Nem operação tapa-buraco dá jeito no Parque D. João VI

Crateras na pista viram problema crônico na região
quarta-feira, 28 de agosto de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Nem operação tapa-buraco dá jeito no Parque D. João VI

Pela terceira vez em um ano, A VOZ DA SERRA foi ao Parque D. João VI verificar se as demandas dos moradores frente à prefeitura por melhorias havia sido atendida. De cara, vimos que a principal reivindicação era uma solução para os muitos buracos em diversas vias. Em agosto de 2018, nossa equipe constatou que a região tinha grande urgência em resolver esse problema, assim como outros (capina, falta de iluminação, entupimento e falta de tampas nos bueiros, ruas cedendo e sem lixeiras).

Criado em 2017, o grupo União dos Moradores (UDM), conjunto dos loteamentos Parque Dom João VI, Parque Real, Parque Imperial e Alto do Mozer, tendo como um dos porta-vozes, Eduardo Trigo, fez um estudo, mapeou e entregou à prefeitura um relatório contendo as reivindicações. 

À época, a prefeitura informou, através de nota, que a Secretaria de Serviços Públicos, na mesma semana, iria enviar equipes para realizar uma capina na localidade. Também naquela mesma semana seriam iniciados os serviços de colocação de tampas e desobstrução de bueiros. De acordo com Eduardo, em reportagem no início deste ano, pouco foi feito.

Hoje, um ano após a primeira reportagem, as ruas continuam com muitos buracos, alguns chegam a uma profundidade assustadora. Uma moradora que preferiu não se identificar afirma que a situação calamitosa já dura mais de dois anos.

“Nem o ônibus consegue passar por aqui direito. É um absurdo. Pagamos nossos impostos e nem sair da minha casa com segurança eu consigo. Andar aqui é ter medo de cair em um buraco ou do carro quebrar por conta dessa falha”, indignou-se.

O que diz a prefeitura

De acordo com nota da prefeitura, “a localidade mencionada pela reportagem foi contemplada no início deste ano com algumas intervenções feitas pela Secretaria Municipal de Obras, como pequenos reparos e obras de contenção, como a realizada na Alameda Curuzu. A respeito da Rua Professora Lara Vieira será enviada uma equipe de técnicos da secretaria para averiguar a situação e providenciar possíveis reparos”.

Contraponto

Segundo Eduardo, a prefeitura foi até a região para efetuar alguns reparos, como afirmou a nota. A ressalva é de que os buracos não foram tapados em sua totalidade e outros voltaram a se abrir ao longo do ano. Além disso, serviços como capina , de acordo com o porta voz da UDM, “é feito em partes. As equipes só ficam no início do bairro, não avançam. Os bueiros continuam entupidos e sem tampa e com relação a iluminação (ou falta dela), já foi pedido junto a Energisa há alguns meses a troca de lâmpadas, mas até agora nada”.

Conforme divulgado por A VOZ DA SERRA no último dia 14, a Prefeitura de Nova Friburgo finalizou a compra de asfalto para incrementar a operação tapa buracos em vários bairros e distritos do município. A vencedora da licitação foi a empresa Novacap Engenharia Indústria e Comércio Ltda, que cotou o menor valor para a execução dos serviços: R$ 560.965,21, por um prazo de 90 dias.

Na ocasião, a prefeitura informou em nota que o serviço já havia sido iniciado no bairro Granja Spinelli, e “o cronograma das próximas localidades que serão atendidas estava sendo definido pela Secretaria Municipal de Obras”. A operação concentra-se até hoje, 28, no bairro Braunes. 

 

LEIA MAIS

Ponte ameaça desabar. Moradores têm projeto já aprovado pelo Inea para obra, que só depende da prefeitura

Cinco ruas transversais à Comte Bittencourt foram parcialmente interditadas para os trabalhos, que vão até sexta

Governo municipal informa que todos os bairros serão contemplados, mas não estima nem quantos quilômetros serão recuperados

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra