desde o fim do ano passado

Encostas deslizaram na serra dos Três Picos e na localidade de Cascata, em Lumiar

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra